Coronavírus: como fortalecer a imunidade e prevenir contágios para evitar o drama da quarentena

Imaginem não poder sair de casa por 40 dias! Escolas fechadas, crianças em casa, nem visitar nem receber amigos para aliviar o estresse e a solidão.

Em vários países do mundo, a disseminação do novo coronavírus (SARS-CoV-2) vem alarmando as pessoas, alterando o dia a dia delas com a necessidade de algumas medidas drásticas para conter essa doença.

A Organização Mundial da Saúde – OMS – declarou o estado de pandemia por coronavírus, na intenção de que governos do mundo inteiro se previnam, tomando as providências necessárias para evitar o sobrecarregamento das estruturas sanitárias.

Apesar de o novo vírus estar se alastrando rapidamente pelo mundo, a boa noticia é que, apesar de ser altamente contagioso, ele é pouco letal.

No Brasil, o problema ainda não foi percebido com a gravidade que a OMS sugere, porém, ainda que o governo brasileiro não tenha tomado nenhuma medida de quarentena forçada para todos (por ora, somente pacientes com suspeita ou confirmação de infecção por coronavírus devem fazer quarentena), ou de fechamento de fronteiras, a população já pode começar a ir se cuidando por conta própria.

Isolamento

O cuidado com a saúde e algumas medidas básicas de prevenção, já podem começar a ser incorporadas no dia a dia dos brasileiros, independentemente de os governos passarem a exigir certas condutas, às vezes complicadas, para a contenção do vírus, como é o caso da quarentena.

O isolamento não é obrigatório, não vai ter ninguém controlando as ações das pessoas, ele é um ato de civilidade para proteção das outras pessoas. Já a quarentena é uma medida restritiva para o trânsito de pessoas, que busca diminuir a velocidade de transmissão do coronavírus. Essas são medidas de saúde pública”, explica o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira.

Como a transmissão do vírus de se dá por via respiratória, você pode por exemplo:

  • evitar de falar de perto com as pessoas porque, você não vê, mas gotículas de saliva no ar podem transmitir o vírus.
  • lavar as mãos porque a gente não percebe mas vive levando as mãos à boca, olhos ou nariz. Portanto use álcool gel depois de pegar em todo e qualquer objeto onde pessoas tiverem tocado (dinheiro, caixa eletrônico, produtos no supermercado, ônibus, etc)
  • evitar beijo, abraço, aperto de mão
  • evitar aglomerações e lugares fechados
  • reforçar a imunidade alimentando-se bem, dormindo bem, evitando toxidade como bebidas alcoólicas e cigarro.

Baixa imunidade e disseminação do vírus

Como ainda não existe vacina para essa doença, a melhor forma de evitar o contágio ou uma complicação da infecção, é tentar aumentar a própria imunidade, além da prevenção com certos cuidados e medidas.

O SARS-CoV-2 pertence à uma família de vírus que já existiam (os coronavírus), que podem causar infecções respiratórias, algumas delas leves que se parecem com resfriados, e outras mais fortes que se assemelham à pneumonia.

Mas o vírus também passar despercebido. De fato, um dos grandes problemas do novo coronavírus, é que a doença por ele causada, a Covid-19, pode ser assintomática, e as pessoas podem transmitir o vírus sem saber.

Os principais sintomas dessa doença são: tosse, dor muscular, febre, cansaço e falta de ar. Os primeiros sintomas costumam surgir cinco dias após o contato com o vírus. No caso dos sintomas leves, a pessoa contaminada pelo coronavírus pode confundir os sintomas com os da gripe comum, e deixar de tratar a doença de forma adequada, contribuindo para que o quadro complique.

Um organismo em plena saúde pode hospedar, replicar e transmitir o vírus sem nem mesmo perceber. O problema é que ao transmiti-lo à pessoas com imunidade enfraquecida, ou com problemas de saúde pré-existentes, estas terão os sintomas de formas mais graves e precisarão de internação intensiva, o que poderá contribuir para o aumento da taxa de letalidade do vírus. Portanto, aumentar a imunidade é fundamental.

A baixa imunidade, além de ser contexto favorável para o vírus se instalar de forma agressiva no corpo, uma vez que a pessoa adquire a doença, ela também dificulta a capacidade de o organismo combater a infecção.

Em todo esse contexto, é bom investir em hábitos e cuidados para fortalecer o sistema imunológico. Por isso, seguem algumas informações que te ajudarão nesse sentido:

Como enfrentar o Coronavírus reforçando a imunidade

Existem várias formas de reforçar e proteger a imunidade como por exemplo,

  • tendo cuidados com a alimentação
  • praticando atividades físicas
  • expondo-se ao sol
  • dormindo bem
  • eliminando os vícios do álcool e do cigarro
  • mantendo o corpo hidratado
  • fazendo suplementação, quando necessário
  • e tendo cuidados de prevenção para evitar contágios.

Alimentação

Consuma de forma frequente os alimentos que fortalecem a imunidade, tais como:

Alimentos amarelos

Como damasco, cenoura, mamão, tangerina e laranja que são ricos em vitamina C, betacaroteno e luteína e têm a função de proteger nosso sistema nervoso, beneficiar o sistema linfático e fortalecer a imunidade.

Gengibre

Essa raiz é um poderoso antioxidante, por isso, contribui para a proteção da imunidade e revitalização do organismo.

Limão

É um fruto cítrico rico em  vitamina C, que ativa o sistema imunológico. Além disso, é alcalinizante e desintoxicante, protege o organismo de doenças que geralmente proliferam em ambientes ácidos.

Inhame

Esse tubérculo auxilia na limpeza do sangue e fortalece os gânglios linfáticos, além de aumentar a imunidade.

Vegetais de cor verde escura

Verduras como couve, espinafre, brócolis e couve são fontes de ácido fólico, substância que auxilia na produção dos glóbulos brancos, os “soldadinhos” que protegem nosso organismo.

Alho

Esse tradicional tempero protege o coração, além de favorecer o bom funcionamento do sistema imunológico. Isso se deve ao fato dele reforçar a quantidade de citocinas pró e anti-inflamatórias.

Faça atividades físicas

A atividade física contribui para o controle do peso, na melhora do condicionamento físico, ajuda no bom funcionamento do sistema cardíaco respiratório e reduz o estresse, fatores que favorecem nossa imunidade.

Tenha sono regular

Dormir bem e de forma regular, é fundamental para o corpo se refazer e se revitalizar para poder regular melhor suas funções, como as do sistema imunológico.

Pessoas que dormem mal ou pouco, costumam ter o nível de cortisol alto, o que contribui para a baixa imunidade.

O recomendável é dormir cerca de sete a nove horas seguidas por noite.

Pare com os vícios do álcool e do fumo

O  álcool e o tabagismo prejudicam as células do organismo e o sistema imunológico, favorecendo o aparecimento de doenças.

Mantenha a hidratação

Beba, pelo menos, 2 litros de água por dia para manter o corpo hidratado.

A água é um poderoso desintoxicante natural, eliminando toxinas do organismo, através do transpiração e da urina.

Se necessário, faça suplementação

Para reforçar a imunidade e abastecer nosso organismo com substâncias que nem sempre conseguimos suprir com a alimentação, pode-se fazer uso de suplementação nutricional, desde que com orientação de um médico ou nutricionista.

Algumas substâncias essenciais para o bom funcionamento do sistema imunológico são:

Vitamina C

É uma importante aliada para uma boa imunidade e para o funcionamento equilibrado do sistema cardiovascular e respiratório.

Vitamina D

Devido ao estilo de vida moderno, as pessoas não tomam muito sol tendo deficiência dessa vitamina que é tão importante para uma boa imunidade, porque contribui para melhorar a absorção de outros nutrientes pelo nosso organismo.

Zinco

O zinco é um mineral fundamental para fortalecimento da imunidade e para boa atividade cerebral, além de contribuir para a regeneração de nosso organismo.

Vitaminas do complexo B

As vitaminas do complexo B são de vital importância não só para o sistema imunológico como também para o sistema neurológico.

Probióticos

Estudos relacionam as boas bactérias contidas em nossa flora intestinal com melhor imunidade, boa saúde e bem-estar físico e psíquico. Podemos reforçar esses micro-organismos em nosso corpo, consumindo probióticos via alimentação ou suplementação.

As orientações de um médico

Veja neste vídeo, o Dr. Gabriel Azzini esclarecendo como blindar o corpo contra o coronavírus e outros tipos de patógenos:

Evitemos situações de restrição da liberdade

Para se ter uma ideia, não foi só a China que ficou em estado de calamidade pública por causa do Coronavírus. A Itália está enfrentando uma situação totalmente atípica de sua realidade:

  • Foi decretado no país inteiro a proibição dos cidadãos de frequentarem escolas, cinemas, teatros, bares, enfim, locais públicos. Somente os serviços essenciais restaram abertos.
  • Outros países europeus estão seguindo a mesma linha de contenção do vírus com quarentena, ou seja, clausura!
  • Nestas situações, como muita gente se recusa a colaborar, durante a quarentena, para as pessoas poderem sair, elas precisam declarar que estão circulando por motivos emergenciais (ir ao supermercado, farmácia ou trabalho) sob penas de multa e até de reclusão por falsa declaração.

Deu para perceber que a situação é alarmante. Portanto, para evitar medidas drásticas de contenção do vírus, e mortes dos mais vulneráveis, vamos começar já a colaborar.

Compartilhe!

Talvez te interesse ler também:

O sexo frágil da pandemia: homens são mais vulneráveis ao Coronavírus

A maior tragédia humanitária, ocultada pelo Coronavírus

Vem aí um futuro de doenças transmitidas por animais!

Sobre Deise Aur

Avatar
Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

Quando uma pessoa que teve Covid-19 deixa de ser contagiosa?

Existem muitas dúvidas em torno da transmissão da Covid-19 e tudo o que envolve essa …