Dorothea Towles Church, primeira modelo negra, inspirando novos projetos

  • atualizado: 
Dorothea Projeto

Houve um tempo que não se via modelos negros em fotografias de publicidade ou na passarelas da moda, devido ao preconceito e à discriminação racial. Um tempo que aqueles que romperam essa barreira, marcaram história, como a modelo negra Dorothea Towles Church, que foi a primeira mulher negra a desfilar em Paris, na França, na década de 40, posando com acessórios e elementos da cultura afro.

Inspirada na história dessa modelo, a fotógrafa Amanda Aparecida, uma jovem de 20 anos, moradora de Cubatão-SP, iniciou um projeto buscando fortalecer a representatividade do negro e dos afrodescendentes no mundo da moda.

Para realizar esse objetivo, ela uniu jovens modelos de cidades da Baixada Santista e realizou vários ensaios fotográficos, utilizando elementos marcantes da cultura africana como: pintura, acessórios, vestuário e penteados, entre outros.

Esse projeto fotográfico vem valorizando a presença do negro e afrodescendente no mundo da moda e na sociedade.

Saiba mais de como surgiu essa ideia e sobre os envolvidos nesse projeto.

1. Dorothea Vive: como nasceu esse projeto

Após Amanda Aparecida ter ido a um desfile em São Paulo, conheceu a história do modelo brasileiro Sílvio Pompeu, que na década de 90, foi vítima de preconceito e discriminação na passarela por ser negro. Esse fato foi uma das razões para o nascimento do Projeto Dorothea.

"Fiquei indignada com a situação, porque somos mais da metade da população e ainda não somos representados no mundo da moda!"- conta Amanda.

Amanda fez uma postagem nas redes sociais para conseguir reunir um grupo de modelos negros e afrodescendentes, de idades diferentes e moradores da Baixada Santista, com o objetivo de posaram para fotos com pintura facial e corporal, usando adereços como turbantes, colares, que remetem aos aspectos marcantes da cultura africana.

Após a realização da sessão de fotos, formou-se um grupo que deu vida a esse projeto, realizando o primeiro desfile.

2. Quem são os integrantes do projeto

A beleza desse projeto é ter como integrantes pessoas que não fazem parte do mundo das celebridades e da alta sociedade. São pessoas comuns, do povo, trabalham, estudam, pegam ônibus e lutam para alcançar seus objetivos e melhorar de vida.

E para conhecê-los e prestigiá-los segue um pouco da história de cada um deles:

2.1. Amanda

dorothea viveFonte Foto

A fotógrafa e criadora do Projeto Dorothea, Amanda Aparecida, durante a infância foi a única aluna negra na sala de aula e sentiu o preconceito na pele, durante anos.

Devido à discriminação e ao bullying, durante dez anos, ela passou a alisar o cabelo para atender aos padrões sociais vigentes.

O resgate de sua autoestima foi importante para viabilizar esse projeto e sobre isso ela explica:

"Como iria fazer um projeto de valorização da beleza negra se eu mesma não me aceito?"

A primeira paixão da fotógrafa foi a escrita, entre 11 e 12 anos, ela ela escreveu quatro livros.

Amanda se interessa muito pela arte, além do Projeto Dorothea, ela se dedica ao seu Estúdio de Fotografias Photoescrita, e através da fotografia, ela descobriu uma forma de contar histórias.

Ela tem o sonho de viajar pelo mundo contando as histórias das pessoas.

Antes do Projeto Dorothea, Amanda fez mais de três cursos por intermédio do Projeto Com Com, uma espécie de "produtora da Serra do Mar", da CDHU, e, atualmente, ela trabalha neste projeto, como fotógrafa e editora de vídeos, na Associação Comunitária de Cubatão.

Através do Projeto Com Com, ela desenvolveu o amor pelo Cinema, o que a levou a cursar uma faculdade de artes audiovisuais.

Sobre outros resultados positivos desse Projeto Amanda diz:

"Até meu avó com mais de 70 anos participa!

Ver o sorriso dos participantes é maravilhoso!

Na TV Record, nem acreditaram que o Projeto só tem 3 meses!"

2.2. Paulo

paulo dorotheaFonte Foto

Paulo Roberto, de 25 anos, mora em Praia Grande, participou de um vídeo-clip antes do projeto Dorothea.

Ele já foi vítima de racismo, e, por isso, o Projeto Dorothea lhe ajudou a ter mais autoconfiança. Sobre isso, ele conta:

"A vergonha que tinha antes, já não tenho mais, quando estou com eles (os outros modelos) me sinto em casa!"

2.3.

Rômulo

romulo dorotheaFonte Foto

Outro jovem, Rômulo Araújo, de 17 anos, havia deixado de lado o sonho de ser modelo por causa da dificuldade de se inserir, sendo negro, no mundo da moda.

Sobre isso ele disse:

"Nunca achei que fosse capaz de ser modelo, por não ver muitas referências negras no mundo da moda, acreditava que não tinha chances."

Ele acabou de concluir o ensino médio e está à procura de crescer profissionalmente no mundo da moda e mídia. A respeito disso, ele relata:

"Desde pequeno sempre fui sonhador, meu sonho era ser famoso e aparecer em revistas, na TV e tudo mais, mas com o tempo fui perdendo essa vontade, fazendo com que meu sonho se afundasse porque comecei a me sentir incapaz e fora de padrão.

Com o tempo, percebi que o que tenho de diferente é o que me torna especial e com o impulso do Projeto comecei à crer mais no meu potencial

E hoje sinto que sou capaz de tudo!"

2.4.

Dariella

daniella dorotheaFonte foto

Daniella Santos, tem 20 anos e mora no Guarujá. Antes do projeto ela já trabalhava como modelo mas além dessa profissão, ela quer fazer a faculdade de Direito.

Daniella conheceu Amanda em um Festival Afro e quando ficou sabendo que ela estava precisando de modelos para o projeto Dorothea, quis participar.

Para Daniella o projeto é um encontro de identidades que aumenta a autoestima.

"Eu sou negra, cabelo crespo, eu sou eu.

Isso é muito envolvente!

A mensagem que Amanda quer passar é essa: Seja você mesmo!", disse Daniella.

E ainda contou o que representa esse projeto para ela:

"O Projeto foi a melhor coisa que aconteceu em minha vida!

Espero que este Projeto cresça e que o Brasil todo o abrace!"

2.5.

Keila

keila dorotheaFonte foto

Keila Regina Dos Santos, tem 16 anos mora em Cubatão. Sobre como aconteceu o projeto Dorothea na vida dela, ela revela:

"Eu comecei o projeto Dorothea em novembro do ano passado, logo quando começou, não conhecia a Amanda pessoalmente, mas, por ter amigos em comum, tinha ela no Facebook.

Eu pratico judô, estou fazendo teatro e estou modelando agora, eu nunca, nunca, nunquinha na minha vida tinha pensado que de verdade, sem ser naquelas brincadeiras de criança, que realmente eu pudesse posar em fotos e desfilar.

E, por isso mesmo Dorotheia mudou minha vida, agora quando me chamam de modelo eu ainda estranho um pouco, mas já estou me acostumando, minha mente abriu e agora estou até disposta a participar de outras oportunidades como essa (não sou modelo profissional ainda), mas a prática leva a perfeição!"

2.6.

Beatriz

beatriz dorotheaFonte foto

Anna Beatriz tem 23 anos, é turismóloga e guia de turismo, tem uma filha de 3 anos que se chama Luna. Ela tem ascendentes de escravos na família, e o pai dela tem ascendentes indígenas.

Sobre a importância desse fato em sua vida, ela comentou:

"Sou militante, até a cabeça, das causas raciais, principalmente por causa da minha filha.

Eu moro sozinha e abri recentemente minha agência de viagens com uma amiga, crio minha filha sozinha e acho de extrema importância que ela tenha uma referência de autoaceitação e a vivência com nossa cultura desde pequena, na vida dela, pois eu não tive isso"...

2.7. Carla

carla dorotheaFonte foto

Carla Cristina Silva Costa, tem 16 anos, além do projeto, ela se dedica aos estudos.

E sobre o que significa esse projeto na vida dela, ela compartilhou sua satisfação dizendo:

"O projeto pra mim significa a realização de um sonho, estou muito feliz por estar tendo essa oportunidade de mostrar o poder que a beleza negra tem!"

3. Reportagem sobre o Projeto Dorothea:

Assista este vídeo da reportagem feita pela TV Santa Cecília, emissora santista, mostrando a entrevista com a criadora e alguns dos 15 integrantes do Projeto Dorothea.

Incrível, não é mesmo?

Para conhecer melhor esse projeto, o trabalho de Amanda e os integrantes envolvidos como modelos, visite o Instagram-Dorothea onde poderá ver a exposição desse trabalho fotográfico, com toda a sua arte e beleza!

4. A importância do projeto Dorothea

Não é só na moda que pessoas negras ou afrodescendentes se deparam com obstáculos. E isso é consequência do contexto histórico, provocado pela escravidão, outrora imputada ao negro. Ao longos dos séculos, esse contexto gerou desigualdade, racismo e desrespeito à diversidade étnica.

Ainda bem que isso está mudando. E daí a importância do Projeto Dorohea que valoriza a natureza de cada um e a real beleza que não é aquela geralmente vendida nas revistas e propagandas, mas a que se encontra na autenticidade do ser.

A beleza está na singularidade de cada rosto, sorriso, olhar, cor de pele, tipo de cabelo, forma de corpo, enfim, na diversidade humana!

5. Transforme seus sonhos em realidade!

Que esse projeto e, o exemplo da criadora e seus integrantes, seja inspiração para todos aqueles que buscam realizar os seus sonhos e não deixem de acreditar e persistir para torná-los realidade através de sua criatividade!

Talvez te interesse ler também:

MODELO RECRIA CAMPANHAS FAMOSAS PARA PROMOVER DIVERSIDADE

KHOUDIA: VÍTIMA DE BULLYING PELA COR DA SUA PELE, AGORA É MODELO

ORGULHO CURVY NÃO JUSTIFICA OBESIDADE

Fonte foto

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!