Estudo publicado na Science confirma que anticorpos podem gerar imunidade por meses

Estudo publicado na Science confirma que anticorpos podem gerar imunidade por meses

O resultado de um estudo publicado pela revista Science aponta que, na maioria dos indivíduos infectados, pode haver imunidade de pelo menos alguns meses contra a forma grave da Covid-19, no caso de se desenvolver uma segunda infecção.

Conforme twitou Luiza Caires, jornalista e editora de ciências do jornal da USP, vários estudos já foram publicados sobre o tema, inclusive nós já publicamos diversas vezes artigos sobre a suposta imunidade ao vírus:

Mas a diferença, agora, é que um desses estudos foi publicado pela renomada revista científica Science.

Memória imunológica

Trata-se de um estudo que avaliou a memória imunológica para o vírus em 180 pacientes recuperados até 08 meses após terem sido infectados com o novo coronavírus.

Esses pacientes eram diversos, infectados por diferentes vias, de sintomas leves ou graves e acompanhados em diferentes estágios da doença.

De acordo com a jornalista Luiza, os pesquisadores analisaram a resposta das células de defesa e a produção de anticorpos e por quanto tempo eles ficavam “memorizados” pelas células das pessoas.

No estudo, os cientistas rastrearam anticorpos (G), incluindo aqueles que reconhecem partes da proteína do vírus, e notaram que eles tiveram declínio pequeno entre 6 e 8 meses após o início dos sintomas da doença.

Já as células T, por suas vezes, mostraram apenas uma ligeira diminuição no corpo após 6 meses, enquanto as células B, que reconheciam características do vírus SARS-CoV-2, chegaram até a aumentar em número em alguns casos, sendo mais abundante em 6 meses do que no primeiro mês após início dos sintomas.

O que ficou claro é que, avaliando vários tipos de anticorpos, células B de memória, células T, foi observado que cada componente da memória imune do SARS-CoV-2 variou de uma forma diferente.

ALERTA

No entanto, a jornalista informa que os próprios cientistas alertam que “conclusões diretas sobre a imunidade protetora não podem ser feitas com base nas suas descobertas, porque os mecanismos de imunidade protetora contra SARS-CoV-2 ou COVID-19 não estão bem definidos em humanos”.

Segundo os cientistas, é razoável que se conclua que, em caso de infecção, ela pode contribuir para formação de uma imunidade protetora contra uma forma grave da doença em caso de reinfecção.

Talvez te interesse ler também:

Zinco como prevenção à Covid-19. Quais alimentos contêm

Novo surto de coronavírus na China leva província de Hebei ao lockdown

Gripezinha pode causar danos neurológicos sérios

OMS chega em Wuhan para investigar a origem da pandemia

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *