Joaquim Phoenix, Moby, Billie Eilish e outros artistas pedem: parem de ignorar que a pecuária é a causa da crise climática!

Joaquim Phoenix, Moby, Billie Eilish e outros artistas pedem: parem de ignorar que a pecuária é a causa da crise climática!

Dezoito celebridades veganas, entre elas o ator Joaquim Phoenix, o cantor Moby, a atriz Billie Eilish, o ator Alan Cumming, a atriz Evanna Lynch e a atriz Alicia Silverstone enviaram uma carta ao presidente da COP26, 26ª conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, programada para acontecer entre 31 de outubro e 12 de novembro, na Escócia.

Segundo o site de notícias VegNews, a carta destaca a importância de incluir a pecuária nas negociações e acordos climáticos, recordando que esta atividade tem um impacto prejudicial sobre o clima do nosso planeta.

Esta carta ressalta que a pecuária é uma indústria destrutiva que contribui de 14,5% a 16,5% por todas as emissões antropogênicas (derivadas das atividades humanas) de gases de efeito estufa (GEE) globalmente, por isso é a pecuária é a segunda maior emissora de gases efeito estufa GEE, no mundo.

Um dos trechos da carta diz:

“Como a pecuária é uma fonte importante de emissões de gases de efeito estufa, é impossível cumprir as metas estabelecidas no Acordo de Paris sem fazer mudanças em nosso sistema alimentar global.

Mesmo se todas as outras principais fontes de emissões fossem reformadas, ainda assim ficaríamos aquém.

Os cientistas concordam, incluindo os 107 especialistas que prepararam o relatório para o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU.

Estamos à beira de uma catástrofe climática e, como disse a ativista climática Greta Thunberg, ‘nossa casa está pegando fogo’”.

Esta carta é um apoio à campanha #TheCowIntheRoom, criada pela Humane Society International (HSI), como uma forma de conseguir que a pecuária seja incluída, de fato, na pauta da agenda da COP26.

Nesse contexto, essa campanha tem por objetivo que o presidente  da COP26 inclua 3 tópicos para serem tratados durante a conferência do clima:

  • Mudança de subsídios e incentivos financeiros da produção pecuária -> por uma agricultura mais sustentável, baseada em plantas, apoiando assim uma transição justa para o setor agrícola.
  • Incentivo ao investimento no desenvolvimento de alternativas à pecuária -> criando um ambiente satisfatório para a inovação em se tratando de fontes de proteínas.
  • Mudar as prioridades de compras governamentais -> para incentivar e mostrar caminhos no setor público que cooperem com a redução dos gases de efeito estufa.

Como a pecuária contribui para a crise climática

Apesar da indústria pecuária utilizar 83% das terras agrícolas do mundo, ela fornece apenas 37% da proteína mundial e é responsável por apenas 18% das calorias.

Além dessa desvantagem, a pecuária traz prejuízos como:

  • Mais de 88 bilhões de animais são criados e abatidos para alimentação todos os anos, no mundo inteiro.
  • desmatamento florestal
  • extinção de espécies
  • degradação da terra
  • poluição
  • exaustão dos recursos hídricos
  • disseminação de epidemias e pandemias
  • e se a  humanidade não mudar seus hábitos alimentares até 2030, o setor de pecuária será o causador por quase metade do orçamento de 1,5ºC de emissões de gases efeito estufa, no mundo todo

A criação intensiva de animais é insustentável

Julie Janovsky, vice-presidente da Humane Society International,  esclarece o motivo da necessidade de incluir a pecuária na pauta da COP26:

“Se quisermos seriamente evitar a catástrofe climática, é imperativo que os líderes mundiais reconheçam e ajam para eliminar todos os principais impulsionadores da mudança climática, incluindo a pecuária industrial.

A criação intensiva de animais é insustentável e transformar nossos sistemas globais de alimentos em dietas mais baseadas em vegetais é uma das medidas mais eficazes de mitigação do clima que podemos tomar.

A COP26 oferece uma oportunidade vital para os líderes mundiais assumirem compromissos significativos para enfrentar as mudanças climáticas, restaurar a biodiversidade e ajudar a acabar com a crueldade causada pelas fazendas industriais.”

A solução para evitar a catástrofe climática

Com todas essas informações, fica evidente que a humanidade precisa acordar para o fato que suas escolhas de consumo e hábitos alimentares, são responsáveis pelo sofrimento de animais, a devastação da natureza e o aquecimento global.

E essa questão não é algo apenas ético ou filosófico, porque até a ciência confirmou, através de vários estudos, entre estes um estudo de Oxford de 2018, publicado na revista Science, que aponta como melhor forma de reduzir a destruição ambiental, a remoção dos produtos de origem animal da nossa alimentação.

Para chegar a essa conclusão, os cientistas passaram cinco anos coletando dados de quase 40.000 fazendas, em 119 países, investigando o impacto ambiental da produção de 40 alimentos, o equivalente a 90% de todos os alimentos consumidos na Terra.

Este estudo concluiu que se as pessoas deixassem de comer produtos de origem animal, haveria uma redução da pegada de carbono em 73% e, além disso, se a produção de carne e laticínios parasse, o uso de terras agrícolas, de forma global, seria reduzido em 75%.

Filme revela que a pecuária causa a crise climática

Se cartas, estudo e relatórios ainda são pouco para mostrar que a pecuária e o hábito de consumir animais são destrutivos, tem ainda imagens, mostradas em um filme que estreou recentemente nos cinemas, que é o documentário Eating Our Way to Extinction (Comendo nosso caminho para a extinção).

Este filme é narrado pela atriz Kate Winslet, do filme Titanic, e revela como a pecuária é a causadora da crise climática.

Veja os 3 trailers deste documentário no canal Eating Our Way to Extinction.

O filme mostra a relação da pecuária com os diversos prejuízos causados pelas alterações climáticas e como corrigir isso.

Veja alguns pontos tratados no filme:

  • as terras das tribos indígenas da Amazônia usurpadas para o cultivo de ração para a indústria de carne bovina
  • questões de saúde e ambientais relacionadas à indústria pesqueira global, e que são uma extensão do que foi tratado no documentário da Netflix, Seaspiracy.
  • A mensagem principal do filme Eating Our Way to Extinction aponta para a adoção de uma dieta baseada em vegetais, como uma das principais soluções para a crise climática.

Leia mais:

Movimento internacional pela mudança alimentar

A solução apontada  por várias autoridades e especialistas para conter a crise do clima é também é defendida pelo movimento internacional Plant Based TreadyPBT (Tratado baseado em Plantas), que tem como co-fundadora a ativista vegana Anita Kranjc.

A campanha PBT se baseia em 3 princípios:

Renunciar

Parar de alocar recursos para expandir a pecuária.

Redirecionar

Promover uma transição ativa da produção baseada em animais para a produção baseada em plantas

Restaurar

Impulsionar a restauração de ecossistemas destruídos pela pecuária.

Esta campanha conquistou o apoio de pessoas influentes e a meta é fazer com que 10 milhões de indivíduos, 10.000 organizações, 10.000 empresas e 50 cidades endossem, participem e apoiem esta campanha, até 2023, antes do evento Global Stocktake (Estoque global) do Acordo de Paris (Tratado Internacional sobre mudança climática).

Leia também:

Relatórios sobre a Crise Climática

Além das celebridades, ativistas e especialistas que defendem a mudança de perspectiva alimentar, instituições como a Food and Agriculture Organization-FAO (Organização para Alimentação e Agricultura), também coletaram informações que atestam a necessidade de rever as escolhas alimentares.

Confira o relatório da FAO ->AQUI

Outra organização político-cientifica, no âmbito das Nações Unidas,  Intergovernmental Panel on Climate Change-IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), que foi citada na carta das celebridades, tem um relatório bem detalhado com informações abrangentes sobre as mudanças climáticas.

Entre os resultados que constam neste relatório do IPCC tem-se que, se as emissões de gases estufa continuarem aumentando, o aquecimento global se intensificará ainda mais e é provável que ocorram efeitos negativos em larga escala à vida na Terra e para todos os ecossistemas

Veja mais informações do IPCC ->AQUI

A escolha impacta o destino

Como visto, motivos não faltam para rever as escolhas alimentares, de produção e consumo.

A decisão pela mudança está nas mãos de cada um de nós!

Qual é a sua escolha?

Veja mais motivos para parar de financiar a indústria que explora os animais e prejudica o meio-ambiente em:

O sofrimento dos animais explorados pela indústria do leite

O sofrimento animal, e humano, contado por um matador de abatedouro

A carne está cada vez mais cara e poluente: você vai continuar comendo?

Especialistas alertam: é hora dar um corte à carne vermelha

O consumo de carne provoca câncer: o alerta chocante vem da OMS

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *