Tai Chi: aqueles que o praticam permanecem mais jovens

Tai Chi

O Tai Chi, bem como muitas outras disciplinas e práticas de origem oriental, oferece muitos benefícios tanto físicos como psicológicos. Agora uma nova pesquisa descobriu que a antiga arte marcial chinesa também é muito útil para retardar o processo de envelhecimento, agindo como um verdadeiro tipo de tratamento antienvelhecimento diretamente sobre as células.

Para chegar a esta conclusão, pesquisadores da China Medical University Hospital em Taichung (Taiwan), cuja pesquisa fora publicada na Cell Transplantation, analisaram o efeito do Tai Chi e da caminhada rápida sobre a longevidade, utilizando uma amostra de jovens com menos de 25 anos de idade divididos em 3 grupos: o primeiro praticava Tai Chi (TCC), o segundo, caminhadas rápidas (BW) e o terceiro não fazia nenhum exercício em particular (NEH).

No final da experiência após um ano, por meio de análises específicas, verificou-se que o grupo de pessoas jovens que praticaram Tai Chi, teve um aumento de células 34 (ou células CD34+), células estaminais especialmente importantes, capazes de suportarem várias funções do nosso corpo a fim de ajudá-lo a permanecer sempre jovem. Além disso, como afirmou Shinn-Zong Lin, principal autor do estudo: "É possível que o Tai Chi possa promover a vasodilatação e aumente o fluxo do sangue"

A amostra de pessoas que participaram do estudo foi escolhida especificamente tão jovem para evitar que os resultados pudessem ser distorcidos por outros fatores relacionados à pessoa, como o uso de medicamentos, doenças crônicas, etc. E também porque os corpos jovens têm uma renovação celular mais rápida.

"Considerando-se que a corrida pode exigir um espaço mais amplo ou mais instrumentos para sua prática, o Tai Chi parece ser uma escolha mais fácil e mais conveniente como exercício antienvelhecimento", disse Lin.

Leia também: Viver até os 120 anos pode ser possível, dizem cientistas russos