Endorfina: o que é e como produzi-la naturalmente

Endorfina: o que é e como produzi-la naturalmente

Sabe aquela sensação de tranquilidade e leveza que vem após ouvirmos uma música, dançarmos ou fazermos uma atividade física que gostamos?

Pois é, essa sensação tem a ver com a endorfina, hormônio utilizado como meio de comunicação dentro do sistema nervoso, para promover essa sensação em nós.

O termo endorfina é a contração das palavras endógeno + morfina (“endo” = interno e “morfina”  = analgésico).

Essa denominação já traduz uma das importantes funções da endorfina, que é a de atuar como analgésico natural do corpo.

O que é Endorfina

Presente em humanos e em outros animais, a endorfina é uma substância produzida pelo próprio organismo – no cérebro pela glândula hipófise – e utilizada pelos neurônios (neurotransmissores) como uma espécie de mensageira da sensação de bem-estar.

A ação desse hormônio é semelhante a um analgésico, porém sem causar efeitos colaterais. Dessa forma, a endorfina age como um remédio natural contra dor, mas também promove alívio, sensação de bem-estar e felicidade.

Funções

A endorfina tem como principais funções:

  • manter o equilíbrio do apetite e do sistema gastrointestinal
  • realizar termorregulação do corpo
  • promover a regulação saudável do sono
  • regular o ciclo menstrual
  • atuar na secreção de outros hormônios como prolactina e cortisol, entre outros

Benefícios

Dentre os benefícios que a endorfina traz para o corpo e mente, temos:

  • bom funcionamento do sistema nervoso central
  • equilíbrio emocional e mental
  • calma, confiança e satisfação
  • disposição física
  • ativação da memória
  • melhora do humor
  • redução do estresse e ansiedade
  • fortalecimento da resistência física e do sistema imunológico
  • aceleração da recuperação das lesões dos vasos sanguíneos
  • combate ao envelhecimento, por eliminar os radicais livres
  • amenização da dor
  • maior concentração
  • melhor qualidade de vida

Como estimular a produção e a liberação da endorfina

Fatores externos cooperam para a produção e a liberação da endorfina.

Existem várias formas de estimular esse hormônio, como por exemplo:

  • fazer atividade física
  • terapias como aromaterapia, acupuntura e massagem corporal
  • ouvir música agradável ou se tratar com musicoterapia
  • sorrir e dar risada
  • assistir filmes que promovam emoções de alegria, ternura ou empatia
  • contato com a Natureza
  • conviver e brincar com animais
  • contemplar um bebê
  • passear em lugares leves e calmos como bosques, campo, montanha ou à beira-mar
  • fazer yoga 
  • meditação
  • dar e receber carinho e carícias
  • dançar ritmos que proporcionem bem-estar e ânimo
  • banho de água morna ou sauna
  • tomar Sol agradável
  • cultivar amigos e ter amizades saudáveis
  • fazer trabalhos voluntários que trazem satisfação
  • paquerar, namorar, apaixonar-se

Alimentos que promovem a produção de endorfina

Estudos científicos comprovam que a alimentação também tem um importante papel na produção da endorfina pelo organismo. Por exemplo, alguns alimentos que contribuem especialmente para isso são:

Pimentas

Pimentas são fontes de capsaicina, a substância que confere o sabor picante a elas, e que além disso, estimula o cérebro a produzir endorfina. Por isso, pimentas têm efeito analgésico.

não pode se empolgar para não fazer mal, pois, em excesso, pimentas podem causar intoxicação.

Uma maneira de consumir pimenta nas refeições é através da conserva.

Para saber como se faz conserva de pimentas, consulte o conteúdo:

Frutas cítricas

Frutas cítricas, como laranja, toranja, limão e acerola têm alto teor de vitamina C.

Estudos indicam que altas doses de vitamina C podem aumentar a liberação de endorfinas. Portanto, incluir frutas cítricas no cardápio alimentar é uma boa forma de melhorar o humor e a disposição do corpo.

Para isso, você pode consumir frutas cítricas in natura, em sucos, saladas de frutas e vitaminas.

Cereais

Os cereais integrais são fonte de vitaminas do complexo B, como vitamina B6,  B1 (tiamina) e  B3 (niacina).

Por conter essas vitaminas, os cereais contribuem para a saúde e o equilíbrio do sistema nervoso, que por sua vez está associado à ação benéfica das endorfinas e outros hormônios, como a serotonina e a dopamina.

Alguns exemplos de cereais integrais são:

  • aveia
  • trigo sarraceno
  • quinoa
  • arroz integral
  • quinoa
  • cevada, entre outros

Banana

A banana, entre outros nutrientes, contém vitaminas B, C e triptofano e ajuda a aumentar a liberação de endorfina no corpo, o que é muito bom para melhorar o humor.

A vantagem da banana é que é um fruto bem acessível, mais barato e popular, que dá para consumir de várias maneiras, como:

Oleaginosas

Nozes, castanhas, pistache, amendoim e amêndoas fazem parte das oleaginosas, que contêm gorduras saudáveis, que cooperam para ajudar na produção dos hormônios do bem-estar integral.

Para incluir as oleaginosas na alimentação do dia a dia, você pode utilizá-las das seguintes formas:

Abacate

O abacate é uma fruta que também possui boa concentração de gorduras boas, contribuindo para o processo de produção e liberação de endorfina no corpo.

As gorduras saudáveis do abacate ajudam a combater o estresse, a depressão e a ansiedade.

Você pode consumir o abacate de várias formas:

  • in natura
  • saladas salgadas ou com frutas
  • sorvetes caseiros
  • vitaminas
  • amassada
  • pastas
  • pesto
  • guacamole
  • mousse
  • sopa crudívora
  • brigadeiro
  • trufa
  • creme
  • salada verde
  • maionese

Veja alguns desses empregos culinários do abacate neste conteúdo:

Chocolate meio amargo

O chocolate meio-amargo (com alto teor de cacau, sem leite e menos açúcar) é mais puro e contém também maior concentração de triptofano.

Além disso, os nutrientes contidos nesse alimento ajuda a aumentar a produção de endorfina.

Esse alimento também aumenta a produção de serotonina e dopamina, que agem como antidepressivos naturais.

Entretanto, é importante salientar, que conforme pesquisa científica, o tempo de duração do efeito estimulante do chocolate, que causa sensação de bem-estar, dura muito somente 3 minutos.

Nesse contexto, a melhor forma de aproveitar os benefícios desse alimento é consumi-lo de forma gradativa e não de uma vez, ou seja, em pequenas quantidades durante o dia.

Consumindo o chocolate dessa forma, você estará prolongando o nível de endorfina no organismo e evitando o aumento da glicose, por conta do açúcar contido nele.

Se comer chocolate já era bom, imagine agora, não é mesmo? Por isso, que tal fazer chocolate caseiro com ingredientes saudáveis e sem aditivos químicos e além de tudo cruelty-free (sem ingrediente de origem animal)?

Veja as receitas neste conteúdo:

Sementes de abóbora

As sementes de abóbora são também fontes de triptofano (aminoácido precursor da serotonina e da melatonina, outros hormônios ligados ao bem-estar). Seus nutrientes cooperam para melhorar os níveis de endorfina no organismo.

Essas sementes contêm vitaminas A, E e do complexo B, minerais como o ferro e nutrientes antioxidantes.

Sendo assim, vale muito a pena incluir as sementes de abóbora na alimentação como, por exemplo em:

  • aperitivos
  • no lanche
  • na salada 
  • como ingredientes no preparo de pães
  • misturada com outra sementes no preparo de granolas 

Sintomas da deficiência de endorfina

A deficiência de endorfina pode gerar vários transtornos como:

  • oscilação emocional
  • falta de motivação e ânimo
  • depressão
  • ansiedade
  • mau humor
  • dores no corpo
  • vícios e compulsões
  • dificuldade em dormir

Outros hormônios parceiros da endorfina

O estado de bem-estar, alegria, otimismo, motivação e felicidade está atrelado aos hormônios que são produzidos e liberados em nosso corpo.

A forma como cuidamos de nossa saúde interfere na produção dessas substâncias químicas, responsáveis por promover equilíbrio físico, emocional e mental.

Para existir esse equilíbrio, o corpo precisa principalmente da ação de 4 hormônios, os chamados hormônios da felicidade:

  • Endorfina– que promove resistência à dor
  • Dopamina– responsável pela sensação de prazer e pelo estado de satisfação
  • Ocitocina– que estimula a afetividade e a empatia
  • Serotonina-fortalece o ânimo e traz calma

Quando estes hormônios estão em falta ou em desequilíbrio aparecem transtornos, como:

  • cansaço
  • desânimo
  • irritação
  • ansiedade
  • depressão, entre outros

Saiba mais sobre esses hormônios em:

Com base nessas informações, podemos concluir que o estado de felicidade depende mais de como gerenciamos nosso corpo, do que dos estímulos externos.

Por isso, é imprescindível conhecer mais sobre o funcionamento de nosso corpo, a fim de cuidar melhor dele.

A busca pela felicidade pode ser muito mais simples do que imaginamos.

Talvez te interesse ler também:

Amigos são analgésicos naturais mais eficazes que a morfina

Orgulho animal: a cara de quem sabe que vai conseguir

Quer mudar algo? São necessários 21 dias para mudar ou criar novo hábito

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *