Metais pesados: quais são, por que fazem mal, sintomas de intoxicação

Metais pesados: quais são, por que fazem mal, sintomas de intoxicação

Vira e mexe a gente ouve falar em metais pesados: em poluição por metais pesados, em plantas e frutas que purificam a água e o solo da contaminação por eles, nos malefícios dos metais pesados para a saúde e o meio ambiente, em como evitar contaminação, em alimentos que nos desintoxicam dos metais pesados, etc.

Mas você sabe o que são e quais são os metais pesados? Onde eles estão, por que fazem mal à saúde e ao meio ambiente e como evitar contaminação?

Pois hoje vamos nos aprofundar sobre esse tema.

O que são e quais são os metais pesados?

Como ensina o Laqia da UFSM-RS, não existe consenso sobre a definição do termo metais pesados. Contudo, pode-se dizer que são um grupo de elementos químicos com relativa alta densidade  (por isso ‘pesados’) e tóxicos em baixas doses (por isso perigosos).

No grupo, estariam incluídos:

  • arsênio
  • cádmio
  • cobre
  • estanho
  • antimônio
  • chumbo
  • bismuto
  • prata
  • mercúrio
  • molibdênio
  • índio
  • ósmio
  • paládio
  • ródio
  • rutênio
  • cromo
  • níquel
  • alumínio
  • vanádio.

Os metais pesados estão por toda parte! Infelizmente! A presença habitual deles em nossas vidas teve origem na Revolução Industrial, e a contaminação crônica por eles se tornou cada vez mais difundida em nosso meio pelo ar que respiramos, pela água que bebemos e pelo solo onde plantamos nosso alimentos.

Por que são perigosos à saúde e ao meio ambiente?

Primeiramente a periculosidade está na contaminação silenciosa que estes elementos químicos causam.

A contaminação pode ser lenta e gradual tanto no meio ambiente como no organismo, por isso, o conhecimento acerca de sua presença é de grande relevância para o ambiente (ar, água, solo) e para a saúde (medicamentos e alimentos), bem como seus efeitos nocivos.

Em contato com o organismo, os metais pesados atraem para si dois elementos muito importantes para o funcionamento do corpo: as proteínas e as enzimas, como ensina o químico Jorge Masini da USP à SuperInteressante.

Alguns desses metais, como o cobre e o ferro por exemplo, desempenham funções importantes no organismo, mas o excesso desses e de outros metais pesados, pode prejudicar o funcionamento das proteínas, enzimas e células do corpo, podendo inclusive causar morte.

Os metais pesados mais perigosos para a saúde são

  • mercúrio (Hg)
  • chumbo (Pb)
  • e cádmio (Cd)

Eles podem causar inflamação nos pulmões, fígado, rins, articulações, aparelho digestivo e cérebro, levando à doenças graves.

Quanto ao grau de toxicidade dos metais pesados, os altamente tóxicos são os mais perigos, mas os riscos de contaminação se restringem àqueles que trabalham em indústrias onde são usados. Alguns metais são úteis e não-tóxicos, mas apenas em pequenas quantidades.

Os metais pesados mais perigosos para o meio ambiente são

  • mercúrio (Hg)
  • chumbo (Pb)
  • cádmio (Cd)
  • cromo (Cr)
  • e arsênio (As)

Estes são os que apresentam maiores riscos ambientais porque são os mais usados pela indústria, são absolutamente não degradáveis, podem ir lentamente se acumulando no meio ambiente (bioacumulação) onde manifestarão sua toxicidade ao longo da cadeia alimentar.

Metais pesados se acumulam nos solos, rios e mares, poluindo a água e os alimentos, mas também podem ser transportados pelo ar através de micropartículas em suspensão, que acabam sendo respiradas, causando problemas de dimensões ainda desconhecidas.

Como nos contaminamos por metais pesados?

Como ensina a nossa @nutri_MichelleBortoletto, a contaminação por metais pesados são mais comuns do que a gente imagina. É uma contaminação difusa, silenciosa, lenta e gradual, dado que os metais pesados estão por toda parte (no ar, na água, no solo em muitos produtos de uso comum).

Os metais pesados têm efeito cumulativo no organismo, causando grandes prejuízos para a saúde. A contaminação normalmente ocorre por ingestão, inalação e ou contato com a pele.

  • O alumínio por exemplo está presente nas embalagens, no papel alumínio, nas panelas de alumínio e até nos desodorantes e na água tratada.
  • O arsênio pode ser encontrado na água contaminada e em esmaltes, tintas, tecidos, couro, inseticidas, medicamentos e em alimentos como peixe, frango e arroz.
  • O mercúrio está principalmente nos peixes, nos agrotóxicos e em tintas.
  • O chumbo está em tintas (inclusive em tintas para tatuagem) em produtos de beleza, na água tratada e em inseticidas.

Sintomas de contaminação por metais pesados

Nas pequenas, grandes, contaminações do dia a dia, os metais pesados não deixam sintomas, exceto quando causam uma intoxicação aguda, cujos sintomas gerais são

  • náuseas,
  • vômitos,
  • diarreia,
  • dores de cabeça,
  • dores abdominais
  • dificuldades respiratórias

Muitos desses sintomas são comuns em quaisquer intoxicações e podem inclusive passar despercebidos. O problema maior é que não sendo sintetizados e expelidos pelo corpo, os metais pesados acabam se acumulando nas células, podendo causar intoxicações crônicas, provocando doenças mais graves com o passar do tempo.

Doenças causadas por metais pesados

Não é fácil para a pesquisa identificar precisamente quais doenças podem ser causadas por exposição continua aos metais pesados, exceto em casos óbvios como por exemplo em trabalhadores industriais que vivam em contato com eles.

Isso porque, de um jeito ou de outro, nós também estamos constantemente expostos aos metais pesados e a tantos outros contaminantes ambientais. O plástico é um deles.

Há a desconfiança de que metais pesados possam estar ligados à problemas de infertilidade, problemas hormonais e à doenças graves. Basta saber que a saúde humana está em perigo por causa da poluição  e a poluição por metais pesados, como vimos, é por ar, água e solo.

Contudo, especialistas como a nutricionista Michelle Bortoletto, listam  como possíveis distúrbios causados pela contaminação por metais pesados, as seguintes doenças:

  • Doenças neurológicas, como Alzheimer e Parkinson;
  • Alergias
  • Dermatoses
  • Alterações de humor e fadiga
  • Anemia
  • Baixa concentração, problemas de memória
  • Disfunções pulmonares, renais e hepáticas
  • Infertilidade
  • Câncer
  • Problemas cardiovasculares
  • Disfunções na tireoide.

Como evitar contaminação

Felizmente, o maior risco de contaminação aguda é acidentalmente em indústrias, pela exposição a vapores de metais em indústrias metalúrgicas, por contato ou ingestão acidental de resíduos industrias que contenham metais pesados, por respiração de poeiras metálicas tóxicas nas indústrias.

Vamos falar sobre como evitar contaminação com relação aos metais mais tóxicos, e com alguns em que possam ocorrer contaminação fora do ambiente industrial.

Cádmio

Você sabia que fumaça de cigarro contém cádmio? Para evitar a contaminação evite estar perto de quem fuma e de comer alimentos preparados em utensílios que possam ter sido feitos com esse metal (pode ocorrer em cerâmicas antigas pintadas à mão).

O cádmio é utilizado mormente para fabricação de pilhas (por isso a importância de não descartar esse material por aí), mas é usado também na fabricação de plásticos, além de outras aplicações.

Chumbo

Este elemento pode estar presente em tintas, em agrotóxicos (por isso pode contaminar alimentos). Para evitar a contaminação, melhor investir em alimentos orgânicos pois estes, de fato, contêm menos metais pesados em geral.

Mercúrio

A contaminação se dá através do consumo de peixes contaminados (principalmente predadores porque acumulam o mercúrios dos outros peixes) e do vapor do metal nas indústrias.

Outros metais: cobre, ferro e estanho

O ferro é fundamental no organismo mas em excesso pode causar intoxicação. A contaminação pode ocorrer por transfusões de sangue ou por excesso de ferro na alimentação.

A mesma coisa com o cobre, cuja contaminação pode se dar por ingestão de água contaminada pelo metal presente em encanamentos.

Comidas enlatadas podem conter resíduos de estanho (Sn) e causar contaminação. Os sintomas são náuseas, vômitos e diarreia.

Como reduzir a exposição

Diminuir a exposição às toxinas e desintoxicar o corpo é o que podemos fazer dados que as indústrias não vão parar de funcionar e de poluir, bem como nós não vamos parar de consumir.

Mas podemos reduzir a exposição com as seguintes dicas:

  • Preferindo alimentos orgânicos pois muitos metais pesados estão presentes nos agrotóxicos, principalmente evitar soja e milho da agricultura tradicional, pois são alimentos produzidos em larga escala, bombados de defensivos (veneno).
  • Na hora de cozinhar prefira panelas de aço inox ou vidro, evite as de alumínio.
  • Evite cerâmicas, como vimos, podem conter cádmio.
  • Evite o uso de papel aluminio.
  • Prefira embalagens de vidro, evite comprar alimentos conservados em latas (pelo alumínio e pelo estanho)
  • Pense bem antes de se tatuar, tintas contêm metais pesados, inclusive as de tatuagem.
  • Opte pelo vegetarianismo ou veganismo, além de deixar os peixes em paz, eles estão, infelizmente, contaminados de mercúrio e microplástico. Estamos avisando!
  • Troque o desodorante comercial e faça você mesmo o seu desodorante caseiro
  • Evite fumar, seja por você, seja pelo meio ambiente.

Talvez te interesse ler também:

Casca de banana purifica água contaminada por metais pesados, e pode ser usada em diversos sistemas

México: duas tartarugas encontradas com tumores enormes por causa da poluição por metais pesados

Metais pesados em meio aos corais em Abrolhos por causa da tragédia em Mariana

Chocolates brasileiros contaminados por metais pesados

Descoberta uma nova planta “come-níquel” que absorve metais pesados ​​do solo

Despoluem um dos rios mais importantes e poluídos do México, usando esse descarte

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *