Vitória na proteção de restingas e manguezais: Rosa Weber suspende revogações de Salles

Vitória na proteção de restingas e manguezais: Rosa Weber suspende revogações de Salles

Já contamos aqui que o ministro Ricardo Salles, em fatídica reunião do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente, decidiu revogar algumas Resoluções deste órgão, sendo duas delas, a 302 e 303, referentes à proteção da vegetação de restinga, manguezais e Mata Atlântica.

O assunto reverberou, várias entidades e grande parte da sociedade se mostraram contrárias ao ato e a questão foi judicializada.

Primeiro, um grupo de advogados moveu uma Ação Civil Pública perante à Justiça Federal do Rio de Janeiro, conseguindo uma liminar que suspendeu a revogação das Resoluções, mas que logo foi derrubada por decisão do Tribunal de Justiça fluminense.

Porém o imbróglio continuou, e alguns partidos políticos também moveram ação perante o STF, e agora, a questão acaba de ganhar nova decisão.

Em ação movida pela Rede Sustentabilidade e pelo PSB, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar e suspendeu a validade da Resolução 500 do Conama – que extinguiu as resoluções 302 e 303 que impediam a exploração de áreas de restingas e manguezais.

Rosa Weber entendeu que:

“Tenho por suficientemente evidenciado, pois, pelo menos em juízo preliminar, que a Resolução nº 500 (…) vulnera princípios basilares da Constituição, sonega proteção adequada e suficiente ao direito fundamental ao meio ambiente equilibrado nela assegurado e promove desalinho em relação a compromissos internacionais de caráter supralegal assumidos pelo Brasil e que moldam o conteúdo desses direitos”.

A decisão liminar valerá até ser confirmada ou derrubada pelo Plenário da Corte.

Na mesma ação foi requerida também liminar para suspender outra Resolução que, extinguindo a anterior, passou a permitir a incineração de resíduos tóxicos em fornos utilizados para produção e cimento.

Segundo a ministra, ainda que exista pontos negativos nesse tópico, a incineração controlada é tida como o mecanismo mais adequado para tratar resíduos sólidos tóxicos, sendo a adoção adequada.

Na contramão da decisão da ministra, especialistas apontam grande dano à atmosfera com a liberação de produtos tóxicos em forma de gás e poluição, aumentando o efeito estufa, além da alta possibilidade de contaminar os empregados das fábricas de cimentos que depois terão que manusear o produto nos fornos contaminados.

É um assunto que merece maior debate, já apontamos aqui em outra reportagem, que outro grande problema, são estados que não cumprem a legislação ambiental e não fiscalizam essas fábricas de cimento. E sem fiscalização rígida, os riscos são maiores e irreparáveis.

Talvez te interesse ler também:

Por “evidente risco de danos irrecuperáveis ao meio ambiente”, Justiça suspende decisão de Salles

Gelo do Ártico derrete em ritmo alarmante e pode libertar vírus e bactérias mortais

Amazônia a um passo de floresta, virar savana

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *