8 plantas medicinais fáceis de se cultivar em casa

plantas medicinais fáceis de se cultivar em casa

É bastante longa a lista de plantas medicinais que se pode cultivar em casa. Algumas serão usadas como chás e condimentos, outras somente como condimentos, outras somente como chás curativos, compressas ou macerados. De todas elas, se podem extrair tinturas em substrato alcoólico, óleos essenciais ou pós para uso medicinal.

Na farmacopéia popular, cada cultura tem suas plantas preferidas e, na verdade, em todos os continentes é possível encontrar-se cura para os males comuns que nos afetam, com um número reduzido de plantas. Porém, existem algumas plantas medicinais que já são universais por terem sido distribuídas, mundo afora, pelos primeiros conquistadores de novas terras. Dentre essas temos as que mencionamos abaixo: arruda, alecrim, melissa, capim limão, salvia, hortelã, losna e manjericão. Em tempos não tão remotos, essas eram as plantas sempre presentes nos quintais e nas cozinhas, quanto bastava para a cura de problemas de estômago, catarro, insônia, palpitações e até para os males de amor.

Vamos falar dessas plantas e suas propriedades curativas, segundo a compreensão dos mais antigos:

1. Alecrim (Rosmarinus officinalis)

O alecrim é natural do Mediterrâneo onde cresce em solos pobres e pedregosos. É uma planta arbustiva, perene, que você só deverá podar após o segundo ano, resiste ao sol direto e não gosta de solo encharcado. Em um vaso fundo ou diretamente na terra, crescerá em moita de até 1 m de altura. Tem maravilhoso odor enchendo a casa com seu aroma relaxante e alegre. Na primavera brotam suas flores, pequeninas, azuis, brancas ou rosas. Esta é uma erva de sol, que traz a energia solar para quem a usa, ou seja, traz alegria e boa disposição. Na medicina popular é usada para problemas de sistema nervoso, que ajuda nos casos de debilidade cardíaca ou emocional. Tem vários usos distintos relatados na literatura sobre medicina popular. O alecrim pode ser tomado em infusão, sem ferver a planta, ou somente deixando um ramo de alecrim fresco dentro de uma jarra de água, que se tomará durante o dia.

O alecrim na culinária é usado para temperar pães e pizzas, também combina muito com abóbora. Tenta colocar umas de suas agulinhas no purê de abóbora: delícia.

Leia também: 7 RECEITAS ALTERNATIVAS AO PURÊ DE BATATAS

2. Arruda (Ruta graveolens)

A arruda é, possivelmente, natural dos Balcãs e, de lá encontra-se estabelecida em todo o Mediterrâneo e Oriente Médio. É uma planta arbustiva, perene, que se reproduz por sementes ou estacas, em solo ligeiramente alcalino. Não suporta solo encharcado porém suas mudas devem ser mantidas bem irrigadas, em solo bem drenado. Seu uso medicinal conhecido data da Grécia antiga onde era usada no combate a doenças contagiosas. Também é usada como calmante, em infusão fraca (1 folha para cada xícara de água fervente) durante 7 dias, não mais. Para tratamento de infestação de piolhos também é conhecido seu uso. No azeite de oliva aquecido, 1 folhinha de arruda, para se pingar no ouvido inflamado. Em casos de retenção menstrual é usada em escalda-pés, porém como é abortiva, deve-se ter muito cuidado.

3. Capim-limão (Cymbopogon citratus)

Capim-limão ou capim-santo é originário da Índia onde participa tanto da culinária como na medicina popular. Aqui no Brasil é comumente usado, na forma de chá, como calmante, com efeito anestésico sobre dores estomacais, relaxante do sistema nervoso e em casos de depressão leve. O suco frio das suas folhas também pode ser usado, por seu agradável sabor, como refresco.

4. Hortelã (gênero Mentha)

As hortelãs são plantas de fácil cultivo desde que se tenha solo rico e bastante água disponível. Cada uma das espécies de Mentha tem suas utilizações na medicina popular mas, basicamente, são usadas como digestivas e calmantes das afecções gastrointestinais assim como, para a redução de catarros.

Leia também: HORTELÃ: 10 USOS EM CASA E NA COZINHA

5. Losna (Artemisia absintum)

A losna, com seu amargor que desagrada a tantos paladares, é uma erva poderosa que tem suas qualidades medicinais reconhecidas a 2.000 pela medicina chinesa. Atualmente já existem estudos ocidentais que demonstram a capacidade da losna no combate ao câncer. Mas, na medicina popular, essa e outras ervas amargas sempre foram usadas para driblar problemas hepáticos.

Leia também: LOSNA: A NOVIDADE PROMISSORA NA LUTA CONTRA O CÂNCER

6. Manjericão (Ocium Basilicum)

O manjericão, tempero fundamental de um bom molho pesto e saladas, também é usado em febres e inflamações de garganta mas, seu maior uso é no combate ao cansaço e depressão, pelo seu valor como ativador do sistema imunológico. Muitos outros usos ele tem, desde o combate a parasitas intestinais até tratamento de acnes e, uma compressa de macerado de folhas de manjericão é ótima para dores articulares.

Leia também: TORTINHA DE ARROZ COM CÚRCUMA E MANJERICÃO

7. Melissa (Melissa officinalis)

A melissa, herbácea perene, originária do Oriente, da família das mentas, é uma planta que se propaga por raízes que saem dos ramos que, quando encostado à terra, soltam raízes e criam novas mudas. Muito odorífera, é usada na culinária para condimentar saladas, peixes e pratos doces, na medicina popular, com efeitos conhecidos desde a Grécia antiga, onde abundava nas praças, é usada como sedativo leve e em problemas do sistema nervoso.

8. Sálvia (Salvia officinalis)

A sálvia é uma planta originária do Mediterrâneo que possui muitas variedades espalhadas pelo mundo. Seu uso medicinal remonta à antiguidade em várias afecções internas. Seu nome, salvia, quer dizer, aquela que salva, por tal, uma erva curativa por excelência. O seu uso doméstico é garantido como chá, infusão, para todos os tipos de catarro, para lavar feridas infeccionadas, e para inalação. Na cozinha é bastante usada no tempero de carnes. Na Itália se tempera a pasta com manteiga e algumas folhas de sálvia.