©Salamandra Journal of Herpetology

Desaparecido há 100 anos, este camaleão foi revisto em seu habitat

Furcifer voeltzkowi é o nome desta espécie de camaleão que não era vista há 100 anos. Tendo uma vida curtíssima de poucos meses, a redescoberta do animal traz novas informações sobre suas características morfológicas e seu estado de conservação.

Uma expedição realizada por cientistas da Alemanha e de Madagascar (pais de ocorrência do animal) redescobriram em seu habitat natural essa espécie que era considerada sinônimo de uma outra, a Furcifer rhinoceratus.

Agora, com base nos dados coletados, os cientistas conseguiram levantar informações sobre a história da vida deste animal, seu estado de conservação, seu sistema de coloração, morfologia, etc.

Do estudo, têm-se que o Furcifer voeltzkowi é uma espécie sexualmente dimórfica (diferenças entre sexos). A coloração natural dos machos é amplamente verde, ao passo que a das fêmeas é altamente variável e pode ser extremamente colorida.

Os pesquisadores estimaram, com base na distribuição da espécie, que ela esteja em sério perigo de extinção, que suas populações sejam severamente fragmentadas e que haja declínio contínuo na extensão e na qualidade de seu habitat.

Acredita-se que essa espécie viva apenas durante a estação chuvosa quando nascem ao eclodirem dos ovos, crescem, sobrevivem em tempo de poderem se acasalar para morrerem apenas alguns meses depois de terem nascido. Durante o período de chuvas, as estradas de acesso ao seu habitat não são acessíveis. Estes podem ser os motivos para o “sumiço” do animal.

O estudo, que pode ser lido AQUI, mostra como a coloração da fêmea muda nos períodos de acasalamento, gravidez e estresse. Impressionantemente lindo.

©Salamandra Journal of Herpetology
©Salamandra Journal of Herpetology

A) coloração acentuada / gravitacional; B, C) bastante relaxada; D, E) estressada.

Como diz o estudo, redescobrir espécies “perdidas” é muito importante para alertar sobre a crise da biodiversidade que estamos passando. Habitats estão sendo destruídos com o desmatamento e o aquecimento global.

“Nosso planeta provavelmente está enfrentando o início de uma enorme extinção de espécies, muitas vezes referida como a ‘sexta extinção em massa‘, a ‘extinção do Holoceno’ ou a ‘extinção do Antropoceno’.

Mas, diferentemente dos cinco primeiros períodos catastróficos de extinção na história da Terra, a atual perda de biodiversidade é causada pela atividade humana”, alertam os pesquisadores.

Talvez te interesse ler também:

É por isso que estamos vivendo na era do frango, o símbolo do Antropoceno

Mata Ciliar: a Associação que protege fauna, flora e resgata animais do tráfico

Falha humana: nenhuma meta cumprida para salvar o planeta

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

Playground de pandas: uma fofura de lugar para preservar esse animal fofo!

O panda quase entrou em extinção, existem poucos indivíduos da espécie, e os que restam, …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *