Carnaval sem glitter! Este brilho é um perigo para mares e oceanos

  • atualizado: 

Na hora da folia, ninguém pensa no quanto a festa de carnaval polui o meio ambiente. Por isso, para te ajudar a ser um folião consciente, fizemos esta matéria antes do carnaval. Quem sabe assim, com informação e conscientização, as pessoas consigam pular o carnaval dentro do menor impacto ambiental possível.

O carnaval é a festa do brilho. Mas você sabia que esse brilho proveniente do glitter e da purpurina é feito de plástico, um material que não é biodegradável? E o que você faz para tirar o brilho do corpo: toma banho, certo? O glitter vai para o ralo junto com a água.

Por ser extremamente pequeno, o glitter não é filtrado pelo sistema de tratamento de esgoto, indo para rios e mares.

Como se sabe, o plástico é o maior poluente do oceano. O que você talvez não soubesse é que o glitter é um "microplástico", por ser uma partícula desse material que mede menos de 5 milímetros. Ele é produzido a partir de placas de PET ou PVC, que são metalizadas com alumínio, e, depois, tingidas com cores diferentes.

Perigo para mares e oceanos

Como diz uma matéria da BBC, o grande perigo das partículas de microplástico é que podem ser ingeridas pela fauna marinha.

Segundo Trisia Farrelly, da Universidade de Massey (Nova Zelândia), especialista em ecologia urbana:

"Pesquisas recentes dão conta de que microplásticos perturbam o início da cadeia de alimentação aquática, como os plânctons. Também afetam ostras e mexilhões. Os microplásticos ingeridos por esses organismos podem afetar seu crescimento e atrapalhar sua alimentação como um todo - e consequentemente impactar toda a cadeia de alimentação." Plânctons, por exemplo, são um alimento dos peixes, que, por sua vez, alimentam os humanos”.

Embora não existam estudos específicos sobre o impacto do glitter na natureza, ele entra na conta dos 51 trilhões de partículas nos oceanos e mares, segundo um estudo de 2015 conduzido por pesquisadores do Imperial College London, de Londres, em parceria com especialistas da Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Holanda, e outros países.

O diretor do Centro de Águas Urbanas da Universidade de Washington, Joel Baker, diz que não é possível medir o impacto dos microplásticos no oceano, mas já se sabe que eles são um problema.

O que pode ser feito?

Já cientes do problema provocado pelo glitter, algumas empresas começaram a fabricar glitter biodegradável a partir da celulose, metalizada com uma camada de alumínio.

Embora a iniciativa seja importante, ela não resolve o problema, logo devemos nos conscientizar e usar menos o glitter. Claro que o glitter não é o principal poluidor de mares e oceanos, mas ele impulsiona o alerta sobre a poluição das águas, nesta época de carnaval.

No carnaval 2017, foi feita uma campanha para que se evitasse usar fantasias com penas e plumas pelas escolas de samba.

Este ano, para continuar seguindo a tendência, vamos também evitar além das plumas, o uso de glitter para curtir o carnaval com a alma limpa, assim como deve ficar, também, o meio ambiente. O teu brilho vale mais que o glitter. Pense nisso!

Talvez te interesse ler também:

CARNAVAL 2019: COMO PULAR DENTRO DO MÍNIMO IMPACTO AMBIENTAL POSSÍVEL

FANTASIA DE CARNAVAL: IMPROVISE TEU LOOK COM O QUE TIVER EM CASA

RESPEITO A FÁBIO ASSUNÇÃO NESTE CARNAVAL: BRINCADEIRA (E MAU GOSTO) TÊM LIMITE!

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!