STF a um passo de anular Portaria que liberava automaticamente registro de agrotóxico

STF a um passo de anular Portaria que liberava automaticamente registro de agrotóxico

Ontem, 16, o STF iniciou o julgamento dos pedidos, e já firmou maioria de votos para suspender a eficácia da Portaria que permitia o registro automático de agrotóxicos.

Até o momento, oito ministros votaram no Plenário Virtual para acompanhar o relator do caso, o ministro Ricardo Lewandowski o qual votou favorável à suspensão da Portaria. 

O julgamento será concluído amanhã, sexta-feira, 19, mas já não é possível reverter o placar.

A Portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, permitia o registro tácito de químicos, cujo pedido não fosse avaliado pelo órgão responsável em até 60 dias, foi publicada no final de fevereiro, mas já estava valendo, desde 1º de abril.

A medida autoriza a liberação automática de agrotóxicos para uso no Brasil, caso o pedido de registro não recebesse resposta em dois meses.

Veneno na mesa em plena quarentena: agrotóxicos são liberados durante a pandemia

A Portaria era inconstitucional e foi questionada imediatamente por parlamentares, entidades ambientais e pela mídia nacional e internacional.

Tanto assim que os partidos PSOL e Rede, entraram com ações judiciais distintas perante o STF, visando a suspensão da Portaria, e ambas foram distribuídas ao ministro Ricardo Lewandowisk sustentando que,  ao permitir o deferimento tácito do registro de agrotóxicos no prazo de 60 dias, mesmo sem a realização de estudos relativos à saúde e ao meio ambiente, incentiva-se o uso dessas substâncias, facilitando o acesso a elas, com aumento exponencial do seu consumo.

A legislação brasileira para a regulação dos agrotóxicos (Lei 7.802/1989 e Decreto 4.074/2002) foi construída sob o paradigma do uso seguro e que a Portaria 43 ajuda a relativizar a sua aplicação.

“O registro tácito viola frontalmente as normas constitucionais: é especialmente incompatível ao direito ao meio ambiente equilibrado e ao direito à saúde”, sustenta o (PSOL) – Partido Socialismo e Liberdade.

Clique AQUI para acessar o voto do ministro Ricardo Lewandowiski.

Talvez te interesse ler também:

Semana Mundial Sem Carne: fazendo bem a si e ao planeta

Em 21 de junho o mundo vai acabar: nova previsão do Calendário Maia

10 hábitos que aprendemos na quarentena e que devemos manter para sempre

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *