Tumores: 10 regras de ouro para se manter saudável comendo

regras para se manter saudável comendo

Fumar, um estilo de vida sedentário e uma dieta rica em produtos gordurosos, processados ​​e refinados são ruins para sua saúde, pois faz com que nosso corpo se torne particularmente vulnerável à doenças, especialmente o câncer.

Mas quais são os princípios que devem ser seguidos para ficar em forma e reduzir o risco de sérios problemas de saúde?

O Fundo Mundial para a Pesquisa em Câncer (WCRF), que trabalha na prevenção da doença através da pesquisa e da divulgação dos conhecimentos sobre as suas causas, produziu uma vasta obra sobre o assunto, destacando a relação entre os os hábitos alimentares e os tumores.

O estudo - realizado graças à valiosa contribuição de mais de 150 pesquisadores, epidemiologistas e biólogos de 50 prestigiados Centros de Pesquisa Internacionais - está disponível em www.dietandcancerreport.org, mas pode ser resumido em 10 pontos-chave.

1. Mantenha-se magro por toda a vida

com um índice de massa corporal, como determinado pela Organização Mundial de Saúde, entre 18,5 e 24,9.

Para calcular seu IMC basta dividir seu peso em quilogramas pela altura em metros, elevada ao quadrado.

Por exemplo, uma pessoa que pesa 70 kg e uma altura de 1,74 possui um IMC = 70 / ( 1,74 x 1,74 ) = 23,1, em ou seja, dentro da norma.

Lembre-se que as pessoas com sobrepeso se adoecem com maior freqüência de cânceres de mama, endométrio, rim, esôfago, intestino, pâncreas e vesícula biliar.

2. Faça algum exercício todos os dias

Na realidade, não precisa muito: basta simplesmente caminhar rapidamente pelo menos meia hora por dia. Depois, quando se sentir treinado o suficiente, deve-se aumentar gradualmente a intensidade do exercício, bem como a duração, em até uma hora de movimento.

Segundo a OMS, o uso de carros para ir trabalhar e o tempo gasto no sofá assistindo TV são as principais causas da obesidade entre adultos e crianças.

Estudos epidemiológicos têm mostrado que as pessoas sedentárias adoecem mais de cânceres de intestino, mama, endométrio e provavelmente (não totalmente confirmado por estudos), de pâncreas e pulmão.

3. Limite a ingestão de alimentos altamente calóricos e bebidas adoçadas

Entre eles, os alimentos refinados, pré-cozidos e semiprontos, que contêm quantidades elevadas de açúcar e gordura, tais como os vulgarmente servidos em restaurantes fast food.

Desfazendo um mito: é bom saber que de vez em quando se possa comer um monte de gordura ou alimentos açucarados, mas os refrigerantes devem ser mesmo evitados, porque eles fornecem um monte de calorias sem aumentar a sensação de saciedade.

4. Coma principalmente alimentos de origem vegetal

Como os cereais: arroz, milho, aveia, não refinados, e leguminosas em cada refeição, além de uma grande variedade de frutas e verduras sem amido (batatas não são consideradas verduras!).

5. Limite a ingestão de carne vermelha e produtos que contenham carne

Para aqueles que amam carne, de cordeiro, porco, vaca e vitelo - o consumo máximo recomendado é de 500 gramas por semana (cerca de 3 porções), enquanto se deve evitar todos os produtos feitos de carne, incluindo salsichas, presuntos e salames.

O hábito de comer carne vermelha, especialmente produtos feitos de carne, contribui para o aparecimento de câncer de intestino, mas, provavelmente, também de câncer de estômago, e - de acordo com os números mais recentes - são suspeitos de também contribuir para o câncer de esôfago, pâncreas, pulmão e próstata.

6. Limite a ingestão de bebidas alcoólicas

E para aqueles que simplesmente não podem viver sem uma bebidinha, a OMS recomendou a dose máxima diária: um pequeno copo de vinho (120 ml) para as mulheres e duas para os homens, apenas durante as refeições.

Nem todo mundo sabe que a quantidade de álcool contida em um copo de vinho é a mesma de uma lata de cerveja, um copo de destilado ou de licor!

O consumo frequente de bebidas alcoólicas está associado aos cânceres da cavidade oral, faringe, laringe, intestino, fígado e mama.

7. Limite a ingestão de sal

(não superior a 5 g por dia) e alimentos preservados em sal. É importante evitar a ingestão de alimentos contaminados com fungos (especialmente cereais e leguminosas) e é sempre bom verificar o bom estado de conservação dos produtos, evitando a mantê-los em ambientes quentes e úmidos, onde proliferam os fungos.

O alto consumo de sal e alimentos salgados estão associados ao câncer de estômago; o uso elevado de cálcio é uma causa provável de câncer de próstata, enquanto o consumo de cereais e leguminosas contaminados por fungos são responsáveis ​​por câncer do fígado.

8. Comer de tudo um pouco

Comer de forma mais variada possível, sem assumir suplementos vitamínicos: o consumo de comprimidos contendo o beta-caroteno em doses elevadas, provoca o aumento da incidência de câncer de pulmão em fumantes.

9. Amamentação

Amamentar seus filhos por pelo menos seis meses fornece uma ferramenta essencial para fortalecer seu corpo e torná-lo menos vulnerável quando adulto. A amamentação, na verdade, reduz o risco de câncer de mama e talvez também no ovário para a mãe que amamenta, enquanto diminui o risco de obesidade na idade adulta, para a criança que é amamentada.

10. Para aqueles que já estão doentes

Embora exista uma vasta literatura sobre o assunto, a OMS recomenda seguir estas dicas também aqueles que já estão sofrendo de câncer.

E os produtos lácteos?

No setor do leite e produtos lácteos e, em geral, sobre as gorduras derivadas de animais, os estudos são muito contrastantes e, certamente, não definitivos: o consumo de leite parece reduzir o câncer do intestino, mas seria aumentado com o consumo de queijo.

De modo geral, um elevado consumo de gorduras aumentaria sejam os tumores pulmonares que os tumores da mama.