Macadâmia: todos os benefícios. Rejuvenescimento, Força e Saúde

A Macadâmia pode ser consumida e utilizada de várias formas, possui inúmeros benefícios e, se utilizada de forma apropriada, pode fazer muito bem para nós, promovendo a saúde de nosso corpo e o rejuvenescimento de nossa pele, olhos e cabelos.

O que veremos nessa matéria:

Origem da Macadâmia e onde é cultivada

A noz e o fruto da Macadâmia têm origem de duas espécies de árvores da família proteaceae: Macadamia integrifolia (noz com casca lisa e suave) oriundas das florestas úmidas de Queensland-Austrália, e Macadamia tetraphylla ( noz com casca áspera) originária de Nova Gales do Sul-Austrália.

A Macadâmia, como vimos, é proveniente das florestas australianas, onde é encontrada como árvore nativa. Porém, essa planta ganhou fama internacional e passou a ser cultivada em vários partes do mundo.

É encontrada na China e em várias regiões de clima tropical e subtropical do Hawai, das Américas (México, Bolívia, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Equador, Paraguai, República Dominicana, Peru, Venezuela e Brasil), da África do Sul e de Madagáscar.

O botânico Ferdinand von Mueller, descobridor da Macadâmia, a batizou com esse nome em homenagem a seu colega, o naturalista e político australiano de origem escocesa, John Macadam (do sobrenome dele, derivou Macadâmia).

Valores nutricionais da Macadâmia

(Nozes cruas) por 100gramas:

Energia– 3080 kJ (740 kcal)

Carboidratos:

  • Carboidratos totais – 13.8 g
  • Açúcares – 4.57 g
  • Fibra dietética – 8.6 g

Gorduras:

  • saturada – 12 g
  • monoinsaturada – 59 g
  • polinsaturada -1.5 g

Proteínas:

Proteínas totais – 7.9 g

Vitaminas:

  • Tiamina (vit. B1) – 1.195 mg (104%)
  • Riboflavina (vit. B2) – 0.162 mg (14%)
  • Niacina (vit. B3) – 2.473 mg (16%)
  • Ácido pantotênico – (B5) – 0.76 mg (15%)
  • Vitamina B6 – 0.275 mg (21%)
  • Ácido fólico (vit. B9) – 11 µg (3%)
  • Vitamina C – 1.2 mg (1%)
  • Vitamina E – 0.54 mg (4%)

Minerais:

  • Cálcio – 85 mg (9%)
  • Ferro – 3.69 mg (28%)
  • Magnésio – 130 mg (37%)
  • Manganês – 4.1 mg (195%)
  • Fósforo – 188 mg (27%)
  • Potássio – 368 mg (8%)
  • Zinco – 1.30 mg (14%)

Fonte informacional dessa tabela nutricional: USDA Database

Os percentuais são relativos ao nível de ingestão diária recomendada para adultos.

Os benefícios da Macadâmia

Utilizada tanto para uso interno – como alimento e suplemento nutricional – como para uso externo – como ingrediente em tratamentos para pele e cabelo, e matéria-prima em produtos de beleza – a macadâmia possui vários benefícios.

É isso o que veremos a seguir:

Uso interno – alimentação e suplemento

A Macadâmia ajuda no emagrecimento

A macadâmia, por seu alto teor de óleo, é um alimento calórico, o que contribui para o fornecimento de energia para nosso corpo.

Engordar não está atrelado às calorias e às gorduras dos alimentos, desde que sejam saudáveis, como a Macadâmia, mas sim à quantidade de calorias que se consome e que se gasta ao longo do dia.

Isso quer dizer que a macadâmia pode ser incluída na dieta de emagrecimento. Suas fibras e proteínas ajudam a controlar o apetite, pois promovem sensação de saciedade (diminui a fome).

A macadâmia, por ser ótima fonte de ácido palmitoleico, um ácido graxo monoinsaturado que promove o bom funcionamento de nosso metabolismo, impedindo o não acumulo de gordura corporal.

Leia também: FRUTOS SECOS: SE CONSUMIDOS REGULARMENTE, REDUZEM O RISCO DE ENGORDAR

A Macadâmia fortalece nossos músculos

A Macadâmia contém proteína, macronutriente essencial para o desenvolvimento e fortalecimento dos músculos.

O consumo da Macadâmia contribui para produção de energia em nosso organismo, e isso é essencial para boa atividade muscular de nosso corpo.

Em sua constituição nutricional possui alta quantidade de tiamina (a vitamina B1) que neutraliza os efeitos negativos do estresse e aumenta nossa energia nos conferindo mais disposição.

A Macadâmia previne a incidência da arteriosclerose

O processo inflamatório gerado pelo acúmulo de colesterol LDL na parede dos vasos sanguíneos constitui o que se conhece por arteriosclerose.

Os ácidos graxos mono insaturados, como o ácido palmitoleico e o ácido oleico, contidos na macadâmia, ajudam a reduzir o nível do colesterol ruim (LDL) e aumentam o bom colesterol (HDL) promovendo assim a “limpeza” das artérias, evitando o acúmulo de gordura no organismo e contribuindo para o melhor funcionamento do fígado.

A Macadâmia previne o aparecimento do câncer

Os compostos flavonoides, encontrados na macadâmia neutralizam a ação dos radicais livres em nosso organismo.

A ação antioxidade da macadâmia pode evitar diversos tipos de câncer, como os de estômago, pulmão, próstata, útero e o câncer de mama.

A Macadâmia combate o surgimento da Anemia

A quantidade de ferro contida na composição nutricional da macadâmia, é responsável por ajudar a impedir a deficiência desse mineral em nosso sangue.

As nozes da macadâmia ajudam produzir ferro em nosso organismo, evitando assim a anemia do tipo ferropriva, uma doença que gera fraqueza e fadiga em nosso corpo.

A Macadâmia é boa para o intestino

Por ter muitas fibras, solúveis e insolúveis, a macadâmia promove o bom funcionamento do intestino.

Dentre os benefícios para o intestino que a macadâmia promove podemos descrever:

  • estimula a evacuação;
  • previne prisão de ventre;
  • ajuda na eliminação de toxinas;
  • evita a síndrome do intestino irritável

A Macadâmia faz bem para os nossos ossos e dentes

A macadâmia tem em sua composição os minerais cálcio, fósforo, cobre, zinco e manganês, nutrientes básicos para a saúde de nossos ossos e esqueleto.

Saúde dos olhos

A castanha e o óleo da macadâmia possui alto teor de antioxidantes. Por isso, inclui-la em nossa alimentação traz muito benéficos para a saúde dos olhos, prevenindo doenças como a degeneração macular e a catarata.

Promove a saúde do sistema nervoso

A macadâmia colabora para a boa saúde do cérebro e do sistema nervoso.

O cobre é um mineral que está presente em sua composição e é muito importante para que os neurotransmissores exerçam a atividade de enviar sinais químicos a todo o sistema nervoso, mantendo este sistema em bom funcionamento.

Uso externo – tratamentos e produtos cosméticos

Como pode ser utilizada a Macadâmia para promover a beleza e a saúde da nossa pele, cabelos e lábios? A Macadâmia, por suas propriedades antioxidantes e hidratantes, contribui para tudo isso!

O óleo de Macadâmia contém um antioxidante conhecido como esqualeno, que é encontrado naturalmente no nosso corpo. Sua utilização reduz o estresse oxidativo das células de gordura em nosso corpo, prevenindo o aparecimento de rugas, os sinais da idade e outros problemas de pele.

Os ácidos graxos do óleo de Macadâmia são ótimos componentes de hidratação e regeneração para pele e cabelos.

O óleo de Macadâmia, por todos esse componentes, é poderoso hidratante, melhora a tonicidade e a elasticidade da pele e dos lábios, e promove o brilho, a sedosidade dos cabelos, protegendo-os do ressecamento.

O óleo de Macadâmia pode ser empregado de diversas formas: máscaras, cremes ou usado puro mesmo, tanto na pele, como nos cabelos.

Leia: COMO FAZER O CABELO CRESCER RÁPIDO: DICAS E REMÉDIOS NATURAIS

Como consumir ou utilizar a Macadâmia?

Na alimentação

A macadâmia pode ser usada na alimentação de duas formas:

  • castanha, que é muito saborosa e nutritiva e podemos consumir em receitas como pães, saladas, farofas, vitaminas, entre outros
  • óleo de macadâmia, de gosto adocicado pode ser usado na composição do tempero para preparo de pratos salgados, como para refogar e fritar vegetais, enfim, sendo utilizado como óleo de cozinha.

Como cosmético

Além de ser utilizado na alimentação, o óleo de Macadâmia, como já vimos, é amplamente usado como produto de beleza e hidratação para pele e cabelo, sendo ingrediente de vários produtos cosméticos.

Contraindicações

O consumo, em excesso, da Macadâmia pode provocar o risco de diarreias, por conta da sua alta quantidade de fibras, além de meteorismo (gases) e dores intestinais (dada a fermentação do fruto no intestino).

Algumas pessoas podem ser alérgicas por causa da histamina contida na Macadâmia e nas nozes em geral, podendo vir à desencadear coceira na pele e inchaço nos lábios ou até sintomas mais graves.

Pessoas que têm alergia a amendoins e castanhas, devem ficar atentas.

Tais contraindicações devem ser consideradas por pessoas alérgicas e ou que tenham problemas intestinais. Caso, queiram utilizar Macadâmia, seja para uso interno ou externo, é melhor consultar um médico ou nutricionista antes.

Observações importantes

Todo alimento exige moderação em seu consumo, por isso em excesso, a Macadâmia pode provocar toxicidade no organismo.

Antes de consumir as nozes de Macadâmia verifique aspecto e cheiro, pois se apresentarem cheiro e gosto rançoso, manchas, aparência embolorada e fissuras, podem estar mofadas, o que pode provocar intoxicação e reação alérgica em nosso organismo.

As castanhas da Macadâmia são altamente tóxicas para os cães. Nunca a dê como alimento ao seu animal de estimação.

Por que a Macadâmia custa caro?

Após quatro anos de seu plantio, a planta começa a produzir suas primeiras nozes, leva quinze para ficar adulta.

O retorno do investimento para a produção da Macadâmia ocorre após 10 anos.

As nozes em cascas são colhidas do chão, descarpeladas (retirada do carpelo, a “casca” que envolve a macadâmia), secas, quebradas, classificadas, processadas e embaladas.

O processo de produção é caro o que eleva o preço da Macadâmia, dificultando que seja um alimento acessível para o nosso consumo.

Agora que conhecemos mais as propriedades da Macadâmia, é uma boa alternativa para enriquecer nossa alimentação e cuidar do nosso corpo.

Apesar do seu alto custo, ainda assim é vantagem pagar o preço, investindo em nossa saúde. Afinal, é melhor gastar com alimentação do que com remédios!

Talvez te interesse ler também:

Couve-flor e Brócolis: dois verdadeiros alimentos anticâncer

JILÓ: o amargo que faz bem! Veja Benefícios, Contraindicações e Receitas

Caroço de abacate vira plástico biodegradável que se degrada em 240 dias  

Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.