Perder a paciência com os filhos é comum, mas será normal?

  • atualizado: 
Gritar-criança

Elas são teimosas, birrentas, barulhentas, cheias de perguntas. Chegam ao mundo e bagunçam a vida dos adultos, impondo um ritmo de infância que pouca gente consegue suportar. Com tudo isso os pais perdem a calma. Ora por que querem que elas façam as coisas mais rápido, ou por que querem que obedeçam ou durmam. Criar filhos não é uma tarefa fácil, ainda mais por que dos dois lados da relação existem seres humanos, com gostos peculiares, personalidades diferentes, anseios, frustrações, necessidades.

Perder o controle acaba tornando-se uma constante, resultando em pais frustrados, culpados e filhos cada vez mais “difíceis”. No entanto, será que é normal perder a paciência? No texto abaixo a ideia é destrinchar o lado humano de ser pai e mãe, não somente para diminuir a culpa, mas adquirir consciência e instrumentos para melhorar o relacionamento com os filhos.

É normal perder a paciência?

Embora não seja o ideal, sim é normal perder a paciência. Todo mundo, em algum momento, se descontrola por algum motivo. Seja uma divergência no trabalho, o trânsito, as dificuldades financeiras, as frustrações passadas, as causas são muitas para que a calma vá embora.

No que diz respeito aos pais, a difícil tarefa de criar os filhos já é por si um motivo de estressar. Ninguém quer errar na educação dos pequenos, no entanto o excesso de demandas que a criação exige é capaz de tirar do sério até o mais paciente dos seres.

Apesar de normal, a falta de paciência deve sempre ser analisada, principalmente por que por trás dela podem estar problemas que nada têm a ver com a criança.

Vale lembrar que as obrigações da vida moderna exigem dos adultos uma sobrecarga de tarefas sem igual, por isso é muito comum que sejam as crianças os alvos mais fáceis, por serem frágeis, vulneráveis e estarem em fase de aprendizado. Por isso, se a paciência está faltando constantemente, é importante avaliar a vida como um todo, se não é possível delegar algumas tarefas, se o adulto em questão está tendo o tempo necessário para descansar e relaxar, e, principalmente, ter consciência de que o problema não é das crianças. Elas refletem apenas a forma como os próprios pais reagem às emoções e lidam com as adversidades do dia a dia.

Amoroso e paciente 24 horas por dia não é possível

Seria ótimo poder reagir com maturidade e controle emocional em todas as situações, mas isso é humanamente impossível. Por isso é importante ser realista e perceber que, cedo ou tarde, algum episódio “raivoso” vai acontecer.

Os pais, embora queiram, não conseguem ter o controle de tudo, e precisam lidar com situações novas o tempo todo. Isso gera um estresse, que, apesar de incômodo, deve servir como termômetro para uma avaliação interna.

A falta de controle pode ser uma ótima oportunidade de aprendizado, e até mesmo os pequenos podem sair mais fortalecidos disso, já que a depender de como os pais lidam com esses momentos de conflito, a criança vai adquirindo um repertório próprio de como reagir diante das situações.

Por isso o equilíbrio emocional, até mesmo nessas horas, de saber pedir desculpas, caso tenha errado, de respirar fundo, quando sente que vai perder a calma, e o incentivo ao diálogo, podem ser importantes ferramentas para os filhos.

Como não perder a paciência com os filhos. Dicas

Existem algumas formas de evitar as explosões de raiva no dia a dia com as crianças.

Conheça algumas delas e lembre-se de que paciência é uma habilidade que se exercita.

  1. Respire fundo – A respiração profunda oxigena o cérebro e é muito útil quando se percebe que está prestes a “explodir”. Quando desconfiar de que está chegando nessa fase, respire fundo, e, se achar melhor, saia um pouco do ambiente;
  2. Seja o exemplo – Crianças se desenvolvem emocionalmente por meio de vários elementos, mas, principalmente, pelo exemplo dos pais. Se você for o tipo de pessoa que grita sempre, ela vai achar que esse comportamento é normal e vai copiá-lo;
  3. Descubra os gatilhos – Existem situações que favorecem momentos de estresse: não dormir direito, o excesso de atividades e obrigações, a falta de tempo para o lazer, tudo isso pode facilitar o estresse e desencadear as explosões. Descubra seus gatilhos e aprenda a evita-los;
  4. Gritar é uma escolha ruim – Quando você grita, interrompe a comunicação com a criança, e dá para ela um exemplo negativo de como agir diante das situações adversas. Além de tudo isso, gritar é uma violência contra à criança, a faz sentir-se diminuída e com medo. Evite os gritos a todo custo;
  5. Entenda que se trata apenas de uma criança - Não é fácil lidar com elas, mas lembre-se que elas estão aprendendo. Por exemplo, ao chorar: por muitos anos o choro vai ser uma das formas de comunicação da criança e isso não é para irritar ninguém, é apenas uma forma de dizer que há algo errado;
  6. Tenha empatia – Coloque-se no lugar da criança para entender o que ela sente. Exercitar a empatia é uma ótima maneira de melhorar como ser humano, amadurecer;
  7. Relaxe – Tenha momentos de descanso, durma bem, se alimenta direito e tenha hobbys. Isso é essencial para um bom equilíbrio emocional e não deve ser deixado de lado;
  8. Valorize a rotina – Ter regras e horários para fazer as coisas dá estabilidade e previsibilidade para as crianças. Elas precisam disso e essa atitude pode evitar muitas cenas de birra e descontrole;
  9. Tenha tempo para a criança – Os pequenos precisam de tempo com os pais, e isso é algo que vai fazer toda a diferença no bom desenvolvimento emocional delas. Muitas crises de choro são apenas por que a criança sente falta dos pais e quer chamar a atenção. Perceba os sinais e não abra mão de ficar com seus filhos;
  10. Ensine a importância do diálogo – A partir do momento que a criança aprende a falar é essencial mostrar para ela que a melhor forma de comunicação é através das palavras. Valorize e incentive o diálogo, a ajude a entender o que sente, dê nome às emoções. Assim elas adquirem aparato emocional para saberem reagir às situações.
 

Como vimos, perder a paciência é muito comum e pode até ser normal, mas não é o ideal nem para as crianças nem para os pais que se sentem muito culpados depois.

Algumas metodologias de controle da situação podem e devem ser usadas e com muitas chances de funcionarem. A paciência é algo a ser cultivado. Todos queremos ser os melhores pais possíveis com os nossos filhos. Somos todos humanos e não somos perfeitos mas a estrada para melhorarmos como pessoas, como pais, como cidadãos, deve sempre ser procurada.
 
Esperamos ter ajudado com estas informações. Compartilhe esta ideia!
 
Sobre pais, filhos, crianças, talvez te interesse ler também:
 
 
siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!