Fique com corpo de bailarina sem fazer ballet: conheça o Ballet Fitness

Fique com corpo de bailarina sem fazer ballet: conheça o Ballet Fitness

Se pensa que para ter um corpo de bailarina (bailarino, bailarinx) precisa fazer anos de ballet clássico e dançar como uma, está enganada. O Ballet Fitness é uma atividade física que une movimentos do próprio ballet com exercícios específicos para fortalecer e alongar o corpo, ajudando inclusive a emagrecer.

O que é Ballet Fitness?

De uma forma bem resumida: Ballet Fitness é uma mistura entre ballet e ginástica, que varia entre fisioterapia, Yoga, ginástica funcional e até Pilates.

Ao contrário do que se pensa, essa não é uma modalidade nova de dança.

O Ballet Fitness surgiu na década de 60, tendo como principal referência a bailarina alemã, Lotte Berk, que teve essa ideia após sofrer uma lesão nas costas.

Na ocasião, Berk precisava fazer exercícios de reabilitação e combinou-os ao ballet. Devido à grande aceitação, ela decidiu então abrir seu estúdio em Nova York, o Lotte Berk Method, em 1971.

Com o passar do tempo, novos estilos foram surgindo, mas todos com foco no ballet como base. Dentre eles podemos citar o Ballet Funcional, Ballet Pilates, Power Ballet, Floor Barre, entre outros.

O intuito de Lotte Berk era o de tornar o Ballet Fitness uma prática agradável e graciosa, deixando os corpos mais flexíveis, fortes e definidos. E o melhor: é acessível para qualquer pessoa, até mesmo para quem nunca fez dança na vida.

Como é a aula de Ballet Fitness?

A aula de ballet clássico tradicional é composta basicamente de exercícios na barra e no centro. Já a de Ballet Fitness, além de ter os exercícios semelhantes aos da barra e do centro, também possui exercícios no solo.

Isso se dá pelo fato do foco ser o trabalho de fortalecimento, alongamento e flexibilidade, trabalhando principalmente abdômen, panturrilhas, braços, coxas, glúteos e costas.

Benefícios do Ballet Fitness

Além de proporcionar uma aula prazerosa e acessível, o Ballet Fitness ajuda a definir, modelar e tonificar a musculatura como um todo e não apenas em grupos, como ocorre na musculação.

Outros benefícios que essa modalidade promove são:

  • Resistência
  • Flexibilidade
  • Postura
  • Equilíbrio
  • Coordenação Motora
  • Perda de Peso (400 a 1500 calorias) e
  • Memória (repetição de sequências ágeis).

Importante ressaltar sobre o fato do Ballet Fitness acelerar o metabolismo, colaborando para que o corpo continue gastando calorias mesmo em repouso. Além de dar aquela enxugada, os movimentos do Ballet Fitness ajudam a modelar e esculpir a silhueta.

Mais fácil do que ballet convencional

Apesar da base ser composta por exercícios de ballet, o Ballet Fitness é considerada uma modalidade mais “fácil” do que o ballet convencional.

Isso se dá pelos seguintes motivos:

  • É adaptável a qualquer tipo de público;
  • O risco de lesões é mais baixo;
  • Não tem a pressão do ballet tradicional;
  • Por ser uma atividade relacionada à dança, promove uma sensação de prazer e bem-estar.

Claro que, como toda e qualquer atividade física, essa modalidade também exige dedicação, esforço e disciplina para que se tenha o resultado esperado.

Além de executar bem os movimentos e frequentar as aulas corretamente, é muito importante cuidar da saúde, principalmente da alimentação.

Frequência e tempo de atividade

Com relação à frequência semanal e ao tempo de atividade, o ideal é praticar 1 hora de 2 a 3 vezes por semana.

Tudo vai depender das condições físicas de cada um e do objetivo, por isso é importante realizar uma avaliação antes.

Outras vertentes do Ballet Fitness

Como foi dito anteriormente, o Ballet Fitness teve uma grande aceitação no meio da dança, principalmente como uma alternativa para quem teve alguma lesão, ou simplesmente para quem precisa fortalecer e definir a musculatura.

Um dos exemplos citados foi o Floor-Barre, que em português significa “barra no chão”. Essa também é uma modalidade de Ballet Fitness, mas tem o foco na correção de alguns movimentos sem a pressão da gravidade.

Quem faz ballet deve conhecer o tão sonhado e temido “en dehors”, que consiste em fazer uma rotação com o quadril, girando as pernas para fora, desde a cabeça do fêmur, até a extremidade.

Para que isso aconteça, é necessário encaixar o quadril para frente e fazer essa rotação. Porém, quando estamos em pé esse movimento é dificultado pela ação da gravidade, além das limitações naturais do corpo humano.

Pensando nisso, a bailarina italiana Zena Rommett criou o método que levou seu próprio nome. Isso foi em 1960, em Nova York e, mesmo depois de sua morte em 1989, o Zena Rommett Floor-Barre ®, continua certificando bailarinos e professores através de suas técnicas.

A técnica do Floor-Barre consiste em aprimorar a precisão e a postura dos bailarinos, fazendo com que os movimentos sejam memorizados pelo corpo, a ponto de ficarem mais fáceis quando executados em pé.

Além disso, o treino de “barra no chão” evita lesões, pois causa menos tensão nas articulações do quadril. Essa técnica permite trabalhar o desvio natural do movimento com resistência e auxílio da gravidade.

Corpo de bailarina sem fazer anos de ballet

Ok, você deve estar se perguntando: mas para ficar com corpo de bailarina precisa sim fazer ballet! Engano seu, pois não estamos falando aqui de ballet clássico, mas sim de uma atividade física adaptada, cuja base são alguns movimentos de ballet.

Se mesmo com todos os benefícios citados acima, você achar impossível ficar com o corpo de uma bailarina, veja o exemplo da atriz Natalie Portman.

Quando ela precisou interpretar uma bailarina no seu papel como Cisne Negro (Black Swan), Natalie foi submetida a um treinamento com a ex-bailarina Mary Helen Bowers, de Nova York.

Claro que, para se parecer com uma bailarina profissional, a atriz teve que se dedicar muito mais, mesclando treinos de natação e exercícios de resistência. No entanto, para incorporar os movimentos de ballet na atriz, Bowers utilizou uma técnica chamada Ballet Beautiful, que ajuda a ficar forte e definida sem ficar volumosa.

Nessa modalidade, Portman realizava exercícios para fortalecer e alongar várias partes do corpo, principalmente abdômen, pernas, glúteos, braços e costas.

Este vídeo mostra alguns exercícios de Ballet Beautiful, mas é em inglês. Logo mais abaixamos alguns outros para você fazer em casa.

Vídeos de Ballet Fitness

Na sequência, separamos alguns vídeos para te dar uma ideia de como é possível fazer ginástica em casa, priorizando os princípios do ballet clássico:

 

E então? Achou muito fácil? Experimente alguns desses exercícios e, quem sabe, você consegue o tão desejado corpo de bailarina sem precisar fazer anos de ballet?

Se possível, procure a modalidade Ballet Fitness na sua região, ou mesmo outras opções de Ballet. Dançar é terapeutico: faz bem ao corpo e à alma!

Talvez te interesse ler também:

Ballet adulto → Quem dança os males espanta! Nunca é tarde para começar

Ballet: 10 benefícios para cair na dança

Pole dance: história, benefícios e curiosidades

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *