Certo e errado na alimentação infantil 

alimentação infantil

Em qualquer idade, dia a dia fica mais evidente a necessidade de nutrir o corpo com a melhor alimentação possível. Como esse tipo de hábito auxilia a melhorar o contexto geral da saúde, pela elevação da imunidade e outros benefícios, evitando determinadas doenças. No caso das crianças, essa questão é ainda mais relevante, porque trata-se de um organismo ainda em formação; por isso, para um desenvolvimento pleno, é necessário cuidado redobrado com a alimentação e a distribuição de nutrientes.

Principais dúvidas sobre alimentação infantil

Não raro, pais, educadores e outras pessoas manifestam diversas dúvidas a respeito do funcionamento, composição e subdivisão das refeições para as crianças.

O primeiro ponto que costuma gerar discussão é sobre momento em que deve ser introduzida a alimentação complementar para as crianças. Em seguida, o que ocorre é uma série de mitos que são propagados indiscriminadamente como verdades, e isso não tem outro resultado, se não dificultar a escolha dos melhores alimentos para a alimentação infantil.

Com dados do Portal Brasil, vinculado ao Ministério da Saúde, a seguir iremos apontar alguns dos principais mitos – e verdades – sobre alimentação infantil, para que você possa fazer as melhores escolhas para os pequenos, de agora em diante. Vamos lá.

É MITO: Crianças precisam ter três refeições por dia

Em creches, costumam ser oferecidas cinco refeições:

• café da manhã;

• almoço;

• lanche;

• jantar;

• ceia.

Além disso, o cardápio correto para o público infantil deve ser montado conforme a seguinte proporção: 25% com alimentos ricos em proteínas: leguminosas como feijão, lentilha, ervilha, grão de bico, soja; carne, peixe, ovo ou frango – complementada com 25% de alimentos ricos em carboidratos – arroz, massas, pães e cereais – e os outros 50% com verduras (cruas e cozidas) e frutas.

É VERDADE: As frutas e verduras são prioridade no cardápio infantil

As frutas e as verduras são valorizadas por conterem:

• fibras;

• vitaminas;

• minerais

e são fundamentais nessa fase, para o ótimo crescimento das crianças. Como o paladar do ser humano é formado no início de sua infância, é de extrema importância que os pequenos conheçam a maior variedade possível de frutas e verduras nessa fase; para que, em idade adulta, sejam mais maleáveis para a alimentação e possam fazer escolhas mais saudáveis.

É VERDADE: Os alimentos crus e duros ajudam a desenvolver a musculatura infantil

Os alimentos crus e duros auxiliam diretamente no desenvolvimento da musculatura buco-facial. Esses alimentos ajudam para que a musculatura facial como um todo não fique flácida, prejudicando a fala, a deglutição e a mastigação das crianças.

É VERDADE: Alimentos com corantes causam uma série de alergias alimentares

Os alimentos com corantes artificiais possuem um risco maior de serem alimentos alergênicos – que provoquem alergias –; portanto, devem ser evitados minimamente até os 2 anos de idade.

E mesmo depois desse período, os pais devem ficar atentos aos rótulos. Por isso damos preferência aos alimentos naturais. No mercado, já existem produtos disponíveis feitos com corantes naturais, um exemplo são as gelatinas.

DEPENDE: É melhor o bebê comer frutas sem casca

A fruta quando consumida com a casca possui maior quantidade de fibras e nutrientes. A pectina da maçã, por exemplo, só é ingerida quando se come a maçã com a casca.

Contudo, vale ressaltar que devido aos resíduos dos agrotóxicos estarem concentrado nas cascas o consumo das frutas com casca deve ser feito quando for de origem orgânica. Toda fruta deve ser muito bem lavada antes do seu consumo, principalmente na infância.

Leia também: 10 alimentos que é melhor não comprar

É VERDADE: Alimentos enlatados e industrializados fazem mal à saúde e devem ser evitados

Devem ser evitados alimentos:

• industrializados;

• açucarados;

• ricos em gordura;

• ricos em sódio, entre outros.

Como exemplos, temos: os refrigerantes, salgadinhos chips, refresco em pó, biscoitos recheados, macarrão instantâneo, podem trazer uma série de riscos à saúde infantil, até mesmo a obesidade, diabetes etc.

O certo é sempre priorizar alimentos naturais e frescos.

Se você quer saber mais sobre a questão dos componentes industriais em alimentos, leia aqui.

Considerações finais sobre alimentação infantil

A família é a grande responsável pela formação do hábito alimentar da criança; então, os pais devem ser o exemplo, mantendo uma rotina de refeições saudáveis.

Também precisam garantir que em casa sempre haja alimentos saudáveis, pois não é a criança que determina as compras no mercado. É fundamental criar uma rotina alimentar onde a criança se alimenta de três em três horas e, principalmente: não fazer o uso de barganhas e chantagens envolvendo a alimentação da criança.

Isso é essencial, porque nessa fase do desenvolvimento humano, temos uma gama de alimentos naturais e rico em nutrientes que devem ser experimentados desde a infância.

A criança esperneia e se joga no chão pedindo guloseimas? Converse, explique e ensine as crianças a dizerem não ao consumismo. Leia aqui para saber como.

Fonte: blog da saúde

Fonte foto: freeimages.com