Em Paris, o romântico “Muro do eu te amo”, em todas as línguas do mundo, une casais (e povos)

Paris é a capital internacional do romantismo. Casais apaixonados de todo o mundo vão para a Cidade Luz vivenciar esse clima de amor e paixão.

Onde mais poderia haver um “muro do eu te amo” senão na cidade mais romântica do mundo?

Os artistas Frédéric Baron e Claire Kito são os responsáveis pela criação de um muro de 10 m x 4 m onde está inscrita a expressão “eu te amo” em mais de 310 línguas.

Tudo começou quando Baron pediu aos seus vizinhos estrangeiros que escrevessem “eu te amo” em suas línguas nativas em folhas que ele carregava consigo. Nelas, ele registrava, também, o país, a língua, a pronúncia e a transcrição fonética em francês. Foi assim que Baron descobriu várias curiosidades linguísticas, como nos países magrebinos haver mais de 5 formas diferentes de dizer “eu te amo”.

A partir desse acervo pessoal, nasceu, em 2000, a ideia de torná-lo um mural público. Agregaram-se ao projeto Claire Kito, especialista em caligrafia oriental, e Daniel Boulogne, artista especializado em murais, para dar vida ao trabalho “Le mur des je t’aime“, na Place des Abbesses, em Montmartre, o bairro icônico dos boêmios e casais enamorados.

O muro é composto de 612 azulejos azuis sobre os quais está escrito “eu te amo” em diversas línguas, em branco, e pedaços de azulejo, em vermelho, simbolizando os corações partidos da humanidade.

View this post on Instagram

❤️

A post shared by @ juliagonzaleez on

View this post on Instagram

Weekend in Paris

A post shared by BEN & KASSIE PHOTOGRAPHY (@benandkassie) on

Um muro que não divide, mas une, por simbolizar o amor, a paz, os encontros. Mais do que ser um símbolo do romantismo, o “Muro do eu te amo” representa o ideal de não separação entre pessoas e povos, tão em voga nos últimos tempos.

Talvez te interesse ler também:

Muito amor! Quem foi São Valentim, o padroeiro dos namorados

Tecelões-sociáveis: os pássaros arquitetos que constroem os maiores e mais complexos ninhos do mundo

Festa do amor próprio: a grande gala para celebrar a vitória de mulheres que sofreram

É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Instagram
Siga no Facebook