Biofertilizante made in Brazil: máxima produtividade, mínimo impacto ambiental 

Biofertilizante made in Brazil: máxima produtividade, mínimo impacto ambiental 

A busca pela produção sustentável de alimentos tem sido bastante incentivada por centros de pesquisas, que apresentam constantemente inovações e ofertas de insumos agrícolas para aumento de produção de forma sustentável, ou seja, que cause o menor impacto ambiental possível.

Isso porque a agricultura tradicional vem causando danos irreversíveis ao solo, ar e água devido ao uso maciço de agrotóxicos para aumentar a produção de alimentos, o que causa, paradoxalmente, insegurança alimentar.

A novidade de hoje vem de um projeto de pesquisa com nanotecnologia que permitira a descoberta de um biofertilizante para uso na agricultura que pode aumentar em até 40% a produtividade de culturas de milho, soja e cana de açúcar.

Um projeto premiado

Um projeto brasileiro desenvolvido com uso de nanoteclogia na agricultura foi elaborado pela UnB – Universidade de Brasília – para a criação de um biofertilizante do futuro, de baixo custo e totalmente sustentável.

A pesquisa foi vencedora do maior prêmio de inovação da Sociedade Brasileira de Química – SBQ, sendo o único produto no planeta que usou a nanotecnologia em sua elaboração.

A arbolina, que é a base de sua composição é genuinamente nacional, permitindo a autonomia e independência em sua produção.

Importante que o lucro com a venda do produto será totalmente revertido para a UnB e a Embrapa.

Composição básica do biofertilizante

É composto de carbono orgânico, nitrogênio, oxigênio e hidrogênio, que são os ingredientes fundamentais das plantas, sendo ainda atóxico, por ser produzido por ingredientes naturais.

Também é considerado sustentável por não gerar resíduos sólidos ou líquidos em seu processo produtivo, sendo ainda biodegradável e eliminado pela planta em 15 dias.

O Brasil é um país líder em produção agrícola e tem todo o potencial para ser líder na produção sustentável de alimentos.

Talvez te interesse ler também:

Tem mais plástico nos solos que nos oceanos: situação desastrosa!

Quem é Ernst Götsch: o suíço que inventou a agricultura sintrópica e planta água na Bahia

Jovens chineses estão deixando seus empregos nas cidades para se tornar agricultores

Como o agronegócio pode reduzir emissões no Brasil?

O deserto vai virar floresta: como agricultores estão transformando a paisagem

Gongocompostagem: solo rico, alta produtividade e baixo custo com piolho-de-cobra

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *