O que é sensação térmica?

sensação térmica

Quem pensou que o calor do verão 2014 seria o auge, pelo visto, se enganou. O verão de 2015 bate recordes de calor, com as temperaturas ultrapassando os 35°C em várias regiões do país e com sensação térmica na casa dos 50°C. E a sensação térmica é exatamente o que aflige o pensamento de muitos brasileiros quando pensam sobre o forte calor do verão: por que os termômetros marcam uma temperatura “X”, mas o que eu sinto é completamente diferente?

Pois é exatamente a sensação térmica que realça o que é sentido como temperatura ambiente e os outros fatores naturais que potencializam a sensação de calor.

Mesmo estando por ai desde a época da Segunda Guerra Mundial, a expressão “sensação térmica”, ou temperatura aparente, virou moda para os brasileiros, e para os habitantes do planeta, apenas agora. Tudo por conta das altas temperaturas dos últimos tempos, as maiores já registradas desde que a medição histórica começou em 1880 pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, NOAA em inglês.

Mas algumas pessoas ainda desconhecem as razões e os efeitos que fazem a sensação térmica interferir na forma como sentimos a temperatura do que é registrado pelos aparelhos climáticos.

Três fatores diretos compõem a sensação térmica: a temperatura real ambiente, a velocidade do vento e a umidade relativa do ar. Evidentemente, a temperatura aparente não é sentida apenas no calor, mas também com o frio. As sensações impostas por estes três fatores causam impacto na pele, órgão receptor e que identifica as sensações térmicas, “dizendo” ao corpo se está mais frio ou mais quente do que a temperatura real.

Além da temperatura real, da velocidade do vento e da umidade relativa do ar, outros aspectos indiretos e subjetivos, que somados aos fatores diretos, também definem as sensações térmicas.

De forma geral, a temperatura é fundamental para identificar a intensidade do frio e do calor. No entanto, para medir o quão rigoroso é o frio do inverno, o fator primordial é a velocidade do vento, quanto maior a ausência de calor (que ocasiona o frio) somado ao vento forte, maior a sensação térmica congelante, enquanto que no calor intenso, o fator determinante é a umidade do ar, quanto mais altas as temperaturas e a umidade, maior o desconforto em relação ao calor.

Parece complicado, não? E é! Especialistas só conseguem estabelecer a sensação térmica do momento por meio de cálculos matemáticas muito avançados. Felizmente, o NOAA disponibiliza uma “calculadora térmica” em seu site para que você possa descobrir qual o calor ou frio real em sua região.

Leia também:

Como aliviar o calor (sem ligar o ar-condicionado) em 8 dicas

Efeito estufa faz este verão ser ainda mais quente e seco

Fonte foto: freeimages.com