O bicho tá pegando e não é hora de afrouxar a estratégia do isolamento social

Nos últimos dias, as ruas das cidades brasileiras começaram a ficar mais cheias de gente.

Despreocupadas com as consequências que o coronavírus podem trazer para a sua saúde e para o sistema hospitalar, as pessoas não apenas estão ignorando a recomendação do isolamento social, como estão exigindo o retorno das atividades comerciais.

No Brasil a situação é agravada pela ausência de um plano emergencial econômico que contemple não apenas os desempregados e trabalhadores informais como, também, os pequenos empresários. Todos eles estão desamparados e, no desespero, acabam indo às ruas e pressionando os governos locais pela reabertura das atividades.

Não é hora de afrouxar

Entretanto, o aumento do número de casos de infecção e mortes decorrentes da Covid-19 mostra que não é o momento de afrouxar o cinto.

De acordo com uma publicação de ontem da Folha de S. Paulo, os leitos de UTI reservados para o atendimento de pacientes infectados estão 80% ocupados. São Paulo ainda não chegou ao pico da doença e já está com esse quadro alarmante. A previsão é de que, no próximo mês, o ápice da doença atinja o estado.

Em Fortaleza, o bairro Meireles, localizado em uma área nobre da capital cearense, tem mais casos confirmados de Covid-19 do que outros 10 estados do Brasil. O G1, após averiguação com a Vigilância Epidemiológica do município, teve acesso à informação de que, até o último domingo, o bairro tinha 163 casos confirmados de infecção.

Somente no bairro Meireles há mais casos confirmados do que os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Acre, Roraima, Alagoas, Piauí, Sergipe, Rondônia e Tocantins, conforme boletim divulgado diariamente pelo Ministério da Saúde.

A explicação dada pelo gerente da Célula da Vigilância Epidemiológica de Fortaleza, Antônio Lima, para o fenômeno é que a maioria dos casos foi importada por pessoas que estavam em viagem ao exterior. 

Ele adverte que as duas próximas semanas serão cruciais para o município, no sentido de “oferecer a melhor assistência possível e sair do isolamento mais rápido de maneira gradual”.

Infelizmente o bicho tá pegando e o único modo de sair dessa antes, e com menos danos, é mantendo o isolamento social. #FiqueEmCasa

Talvez te interesse ler também:

Advogada alemã negacionista do coronavírus é internada em clínica psiquiátrica

Organização e Solidariedade: o que Paraisópolis nos ensina sobre contenção do coronavírus

O coronavírus segue ocultando a guerra na Síria, onde crianças são violentadas e usadas como iscas

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

A indústria da cura: existe um mercado explorando também a doença

A que se deve o sucesso da nova série documental da Netflix “A indústria da …