Desafio: ficar 1 dia sem reclamar. Será que você consegue?

Desafio: ficar 1 dia sem reclamar. Será que você consegue?

Já notou como é difícil passar um dia sem ao menos dar uma reclamadinha que seja?

E na atual conjuntura, temos muitos motivos para reclamar, não é mesmo? São tantos os motivos que, se não nos cuidarmos, passaremos o dia inteiro a reclamar!

Se pararmos para observar, todos os dias vemos o reflexo disso:

  • nos posts da Internet
  • nos noticiários
  • nas discussões familiares
  • nas reuniões de trabalho
  • na política brasileira

Motivos para reclamar não faltam e são diversos, desde os mais corriqueiros, aos mais sérios.

O fato é que reclamar na maior parte dos casos não resolve, prejudica o cérebro e a saúde e acaba se tornando um padrão negativo de comportamento.

E toda essa conclusão é amparada pelos estudos desenvolvidos pelo pesquisador, cientista, engenheiro de software Steven Parton, também fundador do projeto Curious Apes.

Vários outros especialistas neste assunto escreveram sobre o tema até para reverter essa condição humana, e evitar que esse padrão prejudique tanto a nossa saúde física, como a mental.

Vamos falar mais sobre isso e lançar um desafio: o de parar de reclamar por 1 dia. 

Topou?

Veja como você poderá realizar esse intento.

A dificuldade de ficar 1 dia sem reclamar

Autores de um livro chamado #Um Dia Sem Reclamar (editora Citadel), Marcelo Galuppo e Davi Lago, propuseram nesse livro o desafio de passar 24 horas sem reclamar do que quer que seja.

Marcelo Galuppo, doutor em Filosofia do Direito pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e presidente da Abrafi (Associação Brasileira de Filosofia do Direito e Filosofia Social), declarou em entrevista ao VivaBem, que não conseguiu ficar 1 dia sem reclamar:

“É realmente muito difícil, mas acredito que o importante é perceber essa dificuldade em sermos gratos pelo que temos,” explica.

Davi Lago, mestre em Teoria do Direito pela Faculdade Direito da PUC Minas, explica que:

“O objetivo do livro é provocar a reflexão sobre como reclamamos de tudo, todos os dias, sem pensar ou refletir sobre essa atitude, o que ela significa.”

Em suma, mesmo se não se conseguir ficar um dia sem reclamar, o fato de perceber esse padrão já é um progresso, e dá margem para diminuir a reclamação.

Beleza Interior

Maraisa Fidelis, do blog Beleza Interior, neste vídeo do seu canal, dá um depoimento sobre a sua experiência de encarar o desafio de ficar 1 dia sem reclamar:

Por que reclamamos?

Reclamar é um comportamento que o ser humano desenvolveu, como mecanismo de defesa e preservação mediante a evolução da espécie, pois para enfrentar as adversidades, a mente humana foi criando estratégias a fim de encarar os riscos e os perigos em busca de proteção e segurança.

Para isso, a mente realiza seus cálculos e previsões antevendo o que de ruim, ameaçador ou perigoso pode vir a acontecer.

A questão primordial é que daí nasceu o combustível para o medo, a negatividade, a raiva e a reclamação, principalmente quando não se consegue encarar o problema de frente, ou não se tem força suficiente para tal.

Quando se usa a reclamação desenfreada como forma de se colocar frente aos problemas do dia a dia, isso passa a se tornar um padrão de comportamento. Dessa forma, tanto o corpo quanto o cérebro, passam a responder às diretrizes desse padrão.

Quando a reclamação vira doença

Ao se instalar o padrão de reclamação no indivíduo, tudo se torna ameaça, dificuldade ou complicação, gerando o estado de alerta, tensão, revolta ou medo.

Como resposta a esse estado, o organismo humano passa a produzir hormônios como a adrenalina e o cortisol.

Esse hormônios, quando são produzidos em excesso no corpo, desencadeiam estado constante de estresse e fazem com que os órgãos comecem a apresentar distúrbios, desencadeando doenças, como

  • diabetes
  • distúrbios cardíacos
  • hipertensão
  • insônia
  • dor de cabeça
  • problemas digestivos, entre outros

Transtornos Mentais relacionados ao vício da reclamação

Além das doenças físicas, reclamar demais e passar a ver tudo como ameaçador e uma tragédia, pode desencadear transtornos psicológicos como:

  • Depressão – doença psíquica marcada por tristeza crônica
  • Síndrome de Burnout –  distúrbio psíquico, caracterizado por mau humor e agressividade, causado por esgotamento físico e mental
  • Síndrome de Bordeline – patologia psíquica marcada por impulsividade, instabilidade emocional, irritação e raiva
  • Estressedesequilíbrio psicológico resultante do acúmulo de tensões físicas, emocionais e ou mentais

Além dos problemas internos que a reclamação em excesso pode provocar, existem também os fatores externos, ou seja, reclamar demais é como um vírus, contagia quem está em volta.

Sendo assim, até o ambiente é contaminado pela negatividade da reclamação.

Médica fala sobre os prejuízos de reclamar

Como já dito anteriormente, reclamar demais faz mal à saúde. A médica endocrinologista Dra. Juliana Gabriel, explica sobre isso neste vídeo do seu canal Endocrinologia para Todos:

Como se libertar do padrão da reclamação

Um padrão de comportamento é desencadeado por ações e situações recorrentes, mesmo quando estamos inconscientes dessa realidade.

Uma forma de se libertar do padrão de reclamação é substituí-lo por um padrão mais elevado, que é o da Gratidão.

Antídoto para o veneno da reclamação

Quando a reclamação se torna um vício, ela passa a ser um veneno que contamina a pessoa e tudo ao seu redor.

Mas para o veneno da reclamação, existe um antídoto que é o exercício da gratidão.

Agradecer pelo que somos e temos, tirando o foco do que nos falta ou do que está ruim.

É possível tomar desse antídoto das seguintes maneiras:

  • Criando um Diário da Gratidão, no qual escreve-se tudo que acontece de bom em nossa vida, por mínimo que seja.
  • Tirando o foco exclusivo e intermitente das coisas ruins e colocando-o no que é mais agradável ou criando situações melhores.
  • Aprendendo a olhar a vida com bons olhos e tirando o lado bom até do que acontece de ruim 
  • Vivendo o Agora, pois no momento presente se concentra todas as possibilidades de nossa existência e o nosso poder da mudança. É no Agora que podemos escolher entre  reclamar ou estar aberto e receptivo às possibilidades.
  • Aprender com os animais, que mesmo instintivamente, confiam no impulso da vida e fluem com a existência.

Recursos para encarar o desafio de ficar 1 dia sem reclamar

Para um padrão se instalar definitivamente em nós é preciso que seja realizado de forma contínua e repetitiva.

Se quisermos parar com um padrão negativo precisamos:

  1. colocar luz sobre o mesmo
  2. enxergá-lo e ver como atua
  3. substitui-lo por um padrão mais consciente, elevado e benéfico

E isso pode ser feito mediante alguns recursos internos que irão ajudar a detectar esse padrão, enfraquecê-lo ou até eliminá-lo.

Estes recursos são:

  • Auto-observação – atenção consciente sobre si mesmo – percebendo como se dá o padrão da reclamação.
  • Reflexão interna – quesrionando-se: por que fico repetindo esse padrão? Como posso agir de outra forma?
  • Meditação – como forma de ajudar nessa reflexão, pois através da pausa do corpo e do silêncio interno é possível dar espaço para que ocorra lampejos e insights, que levem a compreender determinado padrão.
  • Autorresponsabilidade – parar de se colocar como vítima, reclamando de tudo e de todos e assumindo seu poder, como protagonista de sua vida. Buscando assim cristalizar soluções, em vez de se apegar aos problemas.
  • Viver em Gratidão – mais uma vez, é bom reforçar o estado da Gratidão, pois quanto mais vemos a existência como uma dádiva, mais nos tornamos abertos a experienciar os desafios da vida com alegria, liberdade, confiança, resiliência, leveza e paz.

Não é fácil, mas é possível

Com certeza não é fácil deixar de reclamar, mas é possível tornar isso uma prática contínua, e assim, aos poucos, diminuir a força do impulso de reclamar.

Além do mais, adotar essa postura pró-ativa frente à reclamação, pode nos ajudar a nos autoconhecer melhor, desenvolver habilidades e qualidades que nem sabíamos que tínhamos, e viver com mais sabedoria.

Talvez te interesse ler também:

Apaixonar-se aos 75? Tanto é possível que acontece, ensina Isabel Allende

Quer mudar algo? São necessários 21 dias para mudar ou criar novo hábito

Quanto você apostaria em você mesmo? Estes casos vão te animar!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *