A obesidade infantil se combate dormindo mais

obesidade infantil se combate dormindo mais

Como resolver o problema da obesidade infantil? Segundo as mais recentes pesquisas, dormindo mais se pode reduzir o ganho calórico diário, o que poderia ajudar as crianças a emagrecerem. A carência de sono nos dias de hoje parece ser muito difundida entre as crianças menores, que tenderiam a comer mais pela falta de um repouso suficiente.

Esta afirmação vem de um estudo conduzido no Temple University por especialistas do Center for Obesity Research and Education, cujos resultados foram publicados na revista Pediatrics. Segundo os especialistas, as crianças deveriam dormir entre 8 e 12 horas por noite, conforme a idade. O sono é importante pra regularizar os hormônios que influenciam o apetite.

Se o repouso não for suficiente, pode ocorrer um desequilíbrio capaz de alterar o biorritmo do organismo e de levar, seja os menores que os adolescentes, a consumirem mais comida que o necessário. Obviamente, o sono não representa o único fator importante para a regularização do peso corpóreo. São fundamentais os bons hábitos alimentares e a prática de atividades esportivas.

Os especialistas norte-americanos queriam entender se existia a possibilidade de reduzir a ingestão de calorias diárias, adquiridas com uma dieta normal, aumentando as horas de sono para as crianças. O experimento durou 3 semanas e envolveu um grupo de crianças de idades entre 8 e 11 anos, das quais, 27% estavam acima do peso.

No decorrer da primeira semana, as crianças tinham dormido a quantidade de horas que eram acostumadas a dormir. Na segunda semana dormiram mais e na terceira, dormiram menos. Justamente na segunda semana, na qual as crianças dormiram mais, os especialistas observaram os resultados esperados. Um sono de maior duração levaram as crianças a consumirem 134 calorias a menos e a perder meio quilo aproximadamente por dia.

Os especialistas tiveram então uma primeira prova da concreta influência dos hábitos do sono sobre a alimentação infantil. E pretendem aprofundar os estudos, com novos grupos de crianças, para compreender se com um incremento constante no repouso, se possa obter resultados de longo prazo, com relação aos hábitos alimentares dos pequenos.