©Alberto Restifo/Unsplash

Nanoplástico tóxico encontrado pela 1ª vez em ambos os pólos da Terra

Nanoplástico tóxico encontrado pela 1ª vez em ambos os pólos da Terra

Agora é fato. O plástico está em todo lugar da Terra, do Everest ao Ártico. Mas o alarme é ainda pior, pois estamos falando de NANOPLÁSTICO, uma forma de plástico muito menor em tamanho, mas muito maior em toxidade. 

Nanoplásticos foram encontrados em quantidades significativas em amostras de gelo dos pólos norte e sul, em um estudo desenvolvido por 3 universidades europeias (Utrecht University, University of Copenhagen e Université Libre de Bruxelles) e publicado na Environmental Research.

“Agora sabemos que os nanoplásticos são transportados para esses cantos da Terra nessas quantidades. Isso indica que os nanoplásticos são realmente um problema de poluição maior do que pensávamos”, disse o principal autor do estudo, Dušan Materić, do Instituto de Pesquisa Marinha e Atmosférica de Utrecht (IMAU), em um comunicado à imprensa.

O que são nanoplásticos e por que são perigosos?

Nanoplásticos são plásticos menores que um micrômetro, difíceis de detectar e de estudar, e muito ativos toxicologicamente.

Eles causam poluição entrando nos ecossistemas naturais através de várias fontes, que podem ser primárias: cosméticos, roupas, processos industriais, etc. E secundárias, que resultam da degradação do plástico (sacolas, garrafas, redes de pesca, pneus, etc).

Ambos os tipos de microplástico (primário ou secundário) persistem no meio ambiente em altos níveis, pois se degradam lentamente ao longo de centenas a milhares de anos, principalmente em ecossistemas aquáticos e marinhos, onde causam grande poluição da água e de toda a cadeia alimentar aquática.

Assim, o plástico acaba por se acumular nos corpos e tecidos de muitos organismos, e os efeitos a longo prazo dessa intoxicação, ainda não são totalmente conhecidos.

Mas não é só das águas que nos intoxicamos de plástico. Nos ecossistemas terrestres o problema é ainda pior ou maior.

O estudo

Novos métodos foram usados para medir a poluição nanoplástica nos pólos norte e sul da Terra. Os pesquisadores retiraram amostras de gelo de 14 metros de profundidade de calotas de gelo da Groenlândia e do gelo marinho do Estreito de McMurdo da Antártica, de acordo com o The Guardian.

Assim,  eles descobriram que havia uma média de 13,2 nanogramas por mililitro de nanoplásticos no gelo da Groenlândia e uma média de 52,3 nanogramas por mililitro no gelo da Antártica.

O dado mais surpreendente que a pesquisa revelou não foi a quantidade de nanoplástico encontrada nesses lugares remotos e gelados da Terra, mas o  tempo que ele permaneceu ali.

“No núcleo da Groenlândia, vemos a poluição por nanoplásticos acontecendo desde a década de 1960. Assim, os organismos naquela região, e provavelmente em todo o mundo, foram expostos a eles há algum tempo”, disse Materić.

Como o plástico chegou a esse lugares remotos?

Os pesquisadores acreditam que as minúsculas partículas plásticas chegaram à Groenlândia viajando com o vento, e na Antártica através das correntes oceânicas.

Alguém tem dúvidas de que esse problema é irreversível?

Talvez te interesse ler também:

O efeito das ações humanas no planeta é devastador e irreversível, revela ONU

Europa proíbe mas poluição por plástico já é quase irreversível, diz estudo

8º continente: um novo continente para limpar a Terra do plástico 

Plástico pandêmico: 26 mil toneladas de lixo da Covid poluindo os oceanos do mundo

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.