Bebês nascem altruístas, dispostos a dividir comida. Uma sociedade mais justa é possível, revela estudo

Muitos acreditam que crianças podem ser bem egocêntricas e pensarem apenas nas próprias necessidades, tendo em vista que elas estão em fase de aprendizado, e a generosidade é algo adquirido com o passar dos anos. Porém um estudo indica que esse comportamento pode se manifestar de modo precoce.

Pesquisadores do Instituto de Aprendizagem e Ciências do Cérebro da Universidade de Washington – I-LABS- fizeram um experimento com mais de 100 crianças de 19 meses para verificar se elas tinham capacidade de ajudar outras pessoas em uma área vital: comida.

Os estudiosos selecionaram algumas frutas e promoveram uma interação entre a criança e pesquisador para determinar se a criança daria espontaneamente um alimento a uma pessoa desconhecida, mesmo que estivesse com fome.

A grande descoberta foi que os bebês, em sua maioria, se dispuseram a ceder o alimento, mostrando um comportamento altruísta. Fatores como quantidade de irmãos e origens culturais podem determinar o grau de altruísmo.

Tais descobertas sugerem ainda que experiências sociais precoces podem determinar o grau de generosidade da criança.

Um dos principais autores do estudo, Rodolfo Cortes Barragan avalia que esse estudo pode ajudar na descoberta de como promover o altruísmo nas crianças, e isso poderá levar a criação de uma sociedade mais justa. 

Que amor!!!!

Talvez te interesse ler também:

Este professor explica às crianças como se defenderem de uma tentativa de sequestro

‘Mamãe, quero morrer’: o terrível choro do menino vítima de bullying

Diga não ao excesso de lição de casa para as crianças: é contraproducente e prejudicial

Fonte foto

Sobre Cintia Ferreira

Cintia Ferreira
Paulistana formada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro, tem o blog Mamãe me Cria e escreve para GreenMe desde 2017.

Veja Também

Criança de maquiagem: permitir ou proibir? Quais são os riscos?

Pode parecer inofensiva a ideia de meninas pequenas se maquiarem, afinal de contas, muitas mulheres …