Nobel do meio ambiente: 5 mulheres e 1 homem são os ativistas premiados em 2021

Nobel do meio ambiente: 5 mulheres e 1 homem são os ativistas premiados em 2021

Heróis da Terra: pessoas que se distinguem por lutarem pela vida no planeta merecem ser premiadas. É isso que faz o Goldman Environmental Prize. Conheça os vencedores deste ano.

O Goldman Environmental Prize é conhecido como “prêmio Nobel do meio ambiente”. Os premiados são heróis escolhidos nas regiões continentais da Terra: África, Ásia, Europa, Ilhas e Países Insulares, América do Norte e Américas do Sul e Central.

O prêmio é um reconhecimento à algumas pessoas que, com grandes esforços e muitas vezes colocando suas próprias vidas em risco, buscam proteger a vida na Terra,

Por meio deste reconhecimento, o prêmio busca também inspirar outras pessoas a realizarem ações em prol da vida em comum, inspirando todos nós a agirmos para proteger nosso planeta.

Além de reconhecimento e instrução (capacitação e networking), os premiados também recebem apoio financeiro para perseguirem em seus projetos.

O troféu é um Ouroboros feito de bronze. O Ouroboros é uma serpente que morde a própria cauda, representando os ciclos da vida, a eternidade e o poder de renovação da natureza.

Em 2021, os premiados são 5 mulheres e 1 homem.

A defesa do meio ambiente é cada vez mais feminina. Não à toa existe o termo ecofeminismo e não à toa a natureza é mãe!

Os premiados 2021 são:

  • Sharon Lavigne, dos Estados Unidos
  • Liz Chicaje Churay, do Peru
  • Gloria Majiga-Kamoto, do Malaui
  • Thai Van Nguyen do Vietnam
  • Maida Bilal da Bósnia
  • Kimiko Hirata do Japão

Todas essas pessoas são

“líderes com potencial para inspirar outras pessoas comuns a realizarem ações extraordinárias para proteger a Terra.”

Conheça o trabalho de cada um deles:

Sharon Lavigne: combatendo a poluição por plástico

Em setembro de 2019, Sharon Lavigne, uma professora de educação especial que se tornou defensora da justiça ambiental, interrompeu com sucesso a construção de uma fábrica de plásticos de US$ 1,25 bilhão ao longo do rio Mississippi em St. James Parish, Louisiana.

Lavigne mobilizou oposição popular ao projeto, educou membros da comunidade e organizou protestos pacíficos para defender sua comunidade predominantemente afro-americana.

A fábrica teria gerado um milhão de libras de resíduos líquidos perigosos anualmente, em uma região que já luta contra agentes cancerígenos e poluição tóxica do ar.

Liz Chicaje Churay: protegendo a floresta e seus povos

Em janeiro de 2018, como resultado dos esforços de Liz Chicaje Churay e seus parceiros, o governo peruano criou o Parque Nacional Yaguas. Comparável em tamanho ao Parque Nacional de Yellowstone, o novo parque protege mais de dois milhões de acres da floresta amazônica na região nordeste de Loreto.

Sua criação é um passo fundamental na conservação da biodiversidade do país – salvaguardando milhares de espécies raras e únicas de vida selvagem e conservando turfeiras ricas em carbono – e protegendo os povos indígenas

Gloria Majiga-Kamoto: contra o plástico descartável

Preocupada com os danos ambientais causados pela crescente poluição por plásticos no Malaui, Gloria Majiga-Kamoto lutou contra a indústria de plásticos e engajou um movimento popular em apoio à proibição nacional de plásticos finos (plástico filme), um tipo de plástico descartável.

Como resultado de sua campanha dedicada, em julho de 2019, o Tribunal Superior do Malaui manteve a proibição da produção, importação, distribuição e uso de plásticos finos.

Este é o primeiro prêmio do Malaui.

Maida Bilal: contra hidrelétrica em sua região

Maida Bilal liderou um grupo de mulheres de sua aldeia para um bloqueio de 503 dias de equipamentos, o que resultou no cancelamento de licenças para a contracto de duas barragens propostas no rio Kruščica em dezembro de 2018.

Os Bálcãs são o lar dos últimos rios de fluxo livre em Europa. No entanto, uma grande hidrelétrica na região ameaça danificar irreversivelmente milhares de quilômetros de rios cristalinos.

Este é o primeiro Prêmio da Bósnia e Herzegovina.

Thai Van Nguyen: salvando os pangolins da extinção

Thai Van Nguyen fundou a Save Vietnam’s Wildlife, que resgatou 1.540 pangolins do comércio ilegal de animais selvagens entre 2014 e 2020.

Nguyen também cria a primeira unidade anti-caça furtiva do Vietnã, que, desde 2018, destruiu 9.701 armadilhas para animais, desmantelou 775 campos ilegais, confiscou 78 e prendeu 558 pessoas por caça furtiva, levando a um declínio significativo nas atividades ilegais no Parque Nacional Pu Mat.

Os pangolins são os mamíferos mais traficados do mundo, apesar da proibição do comércio internacional.

A grande demanda por sua carne, escamas e sangue ameaça os pangolins de extinção; todas as oito espécies de pangolim estão na Lista Vermelha da IUCN.

Kimiko Hirata: cancelando usinas de carvão

Depois do desastre nuclear de Fukushima em 2011, o Japão foi forçado a abandonar a energia nuclear mas, em seu lugar, abraçou o carvão como importante fonte de energia. Como se sabe o carvão é uma fonte não renovável e uma das maiores causas de emissão de CO2 na atmosfera.

Nos últimos anos, uma campanha de base de Kimiko Hirata levou ao cancelamento de 13 usinas a carvão (7 GW ou 7.030 MW) no Japão. Essas usinas teriam liberado mais de 1,6 bilhão de toneladas de CO2 ao longo de sua vida.

O impacto do carbono do ativismo de Hirata é o equivalente a tirar 7,5 milhões de carros de passageiros das estradas todos os anos durante 40 anos.

Talvez te interesse ler também:

Agrotóxico e exploração: o novo colonialismo europeu sobre os latino-americanos

24 árvores derrubadas a cada segundo, 99% por desmatamento ilegal

Plástico descartável do delivery é o que mais polui os oceanos, revela pesquisa

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *