Universidade reconhece direito dos estudantes recusarem vivissecção em animais

Universidade reconhece direito dos estudantes recusarem vivissecção em animais

Nos últimos anos, cientistas e especialistas vêm se empenhando em buscar métodos alternativos aos testes em animais.

A exemplo desse avanço pelo fim dos testes em animais temos:

Mais recentemente, este ano, um curta-metragem impactou muita gente chamando a atenção para a triste e cruel realidade dos animais usados em laboratórios:

Salve o Ralph: a triste realidade dos animais usados em laboratório

Agora, temos uma boa notícia que vem da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ, que contribuirá para reduzir o sacrifício e a vivissecção de animais em laboratórios, e ao mesmo tempo, respeitar o direito dos discentes (alunos) em se recusarem a executar testes cruéis envolvendo animais durante os estudos.

O ponto de partida dessa decisão teve início em 13/7/21, através de uma audiência pública realizada pela Comissão de Regulamentação da Objeção de Consciência na UFRRJ, apresentando a minuta sobre a deliberação para a objeção de consciência ao uso de animais nas aulas práticas desta Universidade.

Confira o teor da minuta para elaboração da regulamentação da objeção da consciência -> AQUI

A audiência pública destacando os pontos fundamentais para a regulamentação da objeção de consciência foi apresentada na live abaixo:

Essa audiência pública envolveu especialistas que defendem o direito dos estudantes de optarem por NÃO usar os animais para práticas de experimentação.

Nesta audiência foi levantada a questão de que para reivindicar esse direito, o estudante pode se valer da cláusula de objeção de consciência prescrita na Constituição Federal que dá margem ao aluno apresentar um trabalho substitutivo, realizado SEM o uso de animais, permitindo que seja avaliado pelos professores, e ser isento de prejuízos nesta avaliação.

O mediador dessa audiência pública, professor Luciano Alonso (ICBS/UFRRJ), destacou tópicos presentes na minuta e orientou os estudantes a como procederem quando NÃO quiserem utilizar os animais nas práticas do curso, bem como elucidou os métodos alternativos e substitutivos ao uso de animais em diferentes disciplinas.

A respeito dessa questão Luciano Alonso declarou:

“O que se propõe é um ambiente de harmonia, de tranquilidade e construção do conhecimento, de avanço dos métodos científicos, incluindo a possibilidade de substituição do uso de animais .”

Após todas estas etapas a UFRRJ efetivou o Regulamento da Objeção de Consciência que foi aprovado em 30 de Julho de 2021, estendendo a todos os seus cursos que envolvam atividades com animais.

Veja o conteúdo definindo esta regulamentação ->AQUI

Joshua Dylan, aluno do curso de Medicina Veterinária da Rural e membro da Comissão na UFRRJ, foi um dos que defendeu a extensão da regulamentação para toda a Universidade, declarando:

“Para os estudantes é de extrema importância que a objeção ganhe visibilidade, pois se trata de um avanço na proteção aos direitos individuais, no que tange à liberdade de crença, e um refinamento da democracia na proteção às minorias dentro da instituição.”

Com mais esse avanço, agora é torcer e divulgar para que essa medida sirva de exemplo e se espalhe por todas as universidades brasileiras, contribuindo para um ensino mais humano, sensível e ético com todos os seres.

Conheça outros avanços pelo fim da crueldade envolvendo experimentos em animais, nos conteúdos abaixo:

ANVISA reconhece métodos alternativos aos testes em animais

Califórnia aprova lei que proíbe testar cosméticos em animais

STF valida lei que proíbe teste em animais no Rio de Janeiro

Vitória! Avon divulga o FIM dos TESTES em ANIMAIS em seus produtos!

Notícia oficial: Austrália aprova lei pelo fim dos testes cosméticos em animais!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *