©lindaevanglista/Instagram

A história de Linda Evangelista, a supermodelo que teve sua vida destruída por causa de um procedimento estético

A história de Linda Evangelista, a supermodelo que teve sua vida destruída por causa de um procedimento estético

Na semana passada, usuários de redes sociais e veículos de comunicação não pararam de reproduzir e comentar o relato da ex-modelo Linda Evangelista sobre um procedimento estético que a desfigurou.

A coragem de uma das modelos mais famosas da década de 1990, reconhecida por seu talento e beleza, serve de alerta sobre como qualquer pessoa, ainda que bem-sucedida e alinhada a um padrão de beleza, pode ser vítima da pressão de manter-se bela a qualquer custo.

De acordo com o desabafo de Linda em sua conta no Instagram, ela está há 5 anos escondida do mundo, porque ficou “permanentemente deformada” após passar por um procedimento estético para remoção de gordura.

A técnica, que consiste em usar baixa temperatura para reduzir o acúmulo de gordura localizada teve efeito contrário na supermodelo:

“Eu desenvolvi uma hiperplasia adiposa paradoxal ou PAH (sigla em inglês), um risco do qual eu não fui alertada antes de passar pelos procedimentos. O PAH não apenas destruiu o meu sustento, como me colocou em um ciclo de grande depressão, profunda tristeza e nos níveis mais altos de autodesprezo. Nesse processo, tornei-me reclusa”.

Mesmo tendo passado por outras cirurgias para tentar desfazer a anterior, Linda conta que elas não tiveram êxito. Ela processou a clínica que realizou a intervenção em seu corpo e está tentando seguir adiante tornando pública a sua história.

Ela diz, ainda, que se sente envergonhada por estar da forma como está e que apenas quer ser ela mesma.

A BBC procurou a clínica, mas esta não respondeu ao veículo britânico.

Pessoas reais

A imposição de padrões de beleza e juventude sobre as pessoas, sobretudo as mulheres, movimenta milhões de dólares em todo o mundo através da indústria de cosméticos e de cirurgias plásticas e, também, da indústria farmacológica.

Ninguém é um padrão, mas custa a algumas pessoas entender isso, o que lhes provoca uma profunda insatisfação com a sua autoimagem.

Nas redes sociais, procure seguir pessoas reais, pessoas que se pareçam com você, que tenham os seus valores e estilo de vida. Precisamos nos acostumar a ver gente de verdade e não imagens fabricadas por aplicativos e filtros.

Talvez te interesse ler também:

Etarismo: passou da hora de boicotar o culto à juventude

Jennifer Aniston e os seus mais sinceros segredos de beleza

Distorção digital: na Noruega, influenciadores deverão sinalizar fotos retocadas

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *