Caixas de bebês: da Finlândia ao mundo para prevenir a morte súbita e a mortalidade infantil

  • atualizado: 
caixas de  bebês

Na década de 1930, na Finlândia, um programa de incentivo a melhores cuidados na maternidade criou a caixa de bebê - um kit com roupas, agasalhos, colchão e outras objetos necessários aos cuidados do recém-nascido - que era entregue a toda mãe que fizesse o pré-natal. Isso foi há 80 anos atrás e, ainda se considera uma ótima ideia.

Tão boa ideia que outros países já a estão pondo em prática!

Em 2013, quando saiu a primeira reportagem sobre as caixas finlandesas (BBC 04.06.2013 ) o mundo ficou sabendo, a ideia se espalhou e hoje alguns estados dos Estados Unidos, o México e a Inglaterra estudam aplicar essa “boa ideia” como incentivo às políticas públicas de prevenção à morte súbita de bebês, ao controle de Aids pré-natal e à redução da mortalidade infantil.

Os efeitos esperados são adicionais aos cuidados pré-natais - a visita obrigatória ao médico, os exames, os conselhos - que são a razão primeira do incentivo e o que, realmente, reduz a taxa de mortalidade infantil.

baby box canada

O conteúdo da baby box do Canadá - Fonte foto

Síndrome da morte súbita

Os estados norte-americanos de Ohio e Nova Jersey esperam, com a caixa de bebês, ajudar a reduzir o número de mortes súbitas de recém nascidos pelo simples fato de, com a caixa, proporcionar aos novos pais um berço para os filhos, mais adequado do que o dormir em suas camas, onde pode haver risco de sufocamento.

"A pesquisa nos diz que dois dos fatores que contribuem mais para morte súbita são o nascimento prematuro e métodos de sono inseguro ", explica Margaret Larkins-Pettigrew, médico da Case Western Reserve University School of Medicine.

A síndrome da morte súbita não é uma doença - é assim chamada a morte de recém-nascido sem causa determinada e, geralmente, ocorre durante o sono. Pode ser resultante de uma falha no sistema de sobrevivência que travaria a respiração da criança. De qualquer forma, a morte súbita parece estar, de alguma forma, relacionada com os seguintes fatores de risco:

● bebê deitado com a barriga para cima

● bebê deitado em colchão ou travesseiro mole

● bebê coberto com edredom de penas

● bebê em local onde há fumantes ativos, fumaça ou poluentes

● bebê de mães de pouca idade

● não realização de pré-natal

● nascido prematuro de peso ou baixo ao nascer

● presença de infecções respiratórias

A Finlândia conseguiu, com a distribuição da caixa de bebê, reduzir as mortes de recém-nascidos de 65, em 1938, para 1,3, em 2013, em cada mil nascituros. Esta é uma vitória a preço barato para o estado e de muito valor para as mães que, sem esse presente, não poderiam comprar todos os produtos necessários: macacões de frio, fraldas, roupas diversas, brinquedos apropriados e muito mais.

Segundo os finlandeses, o conteúdo da caixa é alterado conforme as necessidades de incentivar esta ou aquela ação - então, para incentivar o aleitamento materno, a caixa deixou de levar mamadeiras e chupetas que antes continha, por exemplo, e funcionou.

Uma caixa de bebês na Índia contêm mosquiteiro e instrumentos para facilitar o parto.

Na África do Sul a caixa é de plástico, mais parece uma banheira.

baby box africa

Fonte foto

Esta é a caixa de bebê inglesa:

baby box inglesa

Fonte foto

Também já se pensa em aplicar a caixa de bebê como incentivo pré-natal na Austrália e no Canadá, cada país adequando o conteúdo da sua caixa à questão mais premente de saúde pública local.

Especialmente indicado para você:

setaAMAMENTAÇÃO → TUDO O QUE É IMPORTANTE SABER PARA A SUA SAÚDE E A DO BEBÊ

setaDAR CHUPETA AO BEBÊ: SIM OU NÃO?

setaCOMO FAZER O BEBÊ PARAR DE CHORAR