Itália fechada por coronavírus e diminuição da poluição: veja imagens de satélite

É possível enxergar algo positivo na pandemia do coronavírus?

Nós, seres humanos, estamos condenados a tudo simbolizar, a dar algum sentido para os acontecimentos da vida. E não está sendo diferente em relação ao coronavírus.

Muitos de nós têm interpretado o que está acontecendo como um reequilíbrio cósmico, uma forma de o universo nos dizer: vão com calma! Seja do ponto de vista espiritual, seja de um ponto de vista, digamos, mais pragmático, parece que passamos do limite, pelo menos em termos planetários.

É como se a natureza estivesse em uma queda de braços conosco, desfiando-nos para que possamos entender que, sim, existem limites: nem tudo nos é permitido neste planeta.

O fechamento das fronteiras na Itália como tentativa para lidar com a emergência do coronavírus está impondo sacrifícios reais aos italianos, que estão sendo privados de ir e vir e de terem suas rotinas normais de vida. Mas se há algo que se pode visualizar positivamente dessa situação caótica é que a poluição reduziu significativamente no país.

O mesmo já havia acontecido na China, como mostraram imagens de satélite da NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA), que observaram uma queda no dióxido de nitrogênio no país oriental, após a interrupção das atividades industriais e comerciais e do serviço de transporte.

Os satélites da ESA uma vez mais mostram uma situação semelhante na Europa, especialmente na Itália: as emissões do gás tóxico produzido por veículos rodoviários, usinas de energia e instalações industriais diminuíram significativamente também em todo o país, principalmente, no Vale do Pó.

As imagens revelam flutuações das emissões de dióxido de nitrogênio na Europa de 1º de janeiro a 11 de março de 2020, dia em que o fechamento de grande parte das empresas locais em toda a Itália foi imposto por decreto oficial do governo. Já no final de fevereiro, Codogna e vários municípios da região de Lodi haviam sido colocados em quarentena e, parcialmente, várias atividades foram interrompidas.

Segundo Claus Zehner, responsável pela missão Copernicus Sentinel-5P da ESA:

“Embora possa haver pequenas variações nos dados devido à cobertura de nuvens e às mudanças nas condições climáticas, estamos muito confiantes de que a redução nas emissões que podemos ver coincide com o bloqueio na Itália, que causa menos tráfego e atividades industriais”.

Lição coronavírus

Será que seremos suficientemente inteligentes após a emergência do coronavírus acabar? Será que colocaremos, em prática, por exemplo, outras formas de produzir energia?

Evidentemente, a suspensão das atividades corriqueiras da vida não é uma solução para lidar com a questão ambiental, mas é uma evidência de que o ritmo das sociedades contemporâneas afeta a qualidade de vida em várias dimensões – e isso deveria levar-nos a refletir sobre o que estamos fazendo com as nossas vidas e com o planeta em que habitamos.

Talvez te interesse ler também:

O coronavírus é a consequência do nosso impacto no planeta: o relatório WWF

Chapados na quarentena: filas nos coffeeshops da Holanda para estocar maconha

A Europa segue o modelo italiano: países europeus em vias de clausura  

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

gelo

Gelo do Ártico derrete em ritmo alarmante e pode libertar vírus e bactérias mortais

Vírus e bactérias que estão “hibernando” no frio polar Ártico podem acordar de um sono …