Conheça os cereais sem glúten e varie o teu cardápio

Cereais sem glúten

Cereais são plantas da família botânica das Gramineae, que também pode ser chamada de Poaceae. Têm a aparência de capim ou grama, de folha comprida, que produzem sementes em pedúnculos - e estas são usadas para alimentação humana. Glúten é uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina, constituinte de alguns cereais.

Dentre os mais conhecidos estão o arroz, milho, sorgo e milheto como cereais que não têm glúten na sua semente e, portanto, são uma alternativa muito especial para a alimentação das pessoas que sofrem de alergia ao trigo ou intolerância ao glúten (celíacos).

Já os cereais que têm glúten são o trigo, a cevada, o centeio e, em certo modo, a aveia. A aveia, na verdade, não contêm glúten em sua semente porém adquire glúten na manipulação industrial, o que põe em risco a saúde de algumas pessoas muito sensíveis (veja aqui).

A cana-de-açúcar e o bambu também estão nesta mesma família vegetal mas, suas sementes não são usadas em nossa alimentação.

O glúten e o trigo - qual o problema com eles?

Mas, acontece que o glúten não é o único vilão dessa história. O trigo, apesar de ser cultivado pelas comunidades humanas desde o início da vida sedentária, é um alimento potencialmente alergênico, em maior ou menor grau.

Muitas pessoas pensam em renunciar ao uso do trigo e buscam alternativas. Aqui apresentamos alguns dos cereais que não possuem glúten sendo, portanto, uma alternativa real para todos aqueles que são intolerantes, em algum grau, a este componente.

Cereais sem glúten

Arroz

arroz parbolizado

O arroz (Oryza sativa) é um dos mais importantes cereais da alimentação humana. No Oriente o arroz ocupa de 80-90% da dieta diária (100-170 kg per capita por ano).

Leia mais:

ARROZ - ALGUNS USOS MEDICINAIS DESSE GRÃO QUE ALIMENTA MAIS DE METADE DA POPULAÇÃO MUNDIAL

CONHEÇA OS TIPOS DE ARROZ E SEUS BENEFÍCIOS

O arroz integral é bastante rico em vitaminas diversas, proteínas e sais minerais e, contêm enzimas e bioestimulantes para além do amido. Em comparação com ele, o arroz refinado é bastante pobre pois perde, com o processo de polimento, quase todos os nutrientes.

O arroz é um alimento especialmente indicado para as pessoas que têm elevadas concentrações de ácido úrico no sangue e usado nos tratamentos de gota, arteriosclerose, doenças digestivas e distensão abdominal.

Este é um dos alimentos que melhor digestibilidade (1-2 horas) e não tem contraindicações de uso. É o cereal mais indicado para a introdução de alimentação sólida nos bebês, engrossamento de papinhas ou durante o desmame.

Milho

milho

O milho (Zea mays L.) é o cereal nativo da América Latina. Daqui são as primeiras espécies de milho nativo, milhos pequenos de sementes coloridas, as crioulas, bem adaptadas às condições microclimáticas de onde nasceram.

Este é um cereal de fácil digestão e uma boa fonte em vitaminas A e B assim como diversos sais minerais como sódio, potássio, cálcio, fósforo e magnésio. Porém, as proteínas do milho são pobres em alguns aminoácidos essenciais como lisina e triptofano mas, quando ingerido em combinação com algumas leguminosas, esta falta fica complementada.

O milho tem propriedades diuréticas graças ao elevado teor de potássio que contêm, impede a formação de gases intestinais e não conduz a picos glicêmicos. Pelo seu elevado teor de vitaminas do complexo B, é um ótimo coadjuvante nos tratamentos de ansiedade.

Leia também: UMA BROA DE FUBÁ DE CANJICA PARA O CAFÉ DA MANHÃ

Sorgo

sorgo

O sorgo (Sorghum bicolor) é um dos cereais mais cultivados no mundo (o quinto após o milho, trigo, arroz e cevada).

O grão seco contém uma grande quantidade de fibras, proteínas, lípidos e hidratos de carbono (de 70 a 90%). Este cereal é rico em ferro, cálcio, potássio, niacina (ou vitamina B3), antioxidantes naturais, é altamente digerível e de fácil assimilação.

Sua farinha é adequada para o fabrico de pães e comida para bebês.

Milheto ou painço

milheto ou painço

O painço (Panicum miliaceum L.) é um cereal nativo da Ásia Central e Europa Oriental cultivado desde a antiguidade. Esta é uma planta que resiste a solos áridos e clima desértico.

Contêm 10% de proteína a mais do que o arroz e o milho, é mais rica em ferro e ainda contêm fósforo e vitaminas do complexo B. Tem propriedades tônicas e redutoras do colesterol devido a presença de lecitina e colina.

É usado na produção de doces, sopas ou farinha para pães. Também é usado na cosmética pois tem elevado teor em ácido salicílico cuja ação é benéfica para a pele, cabelo, unhas.

Variar o cardápio

Com todas estas dicas, sendo celíaco, intolerante ou não ao glúten, variar o cardápio é preciso! Uma alimentação balanceada é a base da boa saúde

Especialmente indicado para você:

setaDEIXAR GRÃOS E SEMENTES DE MOLHO: PRÓS E CONTRAS

setaFARINHAS SEM GLÚTEN: TODAS AS POSSIBILIDADES

setaDOENÇA CELÍACA: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER