Vitória! O Reino Unido proíbe animais selvagens em circos!

Recentemente noticiamos que Madri aprovou a proibição de animais selvagens em circos. Felizmente, o mundo inteiro está dizendo não à exploração de animais. E hoje vamos falar de mais uma vitória nesse sentido.

No total, existem 42 países no mundo que proibiram o uso de animais nos circos. As organizações para o bem-estar animal e os cientistas enfatizam que o uso de animais para fins de entretenimento é  desumano, irresponsável e desatualizado.

Nessa semana foi a vez do Reino Unido, que no dia 20, colocou em vigor a proibição do uso de animais selvagens  nas performances e atrações de circos.

Esse assunto vinha sendo debatido há vários anos, fazendo com que esta proibição fosse protelada durante esse tempo, até que finalmente ocorreu a decisão definitiva no ano passado, quando o Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (DEFRA) aprovou a lei relacionada à proibição de animais silvestres em circos.

“Este é um grande marco em direção a um mundo onde os animais estarão livres para viverem suas vidas fora do cativeiro. Os circos que usam animais são lembranças bárbaras de uma época passada e não têm espaço no século XXI “, disse Sam Threadgill, diretor da associação de direitos dos animais Freedom for Animals.

Atualmente, no Reino Unido, existem apenas dois circos que têm licença para usar animais selvagens, o circo Mondao e o de Peter Jolly, que têm um total de seis renas, quatro zebras, três camelos, três guaxinins, uma raposa, um arara e um zebu.

A partir dessa proibição nenhum circo dali poderá exibir e explorar animais em seus espetáculos.

“Embora este seja sem dúvida um passo bem-vindo, estamos preocupados com o futuro dos animais selvagens do Circo Mondao e do Peter Jolly Circus, sem mencionar os animais domésticos que ainda são obrigados a fazer truques como parte dos atos cruéis de circo”, comentou Sam Threadgill.

Sabemos que os circos são incapazes de proporcionar um ambiente adequado para os animais, selvagens e não selvagens.

Os longos tempos de viagem  para apresentar os espetáculos em vários lugares, os pequenos recintos em que são forçados a viver, a falta de estímulos adequados, causam aos animais um forte estresse que os leva a ter comportamentos autômatos, além  do abuso sofrido durante o treinamento, para forçar estes animais a agirem contra a real natureza deles.

Ainda bem que têm surgido outras alternativas mais originais e criativas que podem servir como atrações em circos SEM a utilização de animais. Uma delas é essa aqui:

Mesmo com esses avanços e progressos em prol dos animais, ainda existem países que permitem o uso e a exploração de animais em circos e em outros tipos de entretenimento. No Brasil há ALGUNS estados que proibiram essa prática, mas é necessário um Lei Federal para valer no país inteiro.

Já passou da hora de acabar, de uma vez por todas, com toda essa barbárie que está mais para sadismo do que para diversão, já que causa sofrimento indescritível a outros seres!

Os animais são criaturas sencientes e, assim como nós, necessitam viver uma existência digna, livre e natural.

Talvez te interesse ler também:

A dura vida dos elefantes: do circo aos experimentos científicos

Porco vivo amarrado e forçado a fazer bungee jumping para inaugurar parque temático na China

O boom dos taxi-dog: cães obrigados a transportar turistas na China

Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.