©Pixabay

O que é Psicoterapia Contemplativa e quais são seus benefícios

O que é Psicoterapia Contemplativa e quais são seus benefícios

Já ouviu falar da psicoterapia ou psicologia contemplativa?

É uma terapia psicológica diferente da psicologia acadêmica e tradicional e tem como base o desenvolvimento da capacidade contemplativa, para abordar e compreender de forma inteligente, a experiência da vida humana.

Origem

A origem dessa psicoterapia está relacionada ao mestre do budismo tibetano Chögyam Trungpa Rinpoche, que em 1974 fundou o Naropa Institute, que posteriormente se tornou a Naropa University, em Boulder, Colorado, com a finalidade de promover aulas de educação contemplativa.

A Naropa University passou a ensinar a educação contemplativa com atividades como:

Através da contribuição do mestre budista Chögyam Trungpa Rinpoche, os ocidentais passaram a perceber a meditação e os ensinamentos budistas como um recurso terapêutico para lidar com suas mazelas e conflitos internos.

Em 1991, o psicólogo Han F. De Wit, da Vrije Universiteit em Amsterdã, saiu dos limites da psicologia formal em direção à espiritualidade, adotando uma nova concepção, visão e abordagem psicológica: a Psicologia Contemplativa.

Esse psicólogo ficou internacionalmente conhecido como um dos fundadores da Psicologia Contemplativa.

Para expandir o conhecimento e a aplicação da Psicologia Contemplativa, ele ensinou meditação nos centros de Shambhala, na Holanda, e ministrou seminários sobre a Psicologia do Budismo e escreveu o livro Contemplative Psychology.

Todos esses conhecimentos percussores da Psicologia Contemplativa têm como objetivo aplicar os ensinamentos budistas como forma de psicoterapia, a fim de ajudar os indivíduos a compreender sua própria mente, emoções e motivações e, assim, melhorarem a qualidade de vida e, por tabela, a de outras pessoas.

Principais recursos utilizados

Um dos principais recursos utilizados pela Psicologia Contemplativa é a atenção plena e a meditação:

Atenção Plena

É uma habilidade que permite se ancorar no momento presente, no ser e estar, sem fazer julgamentos, apenas estando atento a si e ao meio.

Meditação

Trata-se de uma prática voltada à entrega ao silêncio que pode levar ao Samadhi (Iluminação)

Pressupostos e Bases

Um dos pressupostos da Psicologia Contemplativa é que o ser humano tem a possibilidade de se elevar e contribuir para a elevação do próximo.

A Psicologia Contemplativa tem como base o conhecimento e a experiência das tradições contemplativas do Budismo.

A aplicação da Psicologia Contemplativa é voltada ao desenvolvimento da capacidade de vivenciar a vida de forma mais:

  • perceptiva
  • integrada
  • harmônica

Finalidade

A finalidade da Psicologia Contemplativa é a de levar o indivíduo a ter um modo de vida mais equilibrado, baseado no desenvolvimento e uso da sabedoria.

Esse tipo de psicoterapia visa instigar o indivíduo a tomar consciência de si e da existência à sua volta, e para isso se vale das práticas e dos ensinamentos do Budismo em conjunto com práticas clínicas da psicologia convencional.

Conhecimentos e ações terapêuticas

Alguns conhecimentos que são utilizados pela Psicologia Contemplativa envolvem conceitos budistas como:

O campo terapêutico da Psicoterapia Contemplativa se fundamenta em:

  • aplicação da compaixão
  • exercício da atenção plena
  • cultivo do diálogo interno (reflexão)
  • entrega ao silêncio

Concepção e Princípios

Através da Psicologia Contemplativa pode-se desenvolver comportamentos saudáveis frente à complexidade da condição humana.

Para a Psicologia Contemplativa todas as pessoas têm sabedoria natural, que pode ser usada para alcançar a cura e a autoconsciência.

A proposta da Psicoterapia Contemplativa é ajudar as pessoas a descobrirem essa sabedoria para aproveitar seus recursos internos e alcançar:

Influências – As 4 Nobres Verdades

Uma das influências que norteiam a Psicoterapia Contemplativa são 4 Nobres Verdades do Budismo:

A realidade do sofrimento

As pessoas tendem a negar ou a fugir das experiências dolorosas, mas na realidade vivemos em um mundo marcado pelo sofrimento.

A origem do sofrimento

O sofrimento nasce da busca incessante de preservação do ego, que não tem como ser permanente, pois não é nossa verdadeira natureza.

O fim do sofrimento

Pode-se sair do ciclo de sofrimento reconhecendo nossa verdadeira natureza, descansando no real ser e deixando de se apegar ao ego ilusório.

O verdadeiro caminho

O verdadeiro caminho consiste no aprimoramento e na retidão de:

  • entendimento
  • pensamento
  • linguagem
  • ação
  • modo de vida
  • esforço
  • atenção
  • concentração

As 4 Nobres Verdades podem servir como uma espécie de guia para o tratamento, enquanto as práticas são os veículos.

Como esta terapia pode ser aplicada pelos psicólogos?

Os psicólogos podem combinar a Psicologia Contemplativa ao tratamento convencional ou vice-versa.

A aplicação da Psicologia Contemplativa, pelo psicólogo, consiste em:

  • Propor e desenvolver práticas de atenção plena
  • Promover maior reciprocidade e empatia com o paciente

Como se especializar na Psicologia Contemplativa

A formação voltada para a Psicologia Contemplativa exige do psicólogo que ele aprenda e vivencie os ensinamentos e práticas voltadas à interiorização e contemplação.

Veja neste vídeo da Naropa University como o terapeutas aprendem a Psicologia Contemplativa.

Observação: Clique no botão de configuração para ativar a tradução para o português.

Condutas que norteiam o psicoterapeuta

O papel do psicoterapeuta da Psicologia Contemplativa é ajudar a pessoa a descobrir e compreender o seu autêntico ser e, assim, despertar a força, as virtudes e a sabedoria que existe nela.

Algumas práticas utilizadas para este fim são:

Samatha

De acordo com o Budismo, Samatha é a tranquilidade da mente, conquistada com a meditação.

Esse estado contribui para que o terapeuta possa auxiliar o paciente a perceber a diferença de estar ou não estar presente em si, por meio da vivência meditativa.

Maitri

Maitri é um dos ensinamentos do Budismo, baseado na benevolência ao próximo.

Essa postura é utilizada pelo terapeuta para ajudar o paciente a perceber os padrões do ego e compreender os efeitos disso, adquirindo maior conhecimento de si mesmo, abertura para lidar com as experiências, e compaixão para se relacionar com os outros seres.

Soltar e deixar ir

Esse processo incorpora atenção plena, através da qual, o terapeuta flui de acordo com o que surge na consulta ao paciente.

Um exemplo sobre essa questão, é quando o paciente ao ter uma atitude ríspida com o terapeuta, este não se identifica e nem fica irritado com ele. Ao contrário, ele procura compreender o que motivou ele a agir assim e não se identifica.

Com essa conduta, o terapeuta mostra ao seu paciente como não se apegar ao sofrimento, soltando e deixando ir o que faz mal.

Foco da Psicoterapia Contemplativa

O foco da Psicoterapia Contemplativa são os traumas do passado e bloqueios emocionais, que atuam como barreiras que impedem a expressão da sabedoria interna.

A proposta da Psicoterapia Contemplativa é fortalecer e promover a integração do Self (consciente e inconsciente), como forma de cura.

Benefícios da Psicologia Contemplativa

O tratamento com a Psicoterapia Contemplativa pode trazer diversos benefícios, como:

Flexibilidade mental

Para lidar com as mudanças repentinas.

Redução da reatividade

Frente às adversidades

Mais positividade

Extraindo o melhor do pior

Desenvolvimento da serenidade e autoconfiança

A amplificação das capacidades internas diante aos desafios do cotidiano

Aumento da paciência

Nem sempre dá para resolver as questões da existência de forma imediata, por isso a virtude da paciência é muito necessária

Maior resiliência

Sem resiliência, fica difícil persistir, “levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima”.

Fortalecimento da empatia

Quando a pessoa passa a compreender a si mesma, fica mais fácil entender as motivações e limitações do próximo.

Contribui para relaxar e diminuir a ansiedade

Menos desgaste, estresse e ansiedade para lidar com os problemas do diário viver

Favorece mais presença e atenção ao momento presente

A psicologia contemplativa incentiva a pessoa a viver mais integrada ao agora aproveitando e valorizando o momento presente.

Melhora a relação com os seres e a natureza

Através de uma postura contemplativa, passa-se a ter uma melhor inter-relação com os seres e a natureza.

Aumenta a vibração e eleva a energia

Com a mudança do padrão emocional e mental, através de posturas e práticas da Psicologia Contemplativa, é possível elevar a vibração e aumentar a energia.

Promove a abertura para o novo

Soltando a identificação com os traumas e problemas do passado, a pessoa passa a ter mais abertura para as mudanças e maior receptividade ao novo.

Ajuda a ampliar a compreensão

Colabora para ampliar a compreensão diante das experiências da vida

 A arte de contemplar a Vida

Em suma, a Psicoterapia Contemplativa coopera para pacificar e equilibrar o indivíduo, para que ele desenvolva maior maturidade e lucidez para vivenciar suas experiências existenciais.

Afinal, podemos escolher se nos apegamos ao sofrimento ou se desenvolvemos a arte de contemplar a vida, extraindo dela o que há de melhor.

Se já conhecia esse tipo de terapia psicológica deixe seu comentário, para ampliarmos as informações e o conhecimento dessa prática terapêutica.

Confira outros conteúdos relacionados à Psicologia, em:

Ansiedade: quando vira transtorno, é hora de procurar ajuda

8 conselhos que qualquer psicólogo daria para combater a ansiedade

Cheirinho de mato acalma, evita estresse e aumenta a imunidade

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *