Pesca fantasma: o inimigo que assombra mares e oceanos

Pesca fantasma: o inimigo que assombra mares e oceanos

O que é pesca fantasma? Não bastasse a pesca que todo mundo conhece, tem uma que muita gente desconhece e que precisa conhecer.

Pesca fantasma é o termo usado para descrever o que acontece quando equipamentos usados na pesca são descartados, abandonados ou perdidos. Eles continuam a “pescar” indiscriminadamente nos mares e oceanos.

Redes, anzóis, gaiolas, armadilhas, iscas sintéticas que, intencionalmente ou não, são jogados ou abandonados no mar, viram “fantasmas” que continuam a pescar e a prender animais, sufocando e matando a vida marinha, sendo também um perigo para a navegação, como ensina o NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration do governo norte-americano).

Lixo abundante

Redes e outros equipamentos usados na pesca esportiva, industrial ou artesanal, são um dos principais tipos de detritos encontrados nos mares e oceanos. Esse é o 6° tipo de lixo que mais afeta e prejudica os ecossistemas marinhos.

As redes de pesca, que antes eram feitas com materiais biodegradáveis (algodão e outras fibras), hoje em dia são feitas de um plástico muito resistente que demora séculos para se decompor.

A pesca é uma atividade cruel para todos, principalmente para os peixes, mas é preciso entender que não existe pesca sustentável como bem explica o documentário Seaspiracy.

Quando uma rede é lançada ao mar, ela pesca de tudo. Há desperdício, sofrimento aos animais e desequilíbrio ambiental. Se a rede se perde ou se rompe, ela sufoca ou é ingerida, pois animais marinhos confundem comida por plástico pelo odor. 

O que fazer para evitar a pesca fantasma?

Esse é mais um motivo para ser vegetariano ou vegano pois não há como controlar que as indústrias ou os pescadores cuidem de suas redes e de seus equipamentos, certo? O objetivo é ganhar dinheiro e não salvar o mar e os animais, com exceção de pescadores muito artesanais e conscientes, se é que eles ainda existem.

Como solucionar o problema?

Existem algumas soluções sendo usadas para resolver o problema da pesca fantasma. A questão é que a poluição por plástico (equipamentos de pesca incluídos, como vimos, o 6° tipo mais poluente) está a um passo do não retorno:

Por exemplo, o NOAA, através de uma parceria com o Fishing for EnergyNational Fish and Wildlife Foundation, Covanta Energy Corporation e Schnitzer Steel Industries, Increcolhe gratuitamente de pescadores seus equipamentos velhos ou inutilizáveis para reduzir a quantidade de lixo derivado da pesca, abandonado dentro e fora das águas.

Mas mais que isso, o programa tenta fazer do problema um recurso pois o material recolhido vira energia ou é reciclado.

Primeiro o lixo recolhido é levado para a fábrica de metais Schnitzer Steel Industries para reciclagem, e o restante dos materiais não recicláveis, são convertidos em energia pelas centrais da Covanta Energy.

O programa já coletou mais de 4 milhões de libras em equipamentos de 56 locais nos Estados Unidos.

Além disso existem ideias como a Remora, a rede de pesca biodegradável e com rastreador, uma ideia premiada que poderia ser colocada em ação.

Uma solução é a do tipo Healthy Seas, empresa que converte lixo marinho em objetos de consumo como roupas e tapetes, ou a Bond Eyewear que fabrica óculos com plástico reciclado dos mares.

Existem outras iniciativas desse tipo mas mesmo assim, é muito lixo para pouca solução. Melhor seria diminuir a pesca, afinal, podemos viver muito bem sem nos alimentarmos de peixe.

Lost fishing gear survey Malta 2016 from Ghost Diving on Vimeo.

Talvez te interesse lar também:

Peixes sufocados e espancados: o lado negro da piscicultura intensiva

Jovem baleia morre com 100 quilos de plástico no estômago: é o símbolo da poluição de nossos mares

Pesca magnética: o novo hobby ambientalista

Depois dessa, salmão nunca mais. Por que você não deve comer esse peixe

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *