desmatamento da Amazônia
desmatamento da Amazônia

Amazônia a um passo de floresta, virar savana

Olha que chocante o título do post do The Guardian no Instagram: “Amazônia perto do ponto crítico de mudança de floresta tropical para savana”.

O post fala de um estudo recente, feito pela Stockholm University que aponta para essa dura realidade que, nem é de hoje, vem sendo apontada em diversos outros estudos similares.

Será que o título chocante fará com que de uma vez por todas possamos visualizar que, de fato, uma floresta tropical pode virar um semi-deserto da noite pro dia enquanto dormimos?!

A pesquisa que foi baseada em modelos de computador e em análise de dados, alerta que as florestas tropicais são altamente sensíveis. O desmatamento causa mudanças nos níveis de chuva e umidade destes biomas, o que facilita a ocorrência de secas e incêndios.

Isso com o tempo, é um círculo vicioso que causa cada vez mais mudança climática com o consequente aquecimento global.

A fórmula é simples:

Desmatamento = seca = incêndio = emissão de gases de efeito estufa = mudança climática = aquecimento global

O novo estudo publicado na revista Nature Communications mostra que esse ponto de não retorno pode estar muito mais próximo do que as pessoas imaginam.

40% da floresta amazônica hoje já estaria nessa ponto de inflexão, ou seja, sofre danos quase irreparáveis e poderia virar uma savana (o que no Brasil a gente chama de Cerrado, o bioma cuja característica é a vegetação baixa, predominantemente composta de gramíneas, com árvores esparsas e arbustos isolados).

“Em cerca de 40% da Amazônia, a precipitação está agora em um nível em que a floresta poderia existir em qualquer estado – floresta tropical ou savana, de acordo com nossas descobertas “, diz o autor principal Arie Staal, ex-pesquisador de pós-doutorado no Centro de Resiliência de Estocolmo e o Instituto Copérnico da Universidade de Utrecht.”

O que está ruim ainda pode piorar

As conclusões do estudo preocupam.  Tem-se que partes da região amazônica estão recebendo menos chuva, o que tende a piorar à medida que a região esquenta devido ao aumento das emissões de gases de efeito estufa. O próprio desmatamento causa emissão de gases de efeito estufa porque a floresta derrubada deixa de absorver CO2.

Some-se isso ao fato de que uma floresta não se recupera da noite para o dia

Uma vez perdidos, sua recuperação levará muitas décadas para retornar ao seu estado original. E dado que as florestas tropicais hospedam a maioria de todas as espécies globais, tudo isso estará perdido para sempre. ”

O The Guardian critica ainda o presidente do Brasil, informando os leitores britânicos que a política de Jair Bolsonaro contribui para esse cenário.

View this post on Instagram

Researchers are warning that a large part of the Amazon could be on the verge of losing its distinct nature and switching from a closed canopy rainforest to an open savannah with far fewer trees as a result of the climate crisis. Rainforests are highly sensitive to changes in rainfall and moisture levels, and fires and prolonged droughts can result in areas losing trees and shifting to a savannah-like mix of woodland and grassland. New research shows that this tipping point could be much closer than previously thought. As much as 40% of the existing Amazon rainforest is now at a point where it could exist as a savannah instead of as rainforest, according to a study published in the journal Nature Communications. Brazil’s president, Jair Bolsonaro, has been previously warned that the continued destruction of the Amazon by fire and loggers would bring the region closer to a tipping point. This year’s fires in the Amazon are the worst in a decade, with a 60% increase in fire hotspots compared with last year.

A post shared by The Guardian (@guardian) on

Talvez te interesse ler também:

Brasil em chamas: incêndios e calor recorde. Quando isso vai passar?

Sem esperança, Geração Z acredita mas não faz nada pela mudança climática

Mundo pós-pandemia: empresários no Reino Unido pedem por economia verde

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

gelo

Gelo do Ártico derrete em ritmo alarmante e pode libertar vírus e bactérias mortais

Vírus e bactérias que estão “hibernando” no frio polar Ártico podem acordar de um sono …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *