/segredos-para-ser-feliz/8429-feridas-emocionais-da-infancia

As feridas emocionais da infância por trás do drama adulto. Como superar traumas

  • atualizado: 
ferida emocional

É muito comum o ser humano carregar traumas de infância. Esses traumas, quando não são bem assimilados, acabam se tornando feridas emocionais que repercutem de forma negativa por toda a vida adulta.

Os pais têm um papel muito importante na vida do ser humano que colocaram no mundo, por isso, a relação e a educação que se dá a um filho, pode influenciar e determinar toda a trajetória de vida deles. Os pais precisam estar cientes de que os exemplos que dão, através de seus comportamentos e atitudes, serão modelos para seus filhos. Quanto mais harmonia, disciplina, diálogo e compreensão existir entre pais e filhos, mais o amor se expressará na vida deles. Caso contrário, poderão surgir os assim chamados traumas de infância.

Neste conteúdo serão apresentados os principais deles. Confira para identificar se você carrega algumas das feridas emocionais que serão listadas a seguir.

Os principais traumas da infância

Os traumas ou as feridas emocionais de uma pessoa, em grande parte, têm suas raízes na infância e se propagam na vida adulta. Por exemplo:

Abandono Emocional

Quando a criança é privada da companhia de seus pais ou foi abandonada por eles, essa pessoa na vida adulta tenderá a manifestar o efeito dessa carga emocional, tendo baixa auto-estima, insegurança e não se sentindo merecedora de ser amada e, até, desenvolvendo depressão ou o medo do abandono.

Tudo isso pode vir a acontecer devido à várias causas como:

Quando a mãe ou o pai não foram presentes na vida do filho, por não poderem ou não quererem cuidar dele. Falta dos pais passarem segurança, confiança e proteção para o filho, principalmente em situações sujeitas à medos e perigos, como exemplo: crianças que são deixadas trancadas e sozinhas em casa, por muito tempo.

Em todas essas circunstâncias, essas crianças terão a propensão de crescer com medo de serem abandonadas novamente, manifestarem complexo de inferioridade ou rejeição, terem fragilidade emocional e falta de amor próprio.

Violência

A criança que apanhou muito dos pais na infância pode acabar por desenvolver grande agressividade e comportamento hostil e violento.

Crianças submetidas à castigos físicos ou psicológicos podem se tornar adultos inseguros e com dificuldades de lidar de forma satisfatória com os desafios e problemas da vida e, o pior de tudo, poderão na fase adulta reproduzirem atitudes violentas como receberam na infância, tornando-se pessoas duras, frias, insensíveis e rudes.

Isso poderá resultar em adultos difíceis que não saberão se relacionar com os outros, arrumando brigas, desavenças e conflitos em várias áreas de suas vidas.

Chantagens emocionais

Por vezes, os pais chantageiam o filho pequeno para ele parar de desobedecer ou chorar, como por exemplo: "Vou comprar tal coisa se você parar de fazer isso e se comportar direitinho" ou "Vou deixar de gostar de você se não fizer o que estou mandando".

Esse tipo de conduta pode levar a criança a associar que se resolve as coisas na base do: "Se me der eu faço", sempre querendo algo em troca, para fazer o que na prática é necessário, independente de ter reconhecimento ou algum ganho.

Crescendo com esse tipo de condicionamento, essa criança poderá virar um adulto chantagista, oportunista e interesseiro ou o tipo de pessoa que quer sempre bancar a agradável, boazinha e certinha para obter aprovação dos outros, como lhe fora ensinado na infância.

Mentiras

Outro problema que os pais podem incutir na criança é fazer promessas falsas ou mentir para obter o bom comportamento e obediência delas.

Nem sempre o caminho mais fácil é o melhor, pois, com essa conduta dos pais, de não cumprir as promessas ou mentir, a crianças retém isso na memória carregando em si frustração, desconfiança e pessimismo com relação às pessoas, além de também correr o risco de se tornarem adultos mentirosos.

Medo do desconhecido

Tem pais que forçam os filhos à perderem o medo de algo, acham que agindo assim os tornarão corajosos.

O fato é que essa atitude dos pais poderá desencadear um grande trauma, ao ponto dos filhos se tornarem adultos temerosos, presos à zona de conforto para não se arriscarem em nada que seja desconhecido e novo. Além do mais, várias fobias nascem dessa pressão dos pais para seus filhos encararem aquilo que têm medo, sem dar um tempo para eles se prepararem e superarem o medo naturalmente.

Ansiedade da separação

A separação abrupta ou de forma conflituosa dos pais ou o filho ser distanciado deles na infância tenderá à torná-lo um adulto frágil, complexado, triste, tímido, carente de afeto e submisso.

Humilhação

Existem famílias que carregam um padrão de conflito e desarmonia muito grande, passado de geração em geração e, neste contexto, pode ser comum pais viverem gritando e humilhando seus filhos, gerando muitos complexos, medos, raiva, ressentimento e contribuindo para se tornarem adultos amargurados, insatisfeitos e revoltados; ou, em contrapartida, para evitarem passar pelo que viveram na infância, se tornem tiranos e opressores.

Injustiça

É possível no ambiente familiar, os pais privilegiarem mais um filho do que outro, e isso poderá refletir na vida adulta daquele que foi discriminado e diminuído, trazendo uma sensação de ter sido injustiçado; além disso, poderá se tornar uma pessoa vingativa querendo compensar as injustiças sofridas; ou, sendo muito crítica, comparando e julgando os outros, assim como o que ela viveu na infância.

Excesso de proteção

O inverso de todos os casos anteriores também pode trazer à tona feridas emocionais e isso é o caso do excesso de proteção e mimos dos pais para com o filho, transformando essa criança em um adulto dependente, dengoso, indefeso e com dificuldade de lidar com as adversidades da vida.

Como superar as feridas emocionais da infância

Existem fatos do passado que não são possíveis mudar, mas a boa notícia é que podem ser ressignificados, mudando a maneira como lidamos com os mesmos.

Se assim não o fizermos, os sofrimentos da infância continuarão a doer na vida adulta, gerando tristeza, dor emocional, fracassos e maus relacionamentos.

É importante tomar consciência desses traumas para saber lidar com os mesmos e superá-los. Não podemos mudar o que passou, mas podemos modificar o que está por vir, compreendendo e dando um novo sentido às nossas vivências do passado e cuidando da nossa criança ferida, que ainda insiste em reviver o que já passou. Por isso, a importância de transformarmos nosso presente no momento de superação desses traumas. Como por exemplo:

Se a criança...

Foi injustiçada, que o adulto faça justiça a si mesmo, se valorizando e se amando.

Sofreu abuso e violência, que o adulto se trate com compaixão e desenvolva o amor em sua vida, se dedicando à alguém ou algo que possa expressar esse amor.

Foi discriminada, enganada, chantageada e humilhada, como adulto, recupere sua integridade, desenvolvendo o respeito por si mesmo, se autoconhecendo, sendo honesto consigo mesmo.

Recebeu excesso de mimos e proteção, ao se tornar um adulto, reverta essa situação, fortalecendo e estruturando sua individualidade e tendo maior autonomia e independência.

Por fim, se você carrega um trauma de infância, chegou a hora de curar sua criança ferida! Dê a si mesmo aquilo te faltou na infância e seja um adulto mais feliz! Talvez você precise de um psicólogo que te ajude nesse caminho. Se assim for, com certeza será tempo e dinheiro bem investidos.

Talvez te interesse ler também:

MATURIDADE EMOCIONAL-PSICOLÓGICA: O QUE É E COMO CONSEGUIR?

ESTOICISMO, A FILOSOFIA DO VIVER EM PAZ. 10 ENSINAMENTOS PARA A VIDA

PATHWORK, O TRABALHO DO CAMINHO QUE NOS LIBERTA DAS MÁSCARAS SOCIAIS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!