Janeiro é branco: cor da paz e da saúde metal. Conheça essa Campanha

  • atualizado: 
saúde mental

No Brasil, o branco simboliza começar o ano com o pé direito, garantindo uma renovação harmoniosa e pacífica. Para dar continuidade à valorização dessa sensação de bem-estar, o janeiro foi escolhido como o mês da saúde mental, tendo como cor simbólica o branco.

Doenças mentais, um tabu a ser combatido

Saúde mental para muitos é ainda um tabu. Muito preconceito, por isso, ronda o tema, o que faz com que tantos os números sobre pessoas que sofrem com as diversas doenças mentais sejam subnotificados, quanto o tratamento adequado para elas seja insuficiente.

Um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, em países de baixa renda, os gastos públicos com saúde mental não chegam a 1 dólar per capita, além de o número de profissionais na área ser baixo: dois para cada 100 mil habitantes. Isso demonstra que uma parte considerável de pessoas que precisa de cuidados mentais não os receberá.

Esse cenário é revelado no Atlas de Saúde Mental 2017 da OMS, que defende como forma de enfrentamento clínicas comunitárias para a universalização de atendimento. Do total de 117 países que responderam à publicação, cerca de dois terços informaram que os planos nacionais de seguros de saúde ou reembolso não consideram o tratamento de pacientes com transtornos mentais graves, informa o site da ONU Brasil.

O diretor do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias da agência da ONU, Shekhar Saxena, justifica a razão dos esforços da OMS para que haja cobertura universal de saúde mental: "garantir que todos, em qualquer lugar, tenham acesso aos cuidados dos quais necessitam, incluindo em relação à saúde mental".

A OMS vem fazendo tal alerta desde 2000, ano em que houve a primeira avaliação global que mapeou os investimentos em saúde para esse segmento específico nos países. Os dados obtidos têm ajudado a OMS a monitorar as ações e os avanços dos países-membros do Plano de Ação Integral de Saúde Mental 2013-2020.

Janeiro Branco

janeiro branco

A campanha Janeiro Branco visa a sensibilizar a sociedade sobre o problema da saúde mental, sobretudo, por ser, ainda, um tema pouco discutido. Por isso, é fundamental conhecer o conceito de saúde mental de forma ampla, isto é, um estado de equilíbrio que proporciona bem-estar ao indivíduo e a toda a sociedade.

São transtornos mentais depressão, ansiedade, fobias, pânico e etc. Muitas pessoas cuidam do físico e da alimentação e negligenciam o lado emocional de suas vidas ou, simplesmente, desconhecem terem algum tipo de transtorno mental.

O mês de janeiro e a cor branca foram escolhidos para a campanha por representarem um recomeço. Os criadores da campanha aproveitaram esse simbolismo para relacioná-lo à saúde mental e, também, como forma de chamar a atenção para a melancolia de fim de ano, que fragiliza tanta gente.

O janeiro seria uma oportunidade para começar de novo e buscar ajuda profissional para cuidar de si. Já o branco é considerado como uma tela em branco, nova, na qual se pode desenhar uma nova história, informa o site Psicologia para Curiosos.

Metas

A OMS, entidade pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU), estabeleceu como meta, no Plano de Saúde Mental 2017, a ampliação da cobertura de serviços de saúde mental para 20% até 2020.

Outras metas são: pelo menos 80% dos países atualizem ou desenvolvam políticas e planos de saúde mental que tenham como princípios instrumentos de direitos humanos internacionais e regionais; cumprimento de leis sobre saúde mental na margem de 50% até 2020; 80% dos países tenham, no mínimo, dois programas nacionais de saúde mental funcionais e multissetoriais, orientados para promoção e prevenção.

"Esta última edição nos fornece mais evidências de que o aumento de recursos para a saúde mental não está acontecendo com rapidez suficiente. Nós sabemos o que funciona. A falta de investimento em saúde mental como uma questão de urgência terá custos de saúde, sociais e econômicos em uma escala que raramente vimos antes", alerta Saxena.

Direitos humanos

Garantir que pessoas com transtornos mentais tenham acesso a prevenção e tratamento já é um desafio, ainda mais que esses cuidados respeitem as convenções de direitos humanos.

O premiado livro "Holocausto Brasileiro", da jornalista Daniela Arbex, investiga como durante décadas milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental, num hospício no interior de Minas Gerais. Nesse local, pessoas foram torturadas, violentadas e mortas sem que ninguém se importasse com os seus destinos.

Eram epilépticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento, enfim, quaisquer pessoas que fossem consideradas "diferentes" eram confinadas no local.

O mais chocante da reportagem da jornalista é que esse holocausto brasileiro foi provocado pelo próprio Estado e seus agentes - médicos, funcionários – e pela própria população. Essa violação de direitos humanos ocorreu aqui no Brasil há bem pouco tempo, nos anos 1960 e 1970.

Entretanto, essas práticas ainda são comuns: menos da metade dos 139 países onde há políticas e planos de saúde mental está alinhada com as convenções de direitos humanos que defendem a transição do tratamento em instituições psiquiátricas para serviços comunitários, como vem ocorrendo com êxito, por exemplo, no Zimbábue com o Banco da Amizade. Nesse projeto, voluntárias intervêm sobre a vida diária de pessoas com transtornos mentais usando como instrumentos a escuta e a palavra.

Afinal, alguns transtornos mentais, sobretudo os leves, poderiam ser tratados de forma muito mais eficaz se o sofrimento fosse visto com empatia e o tratamento como um cuidado ao outro.

Por isso, a campanha Janeiro Branco é tão importante para que temas como psicologia, psiquiatria, saúde mental sejam tratados com seriedade, sem estereótipos e preconceitos, para que quem sofre receba tratamento e respeito.

Talvez te interesse ler também:

DEPRESSÃO: 10 COISAS QUE VOCÊ NUNCA DEVE DIZER À QUEM ESTÁ DEPRIMIDO

8 CONSELHOS QUE QUALQUER PSICÓLOGO DARIA PARA COMBATER A ANSIEDADE

BUTTERFLIES: UMA VIAGEM SURREAL AO INFERNO DOS PIORES MANICÔMIOS DO MUNDO (IMAGENS FORTES)

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!