História e brincadeiras para cair nas festas juninas

História e brincadeiras para cair nas festas juninas

Junho é um mês muito bem-vindo, como dissemos, com pinhão, gengibre e festas!!!! Tais como muitas coisas que achamos ter origem no Brasil, devido a empatia instantânea desenvolvida, a festa junina é mais um caso de uma festa/evento que não nasceu em solo tupiniquim, mas parece. Surgida nos países europeus católicos, as festas eram chamadas de “joaninas”, uma homenagem a um santo católico, São João. As festas, que aqui ganhariam o nome de “juninas”, chegaram ao país por meio dos portugueses, no período colonial.

Em um primeiro momento comemorava-se somente a festa de São João, depois, como os dias de São Pedro e Santo Antônio aconteciam no mesmo mês, foram incorporados às festas juninas. E, claro, vários elementos da nossa cultura local, de todas as regiões, foram introduzidas à festa.

Evidentemente, algumas regiões cultuaram mais a festa e aproveitaram para deixá-la com a sua “cara”. É o caso do Nordeste, região brasileira com as festas juninas mais famosas do Brasil inteiro, com as fogueiras, bandeirinhas coloridas, barracas de comidas típicas e as danças de quadrilha. São tão populares quanto o carnaval.

Mas isso não significa que o restante do país fica de fora dessa festa. Muito pelo contrário, em São Paulo, por exemplo, realiza grandiosas festas em suas tradicionais igrejas espalhadas pelo cidade. Destaque também para as cidades com forte presença das culturas italiana e portuguesa, como nos bairros do Bixiga e Canindé.

A festa junina é recheada de brincadeiras, bebidas e comidas típicas para fazer a alegria de todos.

Brincadeiras

* Tem a corrida no saco, onde cada pessoa entra em um saco grande, que vai até a cintura, e aposta corrida pulando dentro dele, com os dois pés juntos, até a linha de chegada

* Ovo na colher: cada participante segura a colher com a mão ou com a boca, e põe um ovo cozido nela. Ganha quem chegar primeiro no outro lado sem derrubar o ovo

* Corrida do Saci

* Dança das cadeiras

* O tradicional correio elegante

* A pesca da maçã

* O jogo de argolas

* Pescaria e...

* Para encerrar a festa, a quadrilha com o “casamento” do noivo e da noiva.

Este redator que vos fala, inclusive, já foi noivo de uma quadrilha de rua durante a infância, como com certeza, tantos de vocês leitores, também devem ter lembranças maravilhosas desta nossa tradição brasileira. Que saudade!

Como era de praxe na época, tudo foi feito sem muito cuidado “técnico”, só mesmo para alegrar os moradores da rua. E depois que a organizadora escolheu os pares, ela pergunta se alguma menina tinha um vestido de noiva para a festa, e adivinha quem levanta a mão? Minha parceira de quadrilha. E lá fomos nós, pular quando a música fala “olha a cobra”, dançar muito e “casar” em uma cerimônia feita por um padre vestido como nas novelas de Benedito Rui Barbosa. Uma festança danada de boa!

As festas juninas começam agora no mês de junho. Nosso texto é um convite para que você entre no clima e caia na festa! Aproveite!

Leia também: Capoeira me mandou, dizer que já chegou, chegou para ficar...

Fonte foto: wikipedia.org