Plantas sentem dor? O que dizem os estudos

Plantas sentem dor? O que dizem os estudos

Você já parou para pensar se as plantas sentem dor? Nenhum estudo havia comprovado essa capacidade sensorial das plantas, porque elas não têm sistema nervoso. Mas a ciência acaba de descobrir algo inédito sobre esses seres!

No reino animal, o sistema nervoso é o centro de controle de todas as nossas funções orgânicas, entre elas as emoções. Logo, para sentir dor, qualquer ser precisa ter um sistema nervoso para capturar essa sensação e levá-la a um processador como o cérebro.

Como nós sabemos, as plantas não são dotadas de um cérebro, embora elas sejam capazes de reagir a alguns estímulos e tenham habilidades relacionadas à linguagem, memória, audição, defesa e cognição, segundo explica a Superinteressante.

Naturalmente, tais habilidades não podem ser comparadas às dos humanos – plantas não falam, mas conseguem se comunicar, por exemplo, ao enviarem, para se defender de algum invasor, substâncias que percorrem uma longa distância, ou, ainda, alterando o sabor de suas folhas ou produzindo toxinas contra algum predador.

O fato de as plantas não terem um cérebro é, na realidade, uma grande vantagem para elas. Plantas são frequentemente comidas, cortadas ou danificadas. Elas podem perder até 90% do corpo sem morrer. A capacidade regenerativa de suas partes é uma habilidade e tanto!

Mecanismos de defesa

De indefesas as plantas não têm nada. É o que diz um estudo – realizado por pesquisadores da Universidade de Wisconsin-Madison, Agência de Ciência e Tecnologia do Japão e várias outras instituições – que se dedicou a investigar o seu sistema de defesa com o uso de luz fluorescente, a fim de ajudar a visualizar sinais de alarme no interior delas.

A pesquisa, que foi publicada na revista Science, mostra com detalhes os sinais emitidos por uma planta ao sofrer um ataque. Se ela, por exemplo, ficar ferida, um segundo depois do ataque ela irradia desde o local ferido um sinal de advertência que se estende por todo o seu corpo – processo que dura menos de 120 segundos.

Ao tomar “consciência” de que está sendo atacada, ela dá início a um contra-ataque químico. Esse é o primeiro estudo a comprovar esse mecanismo de defesa, mas precisam ser realizadas mais investigações para entender o seu funcionamento.

“Sabemos que se alguém causa algum dano a uma folha, ocorre uma descarga elétrica que se propaga através da planta. O que desencadeia essa descarga elétrica, e como se move através da planta, é algo que ainda não sabemos”, explica o botânico Simon Gilroy.

Se as plantas conseguem transmitir seus sofrimentos, elas sentem dor?

Se as plantas conseguem comunicar suas “angústias” usando um tipo de sistema nervoso próprio, isso significa que elas sentem dor?

A resposta, embora pareça positiva, é NÃO.

As plantas não têm cérebro ou sistema nervoso central, o que significa que não podem sentir. Embora a pesquisa da qual falamos aqui tenha identificado um tipo de sistema nervoso nas plantas, este sistema não é como o nosso.

Os sistemas nervosos como o nosso e os de outros animais (não apenas mamíferos) são uma forma de processar informações – mas não a única. Assim, como explica a Mercy for Animals, mesmo não havendo um sistema nervoso como o dos animais, as plantas podem responder a estímulos e se comunicarem entre elas. E, mesmo quando comunicam estar em perigo ou estar sofrendo dano, isso não significa que estejam sentindo dor.

O tipo de sistema nervoso das plantas não é complexo como o nosso. As plantas não possuem células sensoriais nociceptivas, o que significa que elas não possuem maquinarias molecular e estruturais para a geração de dor, como conclui esse estudo sobre a (in) consciência das plantas, analisando os mecanismos de dor em humanos, animais não humanos e plantas.

Talvez te interesse ler também:

Novo estudo revela: as plantas também se estressam

Sobre o Veganismo → as Verdades que Ninguém quer Falar

Por que você deve AGORA parar de comer carne de vitela

Carne cultivada de laboratório: carne do futuro? Como é feita?

O sofrimento dos animais explorados pela indústria do leite

Peixes sufocados e espancados: o lado negro da piscicultura intensiva

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *