O último homem do povo Juma: Amoim Aruká, vítima da Covid-19

O último homem do povo Juma: Amoim Aruká, vítima da Covid-19

O guerreiro Amoim Aruká morreu ontem, no hospital da capital de Rondônia, vítima da Covid-19. Ele era o último homem do povo Juma, pertencente a um conjunto de povos falantes da família lingüística Tupi-Guarani denominado Kagwahiva.

Estudiosos acreditam que no século XVIII, os Juma somavam de 12 a 15 mil índios, mas após sucessivos massacres e perda da terra pela expansão extrativista, foram reduzidos a poucas dezenas.

Em 2002 restavam apenas cinco indivíduos: um pai com suas três filhas e uma neta.

Hoje sobrevivem três mulheres, mãe e duas filhas, Aramina, Enontei e Txiaru, conforme conta Felipe Milanez, professor do IHAC da Universidade Federal da Bahia, em sua página do Twitter.

De acordo com registros históricos, o povo juma migrou da região do Alto Tapajós para as proximidades do Rio Madeira, na região do Purus.

Durante essa jornada é provável que muitos deles tenham ficado pelo caminho e que por isso também exista grupos Kagwahiva vivendo isolados.

Atualmente, os Juma habitam a região do Rio Açuã, próximo à cidade de Lábrea, ao sul do estado do Amazonas, território situado no município de Canutama-AM.

Os dados históricos comprovam que houve massiva tentativa de utilizar a mão-de-obra nativa na região, o que fomentou enormes conflitos. E os povos que recusavam a submissão e a escravidão, foram massacrados e obrigados a fugir em longas jornadas pelo território amazonense.

Esses conflitos levaram a extinção de grupos inteiros e a dizimação do povo Juma.

Várias lideranças indígenas se manifestaram nas redes sociais, desoladas, inclusive Sonia Guajajara, conforme publicação no Twitter.

As filhas do indígena Aruká Borehá, Maitá e Mandeí, publicaram uma mensagem ao pai e líder indígena:

“Nosso pai lutou muito, foi um guerreiro, e sua luta nós vamos continuar”.

A Coiab, a Apib e o Opi divulgaram uma Nota conjunta de pesar intitulada “A devastadora e irreparável morte de Aruká Juma”, para ler acesse este link.

Talvez te interesse ler também:

O inimigo invisível que devastou uma aldeia inteira na Amazônia

O guaraná da TI Andirá-Marau é a primeira Denominação de Origem dada a um povo indígena

Covid-19 avança entre indígenas que trabalham em frigoríficos, verdadeiras “fábricas” de contaminação

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *