Campanha global pelo fechamento dos mercados de animais vivos. Assine a petição

A Animal Equality acaba de lançar uma campanha global pedindo à ONU para fechar todos mercados de animais vivos no mundo inteiro.

A organização internacional, dedicada a acabar com a crueldade na indústria pecuária, alerta para o fato de que esses locais são focos de transmissão de doenças e ameaçam a saúde humana, além de se constituírem em uma fonte de sofrimento extremo para os animais.

O vídeo da campanha lembra que a expressão “wet market” (ou “mercados úmidos”, em tradução literal) é uma referência às condições desses ambientes, onde o sangue de animais recém-abatidos está em toda a parte, espalhado pelo chão, misturando-se a escamas, penas, vísceras, ossos e outros tipos de sujeira e restos.

Em seu apelo, e respaldada por cientistas, a Animal Equality lembra também que foi em mercados desse tipo que se originaram os principais surtos de doenças dos últimos anos, como a SARS e a MERS, além da atual pandemia da Covid-19 – que, embora ainda não se possa afirmar com certeza, ao que tudo indica, nasceu no Mercado de Wuhan, na China.

Nas imagens – gravadas em mercados chineses, indianos e vietnamitas – animais domésticos e selvagens dividem espaços ínfimos, são armazenados em condições insalubres, em jaulas apertadas e sujas. Essa proximidade, além do contato das pessoas com os fluidos gerados pelos abates, cria, na palavra dos especialistas, uma espécie de via-expressa para que vírus presentes nos organismos de animais selvagens rompam as fronteiras das espécies e disseminem-se entre seres humanos.

Atenção: imagens perturbadoras. Vídeo desaconselhado à pessoas sensíveis

“Se você pega animais selvagens e os coloca no mercado com animais domésticos ou outros animais, onde há uma oportunidade de um vírus saltar espécies, você está criando … uma superestrada para que vírus passem do selvagem para as pessoas. Não podemos mais fazer isso. Não podemos mais tolerar isso. Quero que o mercado de animais selvagens seja fechado, declarou à CBS o especialista em doenças infecciosas, Dr. Ian Lipkin, epidemiologista da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

Assine a petição

Para assinar a petição da Animal Equality pelo banimento dos mercados de animais vivos, clique AQUI.

Talvez te interesse ler também:

Pura crueldade: China permite uso de bile de urso para tratamento da Covid-19

O apetite chinês por carne fresca e o coronavírus alimentam a nossa hipocrisia

Consumo de carne e doenças: mais um motivo para rever seus hábitos alimentares

Fonte foto: Animal Equality

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

Vitória: camelos e cavalos são proibidos como meio de transporte no Egito

Boas notícias para o mundo vivo! Parece que alguns países ainda insistem em ter animais …