USP desenvolve teste de Covid rápido, barato e eficaz

USP desenvolve teste de Covid rápido, barato e eficaz

Tudo o que qualquer pessoa que ainda está em sã consciência quer é que a pandemia do coronavírus acabe logo. Sem dúvida, a vacinação em massa é uma resposta que a comunidade científica internacional deu para o mundo em tempo recorde para dirimir os efeitos da doença, mas os testes em massa também são um poderoso aliado contra o vírus.

Uma pesquisa do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo acaba de desenvolver um teste rápido e de baixo custo para a Covid-19 que tem vários componentes inovadores.

O teste, que custa cerca de R$ 30, tem uma valor até cinco vezes menor do que aqueles de farmácia. A tecnologia, devido ao seu valor acessível, pode contribuir para a testagem em massa no país.

Outra vantagem do teste desenvolvido pelos pesquisadores da USP é ele ser capaz de mostrar se a pessoa que tomou uma determinada dose de vacina já produziu anticorpos.

A tecnologia, chamada de Teste Popular de Covid-19, analisa uma gota de sangue do paciente para localizar anticorpos que detectem a doença através de nanopartículas, as quais possuem uma molécula sonda que fica na cor vermelha quando entra em contato com algum anticorpo.

De acordo com o coordenador da pesquisa, professor Frank Crespilho, o método é similar ao empregado nos testes encontrados em farmácias, mas tem a vantagem de ser mais eficaz, barato e poder ser produzido totalmente no Brasil.  O pesquisador contou ao Jornal da USP que o grupo desenvolveu a tecnologia em apenas quatro meses.

“Temos que pensar na população brasileira, esse é o papel da USP. Todos os dias acordo feliz por ter o privilégio de coordenar uma equipe que está trabalhando incessantemente para produzir ciência de alto nível. A proposta é fazer uma análise em massa da população, com um custo bem mais competitivo e viável para a nossa realidade econômica.”

O novo teste é ainda capaz de mostrar se o paciente produziu anticorpos após receber uma determinada dose de vacina e rastrear a imunidade de variantes do vírus.

O teste está pronto para a fabricação em larga escala, mas precisa passar pela regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A expectativa do grupo de pesquisa é de que, em dois meses, o teste já possa ser comercializado em todo o país.

Talvez te interesse ler também:

5 minutos: aluno desenvolve teste rápido de Covid-19 usando sensor eletroquímico de papelte

Variantes do coronavírus colocam países europeus no vermelho escuro

Vacina aprovada, não é hora de relaxar: o pior está por vir, alertam especialistas

Estudo publicado na Science confirma que anticorpos podem gerar imunidade por meses

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *