Precificação global do carbono: pagar por cada tonelada de CO2 emitida para conter o aquecimento global

Precificação global do carbono: pagar por cada tonelada de CO2 emitida para conter o aquecimento global

De acordo com um relatório do The World Economic Forum (WEF), as empresas com altas emissões de gases de efeito estufa terão que mexer no bolso. O WEF propõe que os emissores paguem por cada tonelada de dióxido de carbono emitida.

Segundo o relatório divulgado, criar um preço internacional para a poluição pode reduzir os gases do efeito estufa em 12 % a um custo de menos de 1 % do PIB global.

Atualmente, o preço do carbono está definido em algo em torno de US $ 0 e mais de US $ 130 por tonelada de CO2.

O esquema proposto pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), determina que as empresas em países de alta renda estariam sujeitas a um preço de carbono de U$ 75 para cada tonelada de dióxido de carbono emitida. Para países de renda média o preço cairia para U$ 50 e U$ 25 para países de baixa renda.

Desafios por trás de um preço global de carbono

Os desafios políticos e técnicos por trás da criação de um preço global de carbono são muitos. Estão à margem os diferentes esquemas internacionais para reduzir as emissões de carbono que incluem o comércio de emissões obrigatórias e impostos de carbono, além de esquemas voluntários de compensação de gases do efeito estufa.

Børge Brende, o presidente do WEF, disse que embora as conclusões do relatório sejam “extremamente positivas”, a cooperação entre governos e empresas do setor privado seria a chave para que a precificação do carbono avançasse e acelerasse os esforços para um processo mais sustentável e inclusivo de recuperação.

A precificação do carbono é uma situação mundial desigual. A ampla participação no preço do carbono definido em toda a economia global, mesmo com preços reduzidos para países de baixa e média renda, levaria a um “vazamento de carbono” de empresas que transferem sua produção para países onde os preços do carbono são mais baixos.

Apesar dos desafios a serem percorridos, definir um preço global para o carbono poderia dar uma contribuição significativa para combater o aquecimento global ao acelerar as reduções de emissões.

Kristalina Georgieva, diretora-geral da Fundo Monetário Internacional, afirmou à Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26) que quase 25% das emissões foram cobertas por preços de carbono em 2021, mais do que os 17% do ano passado.

“Temos um caminho longo para percorrer quanto à cobertura, mas a transição para a integração da precificação do carbono está aí, e estamos trabalhando duro para ajudar os países a fazerem esta transição”.

Tributar os emissores de carbono custaria menos do que as perdas econômicas desencadeadas pelas consequências de uma crise climática descontrolada. A mudança é pra já!

Talvez te interesse ler também:

Aquecimento global: os pobres sofrerão mais. Quem vai pagar por isso?

Historicamente quais são os países responsáveis pela mudança climática?

Greta na COP26: “podem enfiar a sua crise climática no…”

Mais de 100 países se comprometem a reduzir emissões de metano até 2030 

O Planeta pede socorro: concentração de gases de efeito estufa atinge recorde 

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *