Messias Kokama, o cacique indígena morre vítima de Covid-19 em Manaus

Messias Kokama, o cacique indígena morre vítima de Covid-19 em Manaus

“Hoje, a pororoca do Solimões derrubou uma grande árvore”. Assim o Parque das Tribos se despediu de sua maior liderança, o cacique Messias Kokama, levado pela Covid-19.

Kokama tinha 53 anos e faleceu nessa quinta-feira (14), em Manaus. O velório, apesar das restrições impostas, estava cheio de indígenas que, usando máscaras, protestavam em cartazes que “vidas indígenas importam”, informa a Folha de S. Paulo.

A moradora do Parque das Tribos Vanda Witoto, durante o velório, homenageou o amigo:

“Foi um guerreiro que lutou até o último suspiro para proporcionar vida digna para seus parentes que vivem às margens dos igarapés de Manaus”.

Na despedida ao líder teve danças indígenas, músicas evangélicas, pregação e orações, visto que Kokama também era pastor da Igreja Pentecostal da Missão.

O cacique Kokama foi o primeiro morador do Parque das Tribos a morrer por causa da Covid-19. Ele começou a se sentir mal, mas evitou procurar um hospital com receio de contrair o vírus. Wanda conta que:

“No domingo, ele estava com dificuldade respiratória, e os filhos deles chamaram o Samu. Quando chegou, já estava com 54% de saturação, ou seja, não conseguia respirar”.

O Parque das Tribos é um dos poucos redutos urbanos em Manaus onde vivem indígenas. Estima-se que cerca de 30 mil deles vivem lá, em moradias precárias.

Witoto recorda que os povos indígenas são povos de luta:

“Para os povos indígenas, tudo é luta. Lutamos todos os dias, todos os anos por nossas vidas. A gente fala que são 520 anos de luta. É uma sociedade que nos renega, uma sociedade que nos torna invisíveis, nos menospreza. Esse vírus é só mais uma luta pros nossos povos, é só mais uma luta”.

Talvez te interesse ler também:

Inumeráveis: o memorial às vítimas do coronavírus porque histórias não são números

Uma enorme quantidade de caixões em uma vala comum. A crise do novo coronavírus em Manaus

Escritor e colaborador cientista, indígena Aldevan Baniwa morre de Covid-19 em UTI de Manaus

Madonna, Brad Pitt e outros assinam carta aberta a Bolsonaro para proteção dos povos da Amazônia “à beira do genocídio”

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *