Cheirar flatulências pode prevenir o câncer?

Cheirar flatulências câncer

Uma notícia bizarra que virou viral no ano passado, era a de que cheirar flatulências poderia prevenir o câncer e outras doenças. A informação seguia os resultados de uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Exeter, no Reino Unido, e que fez sucesso nas redes muito por causa do modo em como foi divulgada a pesquisa. O estudo sugeria que o odor característico do ovo podre e da flatulência, causado pelo sulfeto de hidrogênio, protegeriam as mitocôndrias. 

Os cientistas da Exeter descobriram que este composto protege as mitocôndrias - uma das organelas celulares mais importantes da função celular, ou seja, a "potência" celular, que dirige a produção de energia das células aos vasos sanguíneos. Prevenir ou reverter o dano mitocondrial é uma estratégia importante nos tratamentos de uma variedade de condições, tais como o acidente vascular cerebral, a insuficiência cardíaca, a diabetes, a artrite, a demência e o envelhecimento. As mitocôndrias determinam quais células devem viver ou morrer e regulam a inflamação. Em clínica, as mitocôndrias disfuncionais estão fortemente associadas às doenças graves.

O sulfeto de hidrogênio é produzido por bactérias no processo de digestão, por isso estão presentes nas flatulências, e ajuda a manter a mitocôndria, podendo prolongar a vida das pessoas.

O gás de cheiro ruim foi até considerado para tratamentos e terapias. No entanto, a verdade sobre a matéria divulgada no mundo inteiro se mostrou equivocada. Não porque o estudo estivesse incorreto, mas sim por conta das alegações dos cientistas, que vieram a público informar que foram erroneamente interpretadas pelos jornalistas que divulgaram a informação.

Os cientistas acreditam que a declaração envolvendo sulfeto de hidrogênio possa ter gerado um mal-entendido: "Embora o sulfeto de hidrogênio seja bem conhecido como um pungente, um tipo de gás de odor fétido em ovos podres e flatulências, ele é produzido naturalmente no corpo e pode de fato ser um aliado à saúde, com implicações significativas para futuras terapias de uma variedade de doenças", disse o Dr. Mark Wood do Departamento de Ciências Biológicas na universidade, com sede no Reino Unido.

Entretanto nunca foi feito um estudo envolvendo pessoas cheirando “pum” para descobrir possíveis benefícios envolvendo a flatulência, mas sim uma pesquisa sobre o desenvolvimento de um composto chamado AP39, capaz de entregar lentamente pequenas quantidades do sulfeto de hidrogênio, especificamente para as mitocôndrias, e assim conseguir todos os benefícios provenientes deste gás.

Quando o corpo é submetido à doenças e desgastes, as mitocôndrias utilizam quantidades mínimas de sulfeto de hidrogênio para continuarem trabalhando, o estudo desenvolveu o AP39 para fortificar as mitocôndrias para que estas não morressem e pudessem continuar a regular o corpo, prevenindo doenças e combatendo o envelhecimento.

Ou seja, o sulfeto de hidrogênio, presente nas flatulências, fazem bem, sim, ao nosso organismo, mas em nenhum momento foi cogitado pelos pesquisadores de dizer às pessoas para cheirarem doses moderadas de “pum”.

Leia também: Câncer da cabeça e pescoço: extrato de brócolis pode prevenir

Fonte foto: freeimages.com