Ano Novo com Dinheiro no Bolso: Dicas para Economizar no Dia a Dia

  • atualizado: 

Agora que 2018 verdadeiramente começou já dá para ser mais realista. Longe do burburinho das festas e da ilusão das resoluções de Ano Novo é possível identificar racionalmente o que precisa ser melhorado. O que você quer esse ano? Certamente já pensou que quer ter “muito dinheiro no bolso, saúde para dar e vender”, mas o que tem feito, de fato, a respeito disso?

Essa é uma pergunta que deve ser constante o ano todo, e pode fazer toda a diferença na hora de conferir o sucesso ou fracasso das resoluções estipuladas.

Por exemplo, o que dá para fazer para economizar mais no dia a dia?

Ter mais dinheiro talvez seja um dos principais objetivos da maioria das pessoas, mas como fazer para chegar lá?

Algumas propostas, embora tentadoras, como jogar na loteria, costumam ser apenas ilusões na trajetória. Para que o novo entre na vida de cada um com toda força é preciso arregaçar as mangas e agir.

Quer ver como? Confira abaixo dicas de economia que vão mudar sua vida financeira.

1. Pare de fumar

Além de ser altamente prejudicial à saúde – o que é mais do que comprovado – o hábito do tabagismo também é uma péssima escolha para o bolso.

Além do vício em si, o cigarro é um item caro, e representa 1,08% do orçamento mensal das famílias brasileiras, de acordo com Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Pode parecer pouco, mas isso representa um gasto três vez maior que o da batata e 13,5 superior ao do cafezinho. O cigarro é um item intensamente taxado em termos de impostos, representando uma variação entre 75% e 88% do preço final do produto.

2. Diga adeus ao cartão de crédito

O cartão de crédito representa uma breve ilusão financeira, que logo passa quando chega a fatura do mês.

Ter esse item tão comum faz as pessoas gastarem mais, tendo em vista a facilidade e A praticidade na hora do consumo. No entanto, não são poucos os casos de endividados que comprometem a renda com gastos no crédito.

Caso não queira eliminar, pelo menos coloque-o longe do alcance por alguns meses.

3. Pare de desperdiçar alimentos

Além de fazer mal para o meio ambiente, tendo em vista que alimento, água, e toda cadeia produtiva são desperdiçadas com esse mau hábito, o subaproveitamento dos alimentos encarece os gastos no fim do mês. Basta lembrar daquele arroz caro, ou do feijão que só aumenta de preço e associar isso a uma refeição que vai toda para o lixo.

Se puder, opte por comidas orgânicas e pesquise formas de aproveitar todas as partes dos alimentos, como cascas e sementes.

4. Não compre por impulso

Essa armadilha financeira deve ser evitada a todo custo. Todo gasto deve ser bem pensado. Dinheiro não é fácil de ganhar, por isso é importante saber avaliar se aquele item é mesmo necessário.

Quem não faz esse raciocínio geralmente acumula coisas que nunca usou ou viu que não era “igual ao da loja”. Evite isso.

Leia mais: COMPRAR COMPULSIVAMENTE: CAUSAS, SINTOMAS E REMÉDIOS

5. Saiba vender o que não precisa mais

Alguns itens que podem não significar mais nada para uns, podem ser necessários para outros. Desde que em bom estado, grande parte dos objetos, roupas, calçados, móveis, entre outros, pode ser vendidos online (ou doados se preferir e puder, ao menos isso serve como arrumação da casa e da cabeça e para ver a quantidade de inutlilidades que compramos por impulso). 

6. Livre-se das tentações

A caixa de entrada do e-mail pode ser uma grande armadilha financeira. Isso por que existem muitas ofertas de lojas online.

Se você sabe que tem uma “queda” por óculos escuros, jamais assine newsletters relacionadas, pois corre o risco de cair em tentação.

7. Beba menos

Não precisa, necessariamente, nunca mais beber um gole de cerveja ou vinho, mas é essencial saber moderar, pois além de fazer mal para a saúde, a bebida alcoólica é uma vilã do bolso.

Não acredita? Economizando no happy hour, dá para juntar uma quantia de até R$ 14 mil, em oito meses, por exemplo. É o que fez este empresário de Suzano, o Sr. Nailton Azevedo da Silva. 

8. Pequenos gastos são vilões

O lanchinho que você faz na rua, o cafezinho, o brinquedinho que a criança pede. Tudo isso pode não representar na hora, mas no fim do mês dá um volume considerável no orçamento. Por isso é importante evitar, ao máximo, esses pequenos gastos, ou pelo menos tê-los bem planejados.

9. Escolha aonde ir passear

Evidentemente, todo mundo precisa esparecer, de vez em quando. Mas opte, se puder, na hora de querer sair de casa para passear, por ambientes mais econômicos e deixe os caros para ocasiões especiais. Um passeio no parque pode ser tão divertido quanto levar a criançada no shopping. E esse é só um exemplo.

10. Aprenda a reaproveitar e a consertar as coisas

Existem reparos domésticos que não precisam de um especialista, apenas de boa vontade dos moradores – ou mesmo cursos e tutoriais grátis na internet. Consertar uma calça rasgada, instalar um chuveiro, tudo isso pode ser feito por quem mora na casa.

11. Evite os gastos absolutamente supérfluos

Roupas de festas – que só serão usadas uma vez e podem ser alugadas por exemplo -, assinatura de jornais e revistas e até mesmo a faxina da casa são coisas que podem ser cortadas do orçamento facilmente. 

12. Graninha extra

Aprenda a pensar fora da caixinha. Ter uma renda confortável é um objetivo comum, mas são poucos os que investem em atividades que podem render dinheiro extra, e que estão fora dos limites do trabalho formal. Se você sabe fazer algo bem, que tal tentar ganhar uma graninha extra com isso?

13. Reconheça as oportunidades e aproveite

Existem formas de economizar que estão escondidas no universo de bens de consumo de cada dia. Você utiliza, por exemplo, os pontos acumulados do seu cartão de crédito? Ou os sites de descontos? Já pensou em comprar alguns itens mais caros, como eletrônicos, fora do país? Ainda tem preconceito com remédios genéricos? Esses são alguns exemplos que podem gerar boas economias.

14. Otimize o pagamento e priorize

Tenha o hábito de pagar as contas, assim que receber seu salário. Isso evita que você “desvie” o dinheiro para outras funções e otimiza o seu tempo. Caso tenha muitas dívidas, elas devem sempre ser prioridade na hora do pagamento. Os endividados devem saber disso!

15. Aprenda a poupar

Todo economista fala isso, e não é à toa. Poupar é tão importante que até existe o Dia Mundial da Poupança. Poupar é um hábito que vai fazer sua economia financeira dar um salto nas alturas. Crie o hábito de guardar uma porcentagem do seu salário e se comprometa com isso, como se o ato fosse mais uma dívida a ser paga.

16. Estipule o costume de falar de dinheiro em casa

Educação vem de casa. E a financeira também. Aprenda a falar disso com as crianças para que elas saibam, desde cedo, a importância da economia financeira para uma boa qualidade de vida.

17. Anote tudo

A organização pode mudar sua visão sobre finanças. Basta colocar no papel todos os gastos do mês para se surpreender com o excesso de dinheiro que está indo para o ralo. Crie o costume de anotar tudo o que precisa pagar, quais as porcentagens que pretende destinar para cada coisa e aprenda que as despesas são sempre arrendondadas para mais e a renda para menos.

Leia mais: KAKEBO, O MÉTODO JAPONÊS PARA APRENDER A ECONOMIZAR

18. A compra do supermercado

Para muitas famílias, este item é o que mais pesa no orçamento familiar. Existem dicas até para a hora de ir ao supermercado e não comprar mais do que precisa, caindo em tentações feitas de propósito pelos supermercados para venderem mais.

Leia aqui: 5 ARMADILHAS DOS SUPERMERCADOS E 5 ESTRATÉGIAS PARA EVITÁ-LAS

19. Aprenda a valorizar as coisas simples da vida

Restaurantes caros, marcas, produtos importados, tudo isso gera muito mais status do que felicidade, de fato. Eles até podem gerar um bem-estar instantâneo, mas o que dura mesmo são os momentos de afeto entre as pessoas. E isso não precisa de dinheiro, apenas de uma nova forma de ver a vida.

20. Saiba que alguns gastos sempre serão prioridade

Com saúde não se brinca. Educação é fundamental. Esses são alguns dos itens que devem constar na planilha de orçamento como “essenciais” sempre. Por eles você terá que gastar mais mesmo, não tem jeito. No entanto saiba que esse dinheiro, certamente, está sendo bem investido.

21. Tenha uma reserva de emergência

Ninguém está livre de passar por problemas financeiros, de saúde, ou mesmo tragédias. Embora seja assustador pensar em tudo isso, é importante se resguardar financeiramente para situações fora do controle. Tenha sempre uma reserva de emergência.

22. Moeda também é dinheiro

Não descarte as moedas que recebe constantemente. Guarde-as em um cofre ou troque por cédula, quando tiver um montante considerável.

23. Estipule metas

Com objetivos claros, fica mais fácil agir. Por isso saiba o que pretende fazendo essa economia financeira. Uma viagem no fim de ano? Um curso? Essas metas ajudam a tornar mais fácil -e mais real – o hábito de economizar dinheiro.

24. Faça você mesmo

Além de consertar coisas em casa, limpar, etc, o "faça você mesmo" pode fazer um bem enorme para a saúde financeira, além da saúde mental. Você mesmo pode fazer em casa desde cremes antirrugas, cosméticos em geral, aromatizadores para o ambiente, produtos de limpeza, brinquedos para os filhos e até mesmo móveis para casa, reciclando ou reutilizando materiais que iriam para o lixo. Aqui em nosso site, temos muitas dicas a respeito.

25. Consumo consciente, minimal

Menos é mais. Muito além de ser um princípio básico do minimalismo, esse conceito vai te fazer economizar muito, pode acreditar. Ninguém precisa de tantas coisas, um armário lotado de roupas e sapatos. Reconsidere a ideia preconcebida de que só o que é caro é de qualidade e pense no quanto o meio ambiente sofre com tanto lixo acumulado, gás carbônico emitido por tanta demanda na produção, compras por impulso, etc.

Você vai perceber muito rapidamente que o consumo desenfreado prejudica não somente o bolso, mas também o planeta, como um todo.