O novo epicentro global do coronavírus é o Brasil

O novo epicentro global do coronavírus é o Brasil

A imprensa de todo o mundo vem anunciando desde a semana passada: o Brasil é a bola da vez do novo coronavírus.

O jornal francês La Presse fez uma matéria sobre o assunto cujo título é: “Covid-19: Brasil diante de uma hecatombe anunciada”.

Se o desastre já havia sido anunciado, por que o país não fez nada para evitá-lo? De acordo com Domingos Alves, do Laboratório de Inteligência em Saúde da Universidade de São Paulo (USP), a questão já não é mais saber se o Brasil será o principal ponto de contaminação de Covid-19 do mundo: ele já é. O professor da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto assegurou ao The Wall Street Journal:

O Brasil já é o epicentro global do coronavírus“.

A estimativa de um grupo de pesquisadores da Covid-19, do qual Alves é parte, é de que o Brasil contabiliza mais de 1,3 milhão de casos de coronavírus. Isso representa 16 vezes mais o número de casos confirmados pelo Ministério da Saúde.

As razões para a preocupação

O país tem, ainda, a maior taxa de contaminação do mundo: 2,8, de acordo com um estudo recente publicado pelo Imperial College de Londres. O Brasil já é, também, o segundo país do mundo (atrás apenas dos Estados Unidos) que registra mais casos diariamente.

A situação é preocupante no Brasil por diversas razões:

  • o país tem dimensões continentais, o que dificulta uma política abrangente para todos;
  • grande parte da população é altamente vulnerável, como os habitantes de favelas e comunidades indígenas;
  • muitas pessoas não aderiram ao confinamento;
  • o número de testes é ínfimo;
  • o presidente da República não leva a sério a emergência do coronavírus, o que acaba por confundir a população.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, chegou a admitir que o Brasil pode ultrapassar, brevemente, a marca das mil mortes diárias, ao mesmo tempo em que o presidente Jair Bolsonaro disse que o isolamento social é “inútil”.

Entretanto, não é isso que os números dizem. Em Blumenau, por exemplo, o número de casos dobrou em apenas uma semana após a reabertura do comércio. A cidade catarinense parecia estar vivendo uma realidade paralela com hotéis, pousadas, restaurantes, cafés, bares, lanchonetes, lojas de rua, shoppings centers e academias funcionando normalmente. O resultado é que o total de casos confirmados na cidade saltou para 174% em duas semanas, de acordo com a BBC News Brasil.

Fim do isolamento social

Especialistas ouvidos pela BBC disseram que a evolução da epidemia em Blumenau está diretamente relacionada ao fim do isolamento social, porque os sintomas da Covid-19 aparecem, em geral, 14 dias após a infecção.

A agência internacional Reuters também deu destaque ao aumento de casos da infecção no Brasil. Após analisar dados de saúde pública das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza, ficou evidente uma migração da epidemia dos bairros ricos para os arredores urbanos.

Moradores de Brasilândia, um bairro pobre na região norte de São Paulo com o maior número de mortes por coronavírus na cidade, revelaram à Reuters que os bares estão lotados e festas ao ar livre atraem várias pessoas aos finais de semana.

É difícil desenhar um cenário real para o Brasil, que realizou apenas 1.600 milhão de testes. A título de comparação, de acordo com o Yahoo News, os EUA, país onde muitos especialistas acreditam não estar testando o suficiente, realizaram 20.200 milhões de testes.

Por isso, Domingos Alves defende medidas muito mais rigorosas:

“É impossível prever quando o Brasil atingirá o pico de contaminação, mas uma coisa é certa: quanto menos pessoas estiverem confinadas, mais a curva se ampliará e mais mortos haverá devido à sobrecarga do sistema de saúde”.

Talvez te interesse ler também:

Curso online gratuito da Embrapa: Hortas Em Pequenos Espaços. Corra que ainda dá tempo!

Holanda estuda modelo de decrescimento econômico pós-pandemia

Com o fim do isolamento e o incentivo ao comércio, multidão faz fila para comprar tênis nos EUA

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *