Pesca magnética: o novo hobby ambientalista

Pesca magnética: o novo hobby ambientalista

A pesca magnética é uma prática que consiste em retirar objetos metálicos da água, utilizando um imã potente, algumas cordas e equipamentos de segurança.

Esse tipo de pesca tornou-se um hobby ambientalista em alguns países, pois além do prazer de pescar, os participantes sentem que estão fazendo bem para o meio ambiente.

No entanto, é preciso ter cuidado pois, na maioria das vezes, os objetos pescados são explosivos e podem arriscar a vida dos pescadores e dos habitantes.

Mix de ambientalismo com caça ao tesouro

A pesca magnética tem atraído muitas pessoas, uma delas foi o jovem Cole Gartshore, de 13 anos, da Escócia. Para ele, essa modalidade de pesca é mais atraente, justamente por não saber o que pode encontrar no fundo do rio ou canal.

A pesca magnética já é tão comum na Escócia, que um grupo chamado Glasgow Magnet Fishing foi criado e reúne várias pessoas que sentem prazer em pescar metais nos principais canais da região. Dentre os objetos pescados pelo grupo, os mais interessantes foram uma bala de canhão do século XVI, armas, granadas e objetos de artilharia.

Além dos armamentos, também foram recolhidos carrinhos de supermercados, os quais são vendidos como sucata, cujo lucro é repassado para instituições de caridade.

Pescar com imã virou terapia na pandemia

The Guardian fez uma matéria sobre esse novo hobby e entrevistou algumas pessoas que disseram que a pesca com imã tornou-se um tipo de terapia para sobreviver à pandemia. Apesar da recomendação para ficar em casa, caminhar ao ar livre e ficar alguns minutos em contato com a natureza são hábitos importantes para evitar depressão e outros problemas psicológicos.

Os praticantes da pesca magnética encontraram nessa modalidade uma forma de distrair a mente e até mesmo socializar, pois puderam conhecer outras pessoas que sentem prazer em recolher entulhos metálicos dos canais, tornando-os mais limpos, além de recuperar itens históricos.

Na França a moda também pegou. Raphael, um menino de 10 anos, também pratica a pesca magnética no Rio Sena, em Paris. Ele teve essa ideia após assistir ao vídeo do youtuber Chrisdetek, que utiliza imãs e garras. Inspirado por ele, Raphael pediu a seus pais de presente de Natal, os itens que utilizaria para essa modalidade de pesca.

Os pais não só presentearam o menino com imãs, garras, cordas e luvas, mas também aderiram à modalidade e passaram a praticar a pesca magnética em família. Eles chegaram a encontrar uma motocicleta Yamaha de 250 kg no Rio Sena e também uma granada! Por esse motivo, Raphael só pode pescar na companhia dos pais.

Os riscos da pesca magnética

Apesar da ação ambientalista que essa prática proporciona, a pesca magnética é perigosa e requer muitos cuidados. Isso porque a maioria dos objetos encontrados é composta por equipamentos bélicos como armas, explosivos, itens pesados e cortantes.

Quando uma granada é puxada com um imã, ela corre o risco de ser ativada e explodir durante a remoção. Para evitar que isso aconteça, é necessário acionar as equipes especializadas de segurança, além de isolar a área para proteger casas e moradores vizinhos.

Outro risco é do objeto ser muito pesado e puxar os pescadores para dentro do canal, assim como aconteceu no Canal Huddersfield, na Inglaterra. Há relatos de pessoas que foram mortas dessa maneira, pois o imã utilizado era muito forte e, ao fixar em um objeto muito pesado, acabou puxando os pescadores para o fundo do canal.

As armas encontradas no fundo dos canais também representam riscos, pois podem ser disparadas acidentalmente, seja pelo manuseio incorreto ou pela própria pressão que o ímã exerce no material.

Outra questão levantada é com relação ao tipo de ímã utilizado. Os ímãs de neodímio, por exemplo, são muito fortes e podem causar ferimentos se os cuidados não forem tomados.

Ao se chocarem entre si, os imãs podem se quebrar e soltar pequenos fragmentos na água, fazendo com que pedaços de metais sejam atraídos por eles e fiquem navegando, até chegarem a locais impróprios ou ainda se chocarem com outros objetos explosivos.

É de se considerar também a finalidade que os objetos pescados teriam. Tirá-los da água, pelo simples prazer de pescar, para jogá-los em outro lugar sem lhes dar um destino ecológico (que seja reciclagem ou reutilização) é trocar seis por meia dúzia.

Apesar dos perigos, os amantes da pesca magnética dizem se sentirem atraídos pelo desconhecido e mais ainda pelo fato de estarem fazendo bem ao meio ambiente.

Contudo, embora não existam leis que proíbam a pesca magnética, especialistas alertam aos pescadores que tenham cuidado, principalmente pelo risco de manusearem objetos como bombas não detonadas, armas de fogo e demais objetos perigosos.

A pesca magnética pode ser considerada o novo hobby ambientalista, mas assim como qualquer atividade, precisa ser regulamentada e praticada com segurança, acompanhamento e muita atenção.

Talvez te interesse ler também:

Existe pesca sustentável? Seaspiracy: novo documentário da Netflix está dando o que falar

Emocionante: vídeo mostra tartarugas-marinhas sendo salvas por pescadores no litoral catarinense

Máscaras e seringas: artista transforma lixo da pandemia em arte

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *