O que é vivissecção e por que essa prática deve ser abolida?

O que é vivissecção e por que essa prática deve ser abolida?

A vivissecção (do latim vivus ‘vivo’, e sectio ‘cortar’) é o ato de dissecar um animal, a princípio com o intuito de estudar a fisiologia do mesmo. No entanto, essa prática tornou-se algo muito comum e frequente, seja em experimentos para a indústria farmacêutica e de cosméticos, seja como método ultrapassado de estudo nas universidades por aí afora.

Felizmente, existem leis que proíbem essa prática, principalmente se for constatado que trata-se de um ato de crueldade, sem fundamento ou causa específica, que provoca dor e sofrimento desnecessários aos animais.

Em Portugal, por exemplo, existe uma legislação para que a experimentação em animais seja realizada apenas por pessoas competentes e em animais devidamente anestesiados. Trata-se do Decreto-Lei Nº 129/92, de 6 de Junho, a Portaria Nº 1005/92 de 23 de Outubro e a Portaria Nº1131/97, de 7 de Novembro, regulamentam a utilização de animais para fins experimentais e/ou científicos.

No Brasil, o conjunto de leis que regulamentam o uso de animais em experiências científicas está em discussão. No município do Rio de Janeiro, foi criada pelo vereador Cláudio Cavalcanti uma lei que proíbe a vivissecção, a qual foi sancionada pelo prefeito César Maia.

Além dessas regulamentações, existe também a diretiva 86/609/EEC que tem por objetivo proteger os animais utilizados na vivissecção e procedimentos científicos, tentando minimizar a dor, sofrimento e o stress animal.

Partindo do pressuposto de que todos os mamíferos (provavelmente todos os animais) sentem dor e prazer, assim como os seres humanos, essas leis deixam claro que o ser humano não possui o direito de decidir sobre a vida de qualquer animal.

Método ultrapassado. Existem alternativas

Como alternativa para substituir a vivissecção de animais, é sugerido o uso de simulações matemáticas, modelos computadorizados e culturas celulares, já que o ato de dissecar animais tornou-se um método ultrapassado.

Apesar das evidências, as opiniões ainda estão muito divididas, porque os defensores da vivissecção, os vivisseccionistas, ainda acreditam que essa prática é importante para descobertas da cura de doenças e teste de medicamentos.

Em contrapartida, os abolicionistas lutam contra o fim dos testes em animais, inclusive para fins acadêmicos e científicos, alegando justamente a existência de alternativas modernas para conseguirem os mesmos resultados.

No grupo de discussão sobre a vivissecção existem ainda os 3 Rs: Replacement (Substituição), Reduction (Redução) e Refinement (Refinamento), que resumidamente quer dizer:

“Todos os procedimentos que podem substituir completamente a necessidade de efetuar experiências com animais, reduzir o número de animais necessários, ou diminuir o sofrimento sentido pelos animais utilizados para o benefício de humanos e outros animais”, Smyth (1978).

A vida animal faz parte da criação divina

Além das questões científicas, existe também a defesa religiosa que condena todo e qualquer ato de maltratos e controle sobre a vida dos animais. Assim como falou o Papa Francisco na Encíclica sobre o meio ambiente, recordando que o poder humano tem limites:

“É contrário à dignidade humana causar inutilmente sofrimento aos animais e dispor indiscriminadamente de suas vidas”.

Em outras palavras, a vida animal também faz parte da criação divina e merece respeito, tanto quanto a nossa…

Abaixo o especismo (a crença de que a espécie humana é superior ou mais importante que as outras).

Talvez te interesse ler também:

Joker contra o especismo: Joaquin Phoenix lembra que somos todos animais, e nos convida ao veganismo

Veganofobia: por que os veganos são tão odiados?

Como saber se os produtos que você usa foram testados em animais

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *