Há dez anos, morria a Lacraia, símbolo do funk da geração 2000

Há dez anos, morria a Lacraia, símbolo do funk da geração 2000

Os jovens LGBTQIA+ que se sentem representados porque, atualmente, há mais espaço para discutir as pautas de gênero, talvez não saibam da história de muitos e muitas que os antecederam e sofreram enorme preconceito social. Uma dessas figuras é a Lacraia, cuja morte faz dez anos.

Quando vemos artistas como Pabllo Vittar, com a toda a sua beleza e poder, não imaginamos – ou nos esquecemos – que uma década atrás Lacraia, mesmo no auge da fama, era uma artista de favela e uma artista que ficou à mercê do riso do público, reforçando estereótipos não apenas sobre as travestis, mas sobre as travestis pobres e pretas.

De lá para cá, houve muitos avanços conquistados, mas o Brasil ainda segue sendo um dos líderes de assassinato da população LGBTQIA+.

Contar as histórias das pessoas é uma forma de desconstruir estereótipos, uma estratégia que segue fazendo vítimas nos campos simbólico e real.

A história da Lacraia

Marco Aurélio Silva da Costa, conhecido como Lacraia, nasceu, em 1977 em Birigui, interior de São Paulo. Foi camareira de sauna gay, maquiadora, cabeleireira e drag queen. Nos anos 2000, a travesti, junto com o seu parceiro MC Serginho, tornou-se nacionalmente conhecida.

Segundo Serginho, ela “quebrou barreiras intransponíveis para o movimento LGBTQIA+” por colocar-se na linha de frente contra o preconceito, ainda mais no funk, segmento musical reinado pelas popozudas e pelo machismo.

Lacraia morreu no Rio de Janeiro, aos 33 anos de idade, no dia 10 de maio de 2011, por complicações decorrentes de uma tuberculose, a doença da pobreza, assim denominada pela própria OMS, porque é endêmica nas comunidades pobres do Brasil, especialmente no Rio de Janeiro, dadas as insalubres condições de moradia nas favelas.

Preconceito e tristeza

O IG Queer conversou com o ex-parceiro da artista por dez anos para homenageá-la neste aniversário de sua morte. Ele conta que a Lacraia, desde criança, sempre foi “diferente” e sempre teve o suporte da mãe para expressar a sua identidade de gênero, a sua sexualidade e sua vocação artística.

 O primeiro sucesso da dupla veio em 2002 com a música “Vai, Serginho!” e, depois, com “Égua Pocotó”, que ficou conhecida como “Eguinha Pocotó”, uma das canções mais tocadas nas rádios brasileiras em 2003.

O Ego conversou com a mãe de Lacraia, Maria Alice da Silva, que contou que a alegria da filha no palco não condizia com a sua vida fora dele.

“Para mim, que sou mãe, é muito triste. No dia que ele ficava em casa, só queria deitar no chão, jogado, em silêncio. Era o momento de ele esquecer da vida lá fora. Meu filho ficava com o pensamento distante, era bem diferente do que aparentava na TV”.

Essa “quietude” era a forma como Lacraia buscava a paz que não encontrava em sua vida. Maria Alice ainda relata que:

 “Na época em que ele começou não era como agora. Agora existe liberdade, não tem tanta repressão. Por causa de sua opção, ele foi muito humilhado e sofreu muito preconceito. Na rua do bairro onde moramos as pessoas o xingavam, debochavam de seu jeito. Acho que ele seria mais feliz hoje”.

Legado

MC Serginho conta que, ainda hoje, a artista é relembrada pelos fãs. Quando começaram a carreira juntos, Serginho foi questionado no universo do funk sobre a dupla com Lacraia.

“Me diziam com frequência: ‘Tu vai levar esse veado escroto para dançar no seu show?’. Eu respondia: ‘Claro, é meu amigo’”.

Ainda que acolhida pela família e por amigos, Lacraia sofreu preconceito por apenas legitimar quem era. Mas a sua coragem deixou um legado, ao abrir caminhos para muitas artistas que vieram depois dela.

E para fechar esse post com alegria. Som na caixa, vamos dançar!

Vai Lacraia Vai Lacraia!

Talvez te interesse ler também:

Representatividade importa: LGBTQIA+ na histórica eleição norte-americana

Alunos se juntam e compram Fusca de professor que o vendeu por dificuldade financeira

“Papai mudou o mundo”: julgamento do caso Floyd é história do racismo na Terra

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *